Discurso de ódio contra muçulmanos

Tribunal apoia Twitter na suspensão da conta do Vox

| 9 Mar 2022

rede social twitter foto c roman okopny

A rede social Twitter já havia suspendido a conta do Vox em 2020, quando este a utilizou para difundir mensagens falsas sobre o PSOE.  Foto © Roman Okopny.

 

O Supremo Tribunal de Espanha rejeitou a queixa do partido de extrema-direita Vox contra o Twitter, na sequência de esta rede social ter suspendido por oito dias a sua conta sob a acusação de que estava a ser usada para propagandear um discurso de ódio, noticiou o Muslim News esta quarta-feira, 9 de março.

A suspensão teve lugar no início de 2021, durante a campanha para as eleições catalãs, quando o Vox difundiu vários tweets sob o lema “Pare a islamização”, entre os quais alguns que deturpavam a realidade afirmando que os imigrantes muçulmanos representavam apenas 0,2 por cento da população da Catalunha, mas eram responsáveis ​​por 93 por cento dos crimes cometidos. Por nada disto ser verdade, o Twitter voltou a suspender a conta do Vox, repetindo o que já tinha feito em 2020 quando aquele partido a utilizou para difundir mensagens falsas sobre o PSOE acusando-o de “promover a pedofilia com dinheiro público”.

A queixa ao Supremo Tribunal fundamentava-se no facto de o Vox se sentir objeto de censura, condição que os juízes não lhe reconheceram, alegando que o partido concordara com as regras da plataforma quando abriu a sua conta no Twitter e que a suspensão era “razoável e proporcional” (ver Euronews).

De acordo com o Muslim News, estas “suspensões temporárias” não têm impedido o Vox de “continuar a ganhar força nas redes sociais e nas sondagens”. O jornal cita a última sondagem publicada por El País, em que aquele partido de extrema-direita surge como “o único grande partido que cresceu em popularidade desde as eleições legislativas de 2019”, atingindo “os 19,2 por cento das intenções de voto”, o que o coloca como o “terceiro partido mais popular da Espanha”.

Recorde-se que em Portugal o Twitter suspendeu a partir de 22 de fevereiro e com carácter definitivo a conta pessoal do líder do Chega, André Ventura, alegando que ele a usava de forma violadora “dos termos de serviço do Twitter, especificamente das regras do Twitter contra conduta de propagação de ódio”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This