Semana Temática da LOC/MTC

Trabalhadores cristãos querem “dignificar e cuidar” da Casa Comum

| 2 Mai 2022

Alguns dos oradores na 11ª Semana Temática da LOC/MTC de Braga. Foto © LOC/MTC Braga

Alguns dos oradores na 11ª Semana Temática da LOC/MTC de Braga. Foto © LOC/MTC Braga

 

 

A 11ª Semana Temática da LOC/MTC (Liga Operária Católica/Movimento dos Trabalhadores Cristãos) em Braga terminou com a realização de um encontro presencial deste núcleo diocesano em Barcelos no passado dia 30 de abril. Neste, os presentes puderam discutir e debater o tema “Dignificar o Trabalho, cuidar da Casa Comum, e perceber de que forma o mundo do trabalho tem impacto na vida de cada um.

Sobre as conclusões, enviadas em comunicado ao 7MARGENS, o núcleo diocesano considera que “as injustiças e degradação social, são fatores que contribuem para a destruição conjunta do ser humano e da sua «Casa Comum»”, e que vale tudo para “dizimar a pessoa humana”, afirmando que o aumento do custo de vida provocado desde logo pela inflação pode “aumentar as suas [dos trabalhadores] fragilidades e dependências”. “As consequências desta situação não se fazem esperar: aumentam os tempos de trabalho, mal remunerados e sem condições sanitárias, a pressão sistemática sobre as famílias, os abortos, a redução dos números de nascimentos, a perda de contacto com os restantes trabalhadores e retiram as pessoas dos encontros formativos enquadrados no tecido associativo”, refere o comunicado.

O comunicado acusa também os empresários de oferecerem “horários longos, salários ridículos e condições péssimas”, e depois queixarem-se de “falta de mão de obra”, o que para este grupo de pessoas é estranho, já que “as desculpas de maltratar os nossos irmãos, cada vez têm menos sentido, porque se há melhores condições e vencimentos chorudos, apenas para os exploradores, porque não há para os que estão no «fim da fila»”?

Particpantes da 11ª Semana Temática organizada pela LOC/MTC de Braga. Foto © LOC/MTC Braga

Participantes da 11ª Semana Temática organizada pela LOC/MTC de Braga. Foto © LOC/MTC Braga

 

Neste sentido, os participantes exortam a que “saibamos estar próximos, perto, dos que sofrem, capazes de lhes «ligar as feridas», dos que ainda não descobriram a sua dignidade de filhos e filhas de Deus”. “Os justiceiros não podemos ser nós, mas que alguém puna as barbaridades cometidas”, pedem, explicando que a sua missão agora é “levar de casa em casa o nosso jornal Voz do Trabalho, utilizar os meios digitais que possuímos para registar (fotografar) os locais dos atentados à Casa Comum e à dignidade de quem trabalha”.

 

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This