Trabalho, terra e casa, prioridades dos trabalhadores cristãos

| 8 Jun 19

Movimento Mundial dos Trabalhadores Cristãos converge para Lisboa nas próximas duas reuniões internacionais; LOC/MTC está em congresso neste fim-de-semana e quer “dignificar o trabalho na era digital”.

 

A equipa executiva internacional do Movimento Mundial dos Trabalhadores Cristãos (MMTC) confirmou a realização do próximo conselho internacional para o início de Junho do próximo ano, e a assembleia geral do movimento em Setembro ou Outubro de 2021. Ambas as actividades decorrerão em Lisboa.

O bureau internacional do movimento católico de trabalhadores esteve reunido em Alfragide (Amadora), durante esta semana. A portuguesa Fátima Almeida, co-presidente internacional do MMTC, com Jean Claude Tolbiza (Ilha Rodrigues/Maurícias) disse ao 7MARGENS, no final da reunião, que a tríade “trabalho, terra e habitação” será a prioridade para a acção do movimento mundial nos próximos quatro anos.

A realidade a isso leva o MMTC, que integra quase meia centena de movimentos de todos os continentes excepto Oceânia. Por exemplo, em África domina o “trabalho sem direitos nem condições e mal pago”. A terra é muitas vezes expropriada pelas grandes multinacionais ou particulares, que “cercam terrenos públicos que passam a estar fechados” e são retirados às populações. E na América Latina, há uma situação de “retrocesso” democrático, além de muitas pressões sobre sindicalistas e outros activistas sociais, situações de perda de direitos e um clima de medo a instalar-se.

“Em África domina o trabalho sem direitos nem condições e mal pago”, diz Fátima Almeida. Foto © Tonyfamilia/Wikimedia Commons

 

“Essas serão as nossas prioridades, a partir desse olhar para a realidade”, enquanto o movimento mundial começa a preparar a assembleia mundial de 2021, acrescenta Fátima Almeida.

Da equipa executiva do MMTC fazem parte ainda a secretária geral, Marileia Damâsio (Brasil), o tesoureiro, Philippe Chatelain (França) e o assistente eclesiástico, padre Bernard Robert (França). É a ela que, reunindo duas vezes por ano, cabe promover e dinamizar, junto dos movimentos nacionais de trabalhadores cristãos, as decisões da assembleia geral, convocada cada quatro anos, e do conselho internacional, que reúne uma vez por ano.

A aposta em vários tempos e encontros de formação será outra das prioridades do MMTC para os próximos meses, com a realização de vários seminários regionais na África Oriental, Índico e África Ocidental. No próximo ano, será a vez da Ásia, América Central e América do Sul.

 

Assédio moral e trabalho na era digital

No âmbito internacional, os dois co-presidentes e a secretária geral do MMTC participarão, a partir desta segunda-feira, 10, e até dia 21, na 108ª Conferência da OIT (Organização Internacional do Trabalho), que se realiza em Genebra (Suíça), assinalando os 100 anos da organização e debatendo o futuro do trabalho.

Além dos temas que o MMTC tem no seu alvo, a conferência da OIT terá também em cima da mesa questões como o futuro do trabalho e do emprego, na defesa da dignidade central da pessoa nos processos de desenvolvimento económico. Muitos dos documentos propõem análises e princípios que parecem retirados de documentos da doutrina social católica, diz Fátima Almeida.

O MMTC participa na reunião enquanto observador e não pode, por isso, participar nos debates plenários e votar – os membros da OIT são os governos, as confederações patronais e sindicais. Mas os observadores podem apresentar moções e o movimento católico internacional irá propor, na assembleia, uma moção sobre a questão do assédio moral nos locais de trabalho: “O assédio sexual e a violência não podem fazer parte do mundo do trabalho ou de qualquer outro lugar”, diz a versão provisória do texto a apresentar. “Não é um jogo ou uma atitude desculpável para com os seus semelhantes e mulheres. Provoca dano, humilhação e com isso destrói os valores mais profundos do trabalho: alegria, realização, criatividade e desenvolvimento humano.”

 “Dignificar o Trabalho na Era Digital” é o tema do congresso da LOC/MTC neste sábado e domingo. Foto © Rawpixel.com/Pexels

 

Antes disso, decorrerá entretanto neste sábado e domingo, em Fátima, o congresso nacional da LOC/MTC (Liga Operária Católica/Movimento dos Trabalhadores Cristãos), o movimento português que integra o MMTC. O tema em debate será “Dignificar o Trabalho na Era Digital”.

Questões centrais do debate serão, entre outras, a redução do horário de trabalho e a conciliação do emprego com a vida pessoal e social. “É preciso fazer com que a pessoa não viva para o trabalho. O trabalho tem de possibilitar a conciliação familiar e a participação social e cívica das pessoas”, diz Fátima Almeida.

O congresso destes dois dias irá definir linhas de acção, a partir da vontade de fazer e do muito que já se faz: a digitalização exige empregos qualificados, mas não dá resposta à pouca qualificação do país e muita gente terá dificuldade em adaptar-se, diz a dirigente do MMTC. É preciso repensar modelos de protecção social, através de medidas como o rendimento básico que acompanhe toda a vida da pessoa. E também se debaterá a emergência climática e “o que podemos fazer para regredir nas alterações climáticas, seja através das preocupações ou dos estilos de vida”, acrescenta.

 

Acção contínua, resultados menos imediatos

A LOC/MTC, que décadas atrás, reunia milhares de membros, é hoje um movimento com cinco centenas de militantes em cerca de sete dezenas de grupos. Fernando Abreu, vice-presidente da LOC em 1966-67 descreve alguns resultados do trabalho do movimento: “Desde os primórdios da sua fundação, a LOC empenhou-se com determinação na defesa dos interesses e dos direitos dos trabalhadores, tendo sido relevante a luta pelas oito horas, o descanso semanal ao domingo e o salário familiar.”

Muitas dessas reivindicações eram difundidas pelo jornal O Trabalhador,que por isso, em Novembro de 1967, viu a sua publicação proibida pelo Estado Novo de Salazar. Mas, na sequência de orientações da Junta Central da Acção Católica, “que tinha como desígnio a conversão do corporativismo estatal, os filiados da LOC entraram ‘em força’ nos sindicatos estatais assumindo muitos deles cargos diretivos com a objetiva intenção de os colocarem ao serviço da defesa dos interesses dos trabalhadores”, acrescenta Fernando Abreu, num texto publicado na página da internet da Base-Frente Unitária de Trabalhadores (Base-FUT), da qual também foi fundador.

Hoje, reduzido a um pequeno movimento, a LOC/MTC privilegia sobretudo uma acção que seja pessoalmente mais eficaz, diz Fátima Almeida. “O movimento é menor mas pessoas têm participação activa nos locais em que estão: actividade sindical, associações de meio ambiente, associativismo, partilha de saber, preocupação da maioria dos militantes pelo acompanhamento directo a outras pessoas”, descreve. “Há uma acção contínua, mas os resultados não são imediatos nem tão visíveis.”

A mobilização é um problema em todos os lados – sindicatos, partidos, associativismo”, verifica Fátima Almeida. E não só em Portugal, diz: no México, só em 2018 e 2019 já há várias dezenas de dirigentes sindicalistas mortos e em muitos sítios estes são pressionados ou perseguidos.

Em Portugal, a LOC/MTC pretende sensibilizar a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) e outros agentes pastorais para estas questões. Em estruturas como a carta “Compromisso social cristão”, que junta, além da LOC, a Cáritas, a Comissão Nacional Justiça e Paz e a Associação Cristã de Empresários e Gestores, a LOC/MTC quer também continuar a juntar sinergias para “lutar por trabalho digno”, o que “faz todo o sentido”. E, conclui, os apelos do Papa no sentido de colocar a pessoa no centro da economia e do desenvolvimento têm de ser levados à prática pelos cristãos.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Afinal, quem são os evangélicos? novidade

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco