Não é considerado discriminação

Tribunal europeu determina que empresas podem proibir símbolos religiosos

| 14 Out 2022

mulheres usando veu islamico no escritorio foto pavel danylyuk pexels

O tribunal alertou que esta proibição pode “constituir uma diferença de tratamento indiretamente baseada na religião ou nas crenças” se resultar no desfavorecimento de pessoas de uma determinada religião. Foto © Pavel Danylyuk / Pexels.

 

O Tribunal de Justiça da União Europeia determinou que as empresas que proíbam os seus trabalhadores de usar símbolos visíveis das suas convicções religiosas, filosóficas ou espirituais não constitui uma discriminação direta, desde que a regra se aplique de forma geral e indiferenciada a todos os funcionários.

O acórdão foi proferido esta quinta-feira, 13, na sequência da denúncia de uma mulher muçulmana que em 2018, na Bélgica, depois de ter sido selecionada para uma vaga de emprego, acabou por perder o lugar por insistir usar o véu islâmico, noticiou o jornal La Croix.

Apesar de concluir que, se as regras das empresas realmente abrangerem qualquer sinal, pequeno ou grande, de qualquer religião ou crença, e se aplicarem a todos, isso não pode ser considerado como prova de discriminação, o tribunal alerta que tal proibição pode “constituir uma diferença de tratamento indiretamente baseada na religião ou nas crenças” se resultar no desfavorecimento de pessoas de uma determinada religião.

O tribunal assinalou ainda que a discriminação com base na “religião ou crenças” devem ser distinguida da baseada em “opiniões políticas ou de qualquer outro tipo”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This