Trabalhadores dos supermercados marcam greve no 1º de Maio

| 28 Abr 19 | Newsletter, Portugal, Sociedade, Trabalho e Economia, Últimas

Sindicatos querem que os hiper supermercados fechem as portas no 1º de Maio, mas também aos domingos e feriados. Foto © Ben Tavener/Wikimedia

 

Os sindicatos representativos dos trabalhadores de hiper e supermercados entregaram um pré-aviso de greve para o próximo dia 1 de Maio, quarta-feira, Dia Mundial do Trabalhador. Em causa, está a reivindicação de revisão do Contrato Colectivo de Trabalho, cuja negociação se prolonga há 31 meses.

Como destinatários do pré-aviso, incluem-se supermercados das redes Pingo Doce, Continente, Jumbo e Minipreço, no que se repete já de anos anteriores. O CESP – Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, diz em comunicado que, com esta greve, os trabalhadores do sector querem que as empresas em causa e a Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição (APED) revejam o Contrato Colectivo de Trabalho (CCT).

Em concreto, pedem aumento dos salários, encerramento dos supermercados no 1.º de Maio, bem como aos domingos e feriados, o pagamento do trabalho em dia feriado acrescido de 100 por cento, e ainda a progressão automática na carreira de operador de armazém.

No mesmo comunicado, o CESP (que integra a CGTP) saúda a referência do bispo do Porto na homilia do Domingo de Páscoa ao encerramento das grandes superfícies ao domingo, e denuncia o que considera “os comportamentos que as empresas de distribuição já estão a ter, uma vez mais, de pressão e tentativa de intimidação dos trabalhadores”. E acrescenta que várias empresas estão a organizar “lanches, almoços e festas” dentro dos supermercados para “comemorar” o Dia do Trabalhador “ao invés de encerrarem no 1º de Maio, respeitando o direito dos trabalhadores”.

 

Trabalhadores Cristãos pedem respeito pela dignidade

A propósito do próximo 1º de Maio, a Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC) emitiu também um comunicado em que afirma que “o trabalho é um elemento indispensável da dignidade humana” e que “a dignidade do homem, dada por Deus, deve ser respeitada no mundo do trabalho”.

Unindo-se ao Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos (MMTC), do qual faz parte, a LOC/MTC refere também os milhões de pessoas que, na Europa e no mundo, “não têm trabalho para se alimentarem e às suas famílias”. “A mecanização, a automação e a digitalização não devem levar à exclusão de milhões de pessoas”, acrescenta o texto, mas está em causa também a exploração dos recursos que “causa danos irreparáveis e condições de trabalho desumanas”, bem como a digitalização da economia que “conduz a condições laborais precárias”.

O texto recorda afirmações do Papa Francisco na exortação Evangellii Gaudium: “não a uma economia de exclusão e da iniquidade. Esta economia mata (…) “ Como consequência desta situação, grandes massas de população veem-se excluídas e marginalizadas: sem trabalho, sem horizontes, sem saída”. Em todo o mundo, acrescenta o texto a propósito, “60 por cento dos trabalhadores estão empregados no sector informal: sem segurança social, sem direitos laborais e com salários baixos”.

A LOC recorda que os cem anos da Organização Internacional do Trabalho (OIT) “não trouxeram aos trabalhadores de todo o mundo os direitos sociais e laborais estipulados pelas normas da OIT”. E exemplifica: “Milhões de pessoas veem-se privados dos direitos laborais e humanos fundamentais; não podem constituir comissões de trabalhadores nas empresas nem podem organizar-se para se defender.”

Pelo contrário, “o desenvolvimento rumo à paz, o progresso e a justiça social só é possível se todos os países do mundo ratificarem essas normas da OIT”, o que leva a LOC/MTC a pedir “a aplicação global dos direitos laborais de acordo” com as convenções e documentos da Organização Internacional do Trabalho.

“O trabalho e as condições laborais continuam a causar danos na saúde e a morte. O trabalho digno exige condições de saúde e que garanta ao trabalhador um meio de vida com dignidade. A Europa necessita de uma legislação global para um salário mínimo digno nos seus diferentes países. As empresas que operam à escala mundial devem estar obrigadas a aplicar os direitos laborais e as normas de salário mínimo nas suas cadeias de produção”, diz ainda o texto, que reclama um “salário mínimo justo e sustentável na Europa e em todo o Mundo.” E o fim da “exploração dos seres humanos e da nossa mãe Terra”.

 

(Acerca dos mesmos temas, o 7MARGENS publicou um texto da co-presidente do Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos, Fátima Almeida)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O sonho de um novo humanismo… novidade

A Carta Convocatória para o Encontro “Economia de Francisco” (Economy of Francisco), a ter lugar em Assis, de 26 a 28 de março de 2020, corresponde a um desafio crucial para a reflexão séria sobre uma nova economia humana. Dirigida aos e às jovens economistas e empreendedores, pretende procurar e encontrar uma alternativa à “economia que mata”.

Criança no centro?

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco