Tratado da ONU que proíbe armas nucleares obtém ratificação de 50 países e vai entrar em vigor

| 27 Out 2020

ratificacao tratado nuclear, Foto ICAN

Mais de três anos depois de ter sido aprovado pela Assembleia Geral das Nações Unidas, o Tratado Internacional de Proibição de Armas Nucleares tem condições para entrar em vigor. Foto © ICAN.

 

O Tratado Internacional de Proibição de Armas Nucleares atingiu este sábado, 24 de outubro, as 50 ratificações necessárias para entrar formalmente em vigor, na sequência da adesão oficial de mais três países: Jamaica, República de Nauru e Honduras. Aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas a 7 de julho de 2017, a proibição das armas nucleares será posta em prática a partir de 22 de janeiro de 2021, quando tiverem passado 90 dias após a ratificação pelos 50 estados.

“Décadas de ativismo alcançaram o que muitos disseram ser impossível: as armas nucleares estão proibidas”, afirmou Beatriz Fihn, diretora executiva da Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares (ICAN, na sigla inglesa).

De acordo com um comunicado publicado no site da instituição que em 2017 foi distinguida com o prémio Nobel da Paz, estamos perante um “marco histórico” que dá início a um  “novo capítulo” para o desarmamento nuclear.

Constituída em 2007, em Viena (Áustria), à margem de uma conferência internacional sobre o Tratado sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares, a ICAN congrega organizações humanitárias, ambientais, pacifistas e de apoio ao desenvolvimento de cerca de 100 países.

De acordo com dados das Nações Unidas, existem atualmente cerca de 13,4 mil armas nucleares e mais da metade da população mundial vive em países que possuem essas armas ou são membros de alianças nucleares.

Destes, cinco países são “proprietários legais”, respeitando o Tratado de NãoProliferação (TNP): Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha, França e China. São ainda “proprietários declarados” a Índia, o Paquistão, Israel e a Coreia do Norte. Entre os países que se opõem à proibição incluem-se os Estados Unidos, defensores da teoria da dissuasão, segundo a qual a única forma de evitar um ataque é possuir meios militares que assegurem a destruição total do inimigo. Entre os países que ainda não ratificaram o tratado, está também Portugal.

 

“Trabalho digno” é o “caminho para a paz e justiça social”, defende MMTC

Mensagem e conferência online

“Trabalho digno” é o “caminho para a paz e justiça social”, defende MMTC novidade

“Num mundo em conflito, com profundas desigualdades e ambientalmente insustentável, o trabalho digno representa o caminho para a paz e a justiça social”, defende o Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos, na véspera do Dia Internacional pelo Trabalho Digno, que se assinala  a 7 de outubro. A mensagem foi divulgada em Portugal pela Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos, nesta quinta-feira, 6, data em que dinamiza, pelas 21 horas, uma videoconferência subordinada ao tema “Trabalho digno para todos”.

Responsáveis religiosos contra desalojamento de comunidade mapuche

Argentina

Responsáveis religiosos contra desalojamento de comunidade mapuche novidade

Os líderes de diferentes Igrejas cristãs de Bariloche (cidade na região da Patagónia Argentina) apelaram esta quarta-feira, 5, à busca de vias de diálogo e de paz, depois de no dia anterior as forças policiais federais terem iniciado uma operação de desalojamento de uma comunidade indígena mapuche, recorrendo ao uso de gás lacrimogéneo e balas de borracha, e que resultou na detenção de pelo menos dez pessoas, entre elas uma mulher grávida e cinco menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Dia 4 de outubro

Filme “A Carta” exibido em Campo de Ourique

O documentário “A Carta” que relata a história da Encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco vai ser exibido no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo na terça-feira, dia 4 de outubro, às 21h15.

Bispo Bätzing “impede” visita do cardeal Koch à Alemanha

Em causa disputa sobre o Caminho Sinodal alemão

Bispo Bätzing “impede” visita do cardeal Koch à Alemanha novidade

O cardeal Kurt Koch, prefeito do Dicastério para a Unidade dos Cristãos, cancelou a sua visita à Alemanha, depois do bispo Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal daquele país, ter dito que ele não seria bem-vindo enquanto não tornasse público um pedido de desculpas pelas afirmações feitas no final de setembro contra o Caminho Sinodal alemão, noticia o jornal católico The Pillar na sua edição de 3 de outubro.

Silêncio: devolver à vida a sua beleza

Livro de oração

Silêncio: devolver à vida a sua beleza novidade

Será um passo paradoxal falar do silêncio: afinal, ele será rompido para que dele se fale. Mas sabemos, na nossa experiência quotidiana, como a ausência de reflexão pode ser sinónimo, não de silêncio, mas de um adormecimento nos ruídos, distrações e imagens que constantemente nos interpelam.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This