Triangulações cristãs em tempos de guerra

| 21 Fev 2022

Foto: Sede da Associação Cristã de Estudantes em Coimbra. Ilustração Portuguesa nº645, 1 de julho de 1918.

 

O triângulo vermelho é conhecido na história do cristianismo português como o símbolo das Associações Cristãs da Mocidade, parte integrante de um movimento internacional, de origem anglo-americana e de inspiração evangélica, que preconizava o desenvolvimento espiritual, intelectual e físico da juventude. Em Portugal, a organização começou por denominar-se União Cristã da Mocidade (UCM) e foi fundada por iniciativa da comunidade protestante no Porto em 1894, data a partir da qual se multiplicaram um pouco por todo o país os núcleos que, no seguimento do IV Congresso da instituição, em 1920, passaram a ser denominados como Associações Cristãs da Mocidade (ACM).

Seguindo os sistemas de organização e ação desenvolvidos nas Young Men Christian Associations (YMCA) anglófonas, as ACM desenvolveram em Portugal a teorização e a prática dos chamados princípios “acemistas”, implementando simultaneamente uma simbologia própria. A valorização dos “Soul”, “Body” e “Mind” – cujas iniciais em português coincidiam precisamente com a sigla da associação: Alma, Corpo e Mente (ACM) – constituíam os três elementos da obra de educação integral da mocidade e os três lados do triângulo equilátero de base invertida e de cor vermelha – representativa, dizia-se, do “entusiasmo” e “força” que o movimento procurava encabeçar. O símbolo foi adotado no início da I Guerra Mundial, num momento em que a associação investiu na adaptação do seu programa ao contexto do conflito armado.

Foto: 1º Grupo de enfermeiras militares destinadas aos hospitais da base do CEP no dia da chegada a Paris. Ilustração Portuguesa nº 644, 24 de junho de 1918.

O “Movimento do Triângulo Vermelho”, como passou então a ser conhecido, resultando essencialmente dos esforços norte-americanos e ingleses, prestou serviços de assistência às tropas aliadas em campanha na Europa. Entre as centenas de milhares de soldados que receberam o auxílio do Triângulo Vermelho estiveram os militares do Corpo Expedicionário Português (CEP). A organização da assistência específica junto dos soldados portugueses resultou na constituição formal do Triângulo Vermelho Português, cuja organização definitiva, depois de enfrentadas algumas dificuldades e obstáculos burocráticos, em parte relacionados com a acusação de que existiriam por detrás do seu plano de intervenção propósitos de “propaganda religiosa”, acabaria por ser autorizada pelo governo republicano e por se concretizar em 1918, sob a coordenação do missionário norte-americano Myron Augustus Clark (? – 1920), importante dinamizador das ACM no Brasil e fundador também da “Associação Cristã de Estudantes” em Coimbra; e de Alfredo Henrique da Silva (1872-1950), pastor metodista português. A sede do Triângulo Vermelho Português instalou-se em Paris (no nº29 da Rue de Montholon) e a sua ação foi publicitada nas ruas e gares da cidade através da instalação de placards anunciando, em língua portuguesa, que os membros do CEP poderiam dirigir-se aos Postos de Informação da associação.

A assistência fornecida pelo Triângulo Vermelho Português, em dependência estreita do movimento internacional, concretizou-se essencialmente na participação da edificação e equipagem de pavilhões que funcionavam como casas hospitaleiras onde os soldados podiam passar o seu tempo livre. As tendas militares instaladas pelo Triângulo Vermelho dispunham de gabinetes de leitura e sala de correspondência, onde se ofereciam livros, papel e tinta, e de cantina e sala de recreio, onde se forneciam bolos, chá, refrescos e jogos de sala; dinamizando também sessões de cinema e de lanterna mágica, concertos, conferências, aulas e a prática de desporto. Estabelecendo como regra o “princípio de neutralidade assectária”, a associação forneceu também naqueles espaços o local para a realização de reuniões devocionais de qualquer culto, ao mesmo tempo que declarava estar na base daquele programa de atividades a dinamização de “boas práticas” e um plano de morigeração da juventude e de combate à imoralidade e ao vício, retratando os soldados como estando sujeitos a múltiplas tentações.

Com o final da guerra, a ação do Triângulo Vermelho entre as tropas não terminou, sendo que o mesmo foi responsável pela abertura em Lisboa, Porto e Coimbra, de centros militares – conhecidos como os “Pavilhões do Triângulo Vermelho” – onde se mantinha o fornecimento daqueles serviços e atividades aos soldados (não exclusivamente portugueses), cuja afluência era muito considerável. Em 1920, o Governo português concedeu a Myron Clark o grau de cavaleiro da Ordem de Cristo pelos serviços prestados ao país durante o conflito e em 1921, representantes do Triângulo Vermelho Português foram convidados a participar nas cerimónias de homenagem ao Soldado Desconhecido como forma de reconhecimento pelo trabalho daquela organização durante a Grande Guerra.

Desde aqueles anos, e até bastante tarde, a história do movimento do Triângulo Vermelho e das ACM em Portugal entrecruzou-se quase completamente, sendo que as duas expressões passaram a ser comummente utilizadas como sinónimas. Entre novembro de 1920 e abril de 1923, a Aliança Nacional das ACM publicou um mensário ilustrado intitulado precisamente Triângulo Vermelho, sob a coordenação de outro importante pioneiro do protestantismo em Portugal, Eduardo Moreira (1886-1980). A revista teria uma segunda série, entre 1974 e 1988 e ambas as coleções podem atualmente ser consultadas na Biblioteca Nacional de Portugal. No mesmo periódico, podemos acompanhar ainda o percurso do Triângulo Azul, obra social congénere, mas especialmente dedicada às mulheres e que há precisamente um século, a partir de 1922, procurou dar continuidade em Portugal a um trabalho internacional de apoio à juventude feminina e às mulheres operárias, tendo sido dinamizada no nosso país pelas Associações Cristãs da Mocidade Feminina (ACMF), ligadas, por sua vez, à Young Women Christian Association (YWCA). Da rede dos Triângulos e das ACM nasceriam também as primeiras dinâmicas escotistas masculinas e femininas em Portugal e dos seus esforços de desenvolvimento dos campos intelectual e educativo, surgiriam movimentos como o da promoção da Educação Física como disciplina indispensável no interior do sistema de ensino, sendo que práticas como a do basquetebol, ténis e ping-pong chegaram por esses caminhos ao nosso país.

 

Rita Mendonça Leite é investigadora do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa (UCP-CEHR); contacto:  ritamenleite@gmail.com

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This