Após campanha contra igrejas protestantes

Tribunal Europeu condena Bulgária por violar direito à liberdade religiosa

| 15 Dez 2022

 

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos condenou o Governo da Bulgária por ter violado o direito à liberdade religiosa dos cristãos evangélicos no país. O caso remonta a 2008, quando funcionários do Estado lideraram uma campanha que visava alertar crianças e famílias para o perigo de se aproximarem das igrejas protestantes. A sentença foi conhecida esta semana e divulgada pela organização de defesa das liberdades fundamentais ADF International.

Foi com o apoio de um advogado daquela organização que dois pastores búlgaros, Zhivko Tonchev e Radoslav Kiryakov, levaram o caso ao tribunal europeu, apresentando a carta que na altura foi enviada às escolas do país, e onde se lia que havia o perigo de “sofrer distúrbios mentais” ao frequentar os cultos protestantes, e que os elementos daquelas igrejas pretendiam “enganar os novos membros” e “desunir a nação búlgara”.

Dada a “linguagem pejorativa e hostil” usada pelas autoridades da  Bulgária, país onde Igreja Ortodoxa Búlgara tem o estatuto de “igreja tradicional da república”, o tribunal concluiu que o governo “infringiu desproporcionalmente” a liberdade religiosa dos pastores e das suas igrejas.

“Estamos entusiasmados com o facto de o Tribunal Europeu de Direitos Humanos ter reconhecido o nosso direito fundamental à liberdade religiosa, mesmo a tempo do Natal. Os funcionários do governo não tinham o direito de difamar a nossa fé cristã, apenas porque somos diferentes da prática religiosa maioritária na Bulgária. Com este veredito, o tribunal afirmou que a liberdade religiosa pertence a todos”, afirmou o pastor Tonchev, citado pela ADF International.

Robert Clarke, diretor de advocacia da organização e co-advogado no caso afirmou, por seu lado, que “a decisão do tribunal oferece uma oportunidade fundamental para a Bulgária, como uma sociedade pós-comunista, de se comprometer novamente com os direitos humanos para todos”, acrescentando que “esta decisão envia uma mensagem clara de que os esforços do governo para erradicar a liberdade religiosa são inaceitáveis e fundamentalmente incompatíveis com a democracia”.

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, 76% dos búlgaros são ortodoxos orientais, principalmente na Igreja Ortodoxa Búlgara. O segundo maior grupo religioso do país são os muçulmanos, com 10% da população. Os católicos da Bulgária representam apenas 0,8% de sua população.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This