Trabalho, terra e casa, prioridades dos trabalhadores cristãos

| 8 Jun 19 | Destaques, Newsletter, Sociedade, Trabalho e Economia, Últimas

Movimento Mundial dos Trabalhadores Cristãos converge para Lisboa nas próximas duas reuniões internacionais; LOC/MTC está em congresso neste fim-de-semana e quer “dignificar o trabalho na era digital”.

 

A equipa executiva internacional do Movimento Mundial dos Trabalhadores Cristãos (MMTC) confirmou a realização do próximo conselho internacional para o início de Junho do próximo ano, e a assembleia geral do movimento em Setembro ou Outubro de 2021. Ambas as actividades decorrerão em Lisboa.

O bureau internacional do movimento católico de trabalhadores esteve reunido em Alfragide (Amadora), durante esta semana. A portuguesa Fátima Almeida, co-presidente internacional do MMTC, com Jean Claude Tolbiza (Ilha Rodrigues/Maurícias) disse ao 7MARGENS, no final da reunião, que a tríade “trabalho, terra e habitação” será a prioridade para a acção do movimento mundial nos próximos quatro anos.

A realidade a isso leva o MMTC, que integra quase meia centena de movimentos de todos os continentes excepto Oceânia. Por exemplo, em África domina o “trabalho sem direitos nem condições e mal pago”. A terra é muitas vezes expropriada pelas grandes multinacionais ou particulares, que “cercam terrenos públicos que passam a estar fechados” e são retirados às populações. E na América Latina, há uma situação de “retrocesso” democrático, além de muitas pressões sobre sindicalistas e outros activistas sociais, situações de perda de direitos e um clima de medo a instalar-se.

“Em África domina o trabalho sem direitos nem condições e mal pago”, diz Fátima Almeida. Foto © Tonyfamilia/Wikimedia Commons

 

“Essas serão as nossas prioridades, a partir desse olhar para a realidade”, enquanto o movimento mundial começa a preparar a assembleia mundial de 2021, acrescenta Fátima Almeida.

Da equipa executiva do MMTC fazem parte ainda a secretária geral, Marileia Damâsio (Brasil), o tesoureiro, Philippe Chatelain (França) e o assistente eclesiástico, padre Bernard Robert (França). É a ela que, reunindo duas vezes por ano, cabe promover e dinamizar, junto dos movimentos nacionais de trabalhadores cristãos, as decisões da assembleia geral, convocada cada quatro anos, e do conselho internacional, que reúne uma vez por ano.

A aposta em vários tempos e encontros de formação será outra das prioridades do MMTC para os próximos meses, com a realização de vários seminários regionais na África Oriental, Índico e África Ocidental. No próximo ano, será a vez da Ásia, América Central e América do Sul.

 

Assédio moral e trabalho na era digital

No âmbito internacional, os dois co-presidentes e a secretária geral do MMTC participarão, a partir desta segunda-feira, 10, e até dia 21, na 108ª Conferência da OIT (Organização Internacional do Trabalho), que se realiza em Genebra (Suíça), assinalando os 100 anos da organização e debatendo o futuro do trabalho.

Além dos temas que o MMTC tem no seu alvo, a conferência da OIT terá também em cima da mesa questões como o futuro do trabalho e do emprego, na defesa da dignidade central da pessoa nos processos de desenvolvimento económico. Muitos dos documentos propõem análises e princípios que parecem retirados de documentos da doutrina social católica, diz Fátima Almeida.

O MMTC participa na reunião enquanto observador e não pode, por isso, participar nos debates plenários e votar – os membros da OIT são os governos, as confederações patronais e sindicais. Mas os observadores podem apresentar moções e o movimento católico internacional irá propor, na assembleia, uma moção sobre a questão do assédio moral nos locais de trabalho: “O assédio sexual e a violência não podem fazer parte do mundo do trabalho ou de qualquer outro lugar”, diz a versão provisória do texto a apresentar. “Não é um jogo ou uma atitude desculpável para com os seus semelhantes e mulheres. Provoca dano, humilhação e com isso destrói os valores mais profundos do trabalho: alegria, realização, criatividade e desenvolvimento humano.”

 “Dignificar o Trabalho na Era Digital” é o tema do congresso da LOC/MTC neste sábado e domingo. Foto © Rawpixel.com/Pexels

 

Antes disso, decorrerá entretanto neste sábado e domingo, em Fátima, o congresso nacional da LOC/MTC (Liga Operária Católica/Movimento dos Trabalhadores Cristãos), o movimento português que integra o MMTC. O tema em debate será “Dignificar o Trabalho na Era Digital”.

Questões centrais do debate serão, entre outras, a redução do horário de trabalho e a conciliação do emprego com a vida pessoal e social. “É preciso fazer com que a pessoa não viva para o trabalho. O trabalho tem de possibilitar a conciliação familiar e a participação social e cívica das pessoas”, diz Fátima Almeida.

O congresso destes dois dias irá definir linhas de acção, a partir da vontade de fazer e do muito que já se faz: a digitalização exige empregos qualificados, mas não dá resposta à pouca qualificação do país e muita gente terá dificuldade em adaptar-se, diz a dirigente do MMTC. É preciso repensar modelos de protecção social, através de medidas como o rendimento básico que acompanhe toda a vida da pessoa. E também se debaterá a emergência climática e “o que podemos fazer para regredir nas alterações climáticas, seja através das preocupações ou dos estilos de vida”, acrescenta.

 

Acção contínua, resultados menos imediatos

A LOC/MTC, que décadas atrás, reunia milhares de membros, é hoje um movimento com cinco centenas de militantes em cerca de sete dezenas de grupos. Fernando Abreu, vice-presidente da LOC em 1966-67 descreve alguns resultados do trabalho do movimento: “Desde os primórdios da sua fundação, a LOC empenhou-se com determinação na defesa dos interesses e dos direitos dos trabalhadores, tendo sido relevante a luta pelas oito horas, o descanso semanal ao domingo e o salário familiar.”

Muitas dessas reivindicações eram difundidas pelo jornal O Trabalhador,que por isso, em Novembro de 1967, viu a sua publicação proibida pelo Estado Novo de Salazar. Mas, na sequência de orientações da Junta Central da Acção Católica, “que tinha como desígnio a conversão do corporativismo estatal, os filiados da LOC entraram ‘em força’ nos sindicatos estatais assumindo muitos deles cargos diretivos com a objetiva intenção de os colocarem ao serviço da defesa dos interesses dos trabalhadores”, acrescenta Fernando Abreu, num texto publicado na página da internet da Base-Frente Unitária de Trabalhadores (Base-FUT), da qual também foi fundador.

Hoje, reduzido a um pequeno movimento, a LOC/MTC privilegia sobretudo uma acção que seja pessoalmente mais eficaz, diz Fátima Almeida. “O movimento é menor mas pessoas têm participação activa nos locais em que estão: actividade sindical, associações de meio ambiente, associativismo, partilha de saber, preocupação da maioria dos militantes pelo acompanhamento directo a outras pessoas”, descreve. “Há uma acção contínua, mas os resultados não são imediatos nem tão visíveis.”

A mobilização é um problema em todos os lados – sindicatos, partidos, associativismo”, verifica Fátima Almeida. E não só em Portugal, diz: no México, só em 2018 e 2019 já há várias dezenas de dirigentes sindicalistas mortos e em muitos sítios estes são pressionados ou perseguidos.

Em Portugal, a LOC/MTC pretende sensibilizar a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) e outros agentes pastorais para estas questões. Em estruturas como a carta “Compromisso social cristão”, que junta, além da LOC, a Cáritas, a Comissão Nacional Justiça e Paz e a Associação Cristã de Empresários e Gestores, a LOC/MTC quer também continuar a juntar sinergias para “lutar por trabalho digno”, o que “faz todo o sentido”. E, conclui, os apelos do Papa no sentido de colocar a pessoa no centro da economia e do desenvolvimento têm de ser levados à prática pelos cristãos.

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco