Trazer Sophia para o espanto da luz

| 8 Nov 19

Sophia de Mello Breyner Andresen numa foto datada provavelmente dos anos 1950. Foto Fernando Lemos/Direitos reservados

 

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP). A iniciativa pretende também comemorar os 100 anos do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen, cuja data se assinalou quarta-feira, dia 6.

José Rui Teixeira, director da Cátedra Poesia e Transcendência Sophia de Mello Breyner, da UCP, e um dos principais responsáveis pela organização do colóquio, diz ao 7MARGENS que crentes e não-crentes irão debater o tema. Também para reflectir sobre o lugar que as artes podem ter para a missão e actividade da Igreja Católica.

O positivismo teológico está em crise, “paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade”, nota o director da Cátedra na apresentação do colóquio. Mas “tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia”. E na sua “performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico” da sua referência fundamental: “a transluminosa treva do Silêncio”, como escrevia o Pseudo-Dionísio Areopagita, pseudónimo de um autor místico cristão do século VI, que influenciou muitos debates durante a Idade Média.

Estas percepções levaram mesmo José Rui Teixeira a cunhar um neologismo: “teotopias”, a análise do lugar de Deus na literatura. Trata-se de estabelecer uma “teo-topografia”: “Falamos muito do problema do tempo, mas não do espaço”, diz. “A ideia é ver as coordenadas dos lugares habitados pela humanidade e por Deus”. O neologismo tem já mesmo uma casa na internet, que inclui textos, uma revista, notícias de edições e de iniciativas como o presente colóquio.

Precisamente nesta sexta-feira, será colocado à venda o livro Vestigia Dei – Uma leitura teotopológica da literatura portuguesa (ed. Cosmorama), da autoria de José Rui Teixeira, com uma capa onde se reproduz um desenho de José Rodrigues. “E para que servem poetas em tempos de indigência?”, pergunta o autor, na apresentação do volume. Desde logo, para interceder por Deus junto dos homens, explica: “Servem para redescobrir esse espaço em que a imanência e a transcendência se intersectam. O poeta a que se refere Hölderlin desdobra a área de interseção trans-imanente: lugar coabitado, teotopia poética. O poeta desdobra a área de intersecção trans-imanente: é um mediador, agente de intercessão ao modo do santo, mas em sentido inverso: o santo intercede pelos homens junto de Deus, o poeta intercede por Deus junto dos homens.”

Desenho de José Rodrigues na capa do livro “Vestigia Dei – Uma leitura teotopológica da literatura portuguesa”, da autoria de José Rui Teixeira.

 

Também a Cátedra pretende também ser “uma unidade académica para desenhar os critérios sobre o lugar de Deus” nas artes, diz ainda. E este colóquio, organizado em conjunto com a Faculdade de Teologia da UCP e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, da Igreja Católica, dará atenção a eixos temáticos como as continuidades e descontinuidades entre linguagem poética e linguagem teológica; inter[con]textualidades da linguagem poética e linguagem mística; e aproximações estético-fenomenológicas entre linguagem poética e sagrado.

No programa do colóquio, estarão em debate autores como Dalila Pereira da Costa, Mário Cláudio, Vergílio Ferreira, Ruy Belo, Daniel Faria, Luiza Neto Jorge, Jorge de Sena, Fernando Pessoa e Frei Agostinho da Cruz, além da própria Sophia – o dia de sábado será fundamentalmente dedicado à autora de No Tempo Dividido. Haverá também reflexões sobre poetas e autores estrangeiros como Amelia Biagioni, Alejandra Pizarnik, Hugo Mujica, Graham Greene ou Adélia Prado.

Entre os intervenientes, contam-se académicos portugueses (entre os quais Arnaldo de Pinho, um dos mais importantes investigadores da obra de Sophia e antigo director do Centro de Estudos do Pensamento Português) e estrangeiros (participam quatro estrangeiros, dois espanhóis, dois brasileiros e uma italiana), cujos nomes e temas podem ser conferidos no programa completo.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Um Manual de Desintoxicação nos dois anos do PontoSJ novidade

Manual de Desintoxicação é o título do livro que a editorial A.O., dos jesuítas, apresenta esta quinta-feira, 27, no centro cultural Brotéria, no Bairro Alto, em Lisboa. Para o efeito, a partir das 19h, haverá uma conversa entre os jornalistas Isabel Lucas e Luís Osório e o professor universitário Viriato Soromenho-Marques.

Situação “catastrófica” no Líbano, sem “ninguém” para ajudar cristãos novidade

Cerca de 40 mil famílias cristãs podem deixar o Líbano, nos próximos tempos, se a grave crise económica persistir no país, agravando duras condições de vida das pessoas. A irmã Maria Lúcia Ferreira, religiosa portuguesa do Mosteiro de São Tiago Mutilado, em Qara (Síria), perto da fronteira com o Líbano, diz que o agravamento da situação neste último país pode afectar ainda mais os cristãos, que “não têm ajuda de ninguém”, enquanto “os xiitas têm a ajuda do Irão e os sunitas têm a ajuda da Arábia Saudita…”

Epidemia de dengue mata crianças na Bolívia novidade

A diocese de Santa Cruz (centro-sul da Bolívia) decidiu apoiar a prevenção da luta contra a epidemia de dengue que atinge várias regiões do país e que, naquela diocese, matou já 20 pessoas, a maior parte das quais eram crianças.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Olhar a mulher com Alfredo Cunha novidade

O Tempo das Mulheres, em exposição no Museu de Lisboa (Torreão Poente da Praça do Comércio) até 29 de março, oferece um conjunto de fotografias de mulheres com o comentário de Maria Antónia Palla. A objetiva de Alfredo Cunha percorreu diversas regiões do globo, diferentes épocas e vivências culturais. A exposição divide-se em quatro tempos: infância, juventude, idade adulta, e terceira idade; numa alusão aos tempos que percorrem a vida e se constituem como marcos da sua evolução.

Da eutanásia às Cinzas

Viveremos (os cristãos), nesta quarta-feira, a imposição das Cinzas, lindíssima celebração pela qual muitos cristãos (incluindo eu) têm verdadeira devoção, sejam quais forem as interpretações, significados pessoais (ou teológicos) desse gesto: para mim, é sagrado. Passada a Quarta-Feira de Cinzas iniciaremos a caminhada quaresmal.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Mar
3
Ter
Seminário “Ecologia e Espiritualidade” @ ISTA - Convento de S. Domingos
Mar 3@18:00_20:15

O seminário consta de oito sessões semanais, de 3 de Março a 28 de Abril e tem preços reduzidos de participação para estudantes e desempregados.

 

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco