Comissão diz que manterá parceria

Tribunal europeu dá razão aos sarauis contra acordos UE-Marrocos

| 29 Set 2021

Vista geral do campo de refugiados sarauis de Smara, daira (bairro) de Mahbes, em Tindouf (sudoeste da Argélia). Foto © Tomás Sopas Bandeira

 

O Tribunal Geral da União Europeia anulou nesta quarta-feira, 29 de Setembro, dois acordos sobre produtos agrícolas e pesqueiros da região do Sara Ocidental, depois de a Frente Polisario, que luta pela autodeterminação do território, ter interposto uma acção em 2019, após a assinatura dos documentos.

A sentença, saudada com entusiasmo pela Frente Polisario, considera que os acordos não tiveram em conta o consentimento dos sarauis e que a violação desse princípio afecta o povo do deserto, “na sua qualidade de terceira parte de um acordo celebrado entre a União Europeia e Marrocos” – diz o texto, disponível em espanhol, francês e inglês na página do Tribunal.

Os acordos continuarão, entretanto, a vigorar por mais dois meses, o tempo que as partes têm para recorrer da decisão. Num comunicado conjunto, a Comissão Europeia e o Governo marroquino disseram que manterão a parceria, segundo informa a Euronews.

O Tribunal rejeitou, no entanto, o argumento da Frente Polisario segundo o qual a UE e Marrocos não podem fazer um acordo aplicável ao Sara Ocidental, considerando que essa hipótese não está excluída pelo direito internacional, tal como interpretado pelo Tribunal de Justiça da UE.

Do outro lado, a sentença “conclui que o Conselho [Europeu] não teve suficientemente em conta todos os factores relevantes relacionados com a situação no Sara Ocidental e considerou erradamente que gozava de uma margem de discricionariedade na decisão de cumprir ou não esse requisito”.

A Frente Polisario (acrónimo de Frente Popular para a Libertação de Saguía el Hamra y Rio de Oro) fala de “dois acórdãos históricos para a causa saraui”, com a anulação “na sua totalidade” dos acordos UE-Marrocos “que incluíam ilegalmente o Sara Ocidental”. Em comunicado, a FPolisario considera que o Tribunal concluiu que a Polisario é a representante do povo saraui. Por isso, “tem a capacidade de intentar acções judiciais junto dos tribunais europeus para defender os direitos soberanos do seu povo sobre o seu território nacional e recursos naturais”, ao mesmo tempo que “anula os novos acordos UE-Marrocos porque foram ilegalmente impostos ao povo saraui”, sem o seu consentimento, diz o texto, publicado na página da Associação de Amizade Portugal-Sahara Ocidental.

Oubi Bouchraya, membro do Secretariado Nacional da Frente Polisario e seu representante na Europa e na União Europeia, lamentou que o anterior acórdão de 2016 tenha sido ignorado pela Comissão Europeia, apelando ao respeito pelo Estado de direito e pelo direito internacional por parte dos líderes europeus. “A sua desconfiança em relação à justiça europeia continua a dificultar o processo de descolonização do Sara Ocidental”, afirmou.

 

Igreja precisa mais dos média do que o contrário

Debate 7M: A Igreja e os média (1)

Igreja precisa mais dos média do que o contrário novidade

Quando se pergunta se em Portugal a relação da Igreja com os média e os jornalistas é boa, uma resposta simplista é sempre uma má resposta, principalmente porque estamos a falar de uma instituição, a Igreja Católica, que por si só é uma multiplicidade de realidades. Para ser honesto, prefiro responder que não há uma resposta, mas muitas respostas, tantas quanto as instituições ou os serviços que constituem a Igreja portuguesa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

… E de novo tostões e milhões!

[Segunda Leitura]

… E de novo tostões e milhões! novidade

Para o sr. Berardo, pelos vistos, um milhão de euros deve ser uma ninharia. Porque ele deve cerca de 900 milhões. Ou seja: gente como nós precisava de viver novecentas vidas para acumular esse montão de notas. E como é que alguém, no espaço de meia dúzia de anos, consegue ficar a dever 900 milhões de euros?… Como?…

O melhor seria

O melhor seria novidade

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Abusos sexuais

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Gostaria de falar, em primeiro lugar, acerca da Igreja enquanto instituição de poder, porque essa é uma das maiores premissas que orientam o meu trabalho enquanto jornalista que se dedica à cobertura dos assuntos religiosos e, em especial, ao escrutínio da atividade da Igreja Católica. Que não haja dúvidas: a Igreja é uma instituição de poder.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This