Tríptico e eco

| 27 Mai 2022

Farol Petit Minou Foto de Mickael Jonas-Licença CC BY-SA 4-0

Sento-me num fulgor de luz / Suspenso bem alto sobre o mar sombrio”. Foto de © Mickael Jonas.

 

/

O desejo arcaico de desvalorizar o tempo reaparece transformado na vontade artística de criar obras fortes o suficiente para parar o tempo. (…) os profundos prazeres do belo (…) tornam o tempo insignificante, chamando-nos a uma realidade que transcende o tempo.

(Karsten Harries, Building and the Terror of Time)

 

//

O que julga ter atravessado os espaços
não saiu do seu lugar
e quem repete o seu nome
ignora o que não se deixa ver
nem se adivinha

prende na boca
o silêncio e mergulha com ele
até ao fundo
nisto consiste a devoção verdadeira 

tudo o mais é vaidade

(José Tolentino Mendonça, Eclesiastes)

 

///

Sento-me num fulgor de luz
Suspenso bem alto sobre o mar sombrio

(Robert Louis Stevenson, The Light Keeper [O Faroleiro])

 

+ (ecos)

Vivemos numa coordenada temporal e espacial que em contínuo se transmuta, atravessando a espessura dos momentos e tacteando a envolvente física. No tempo actual até podemos medir essas coordenadas com precisão cada vez mais rigorosa. Os relógios atómicos associam-se às sincronizações horárias para nos situar no tempo e as grelhas cartográficas indicam a nossa posição num espaço definido. Estas coordenadas implicam o estabelecimento de uma origem, a partir de onde irradiam os anos, eras e períodos; ou os graus, metros e anos‑luz dos meridianos, paralelos, azimutes, quadrantes. Mas esta crono‑cartografia precisa não nos esclarece todos os mistérios da vida: tanto que quanto mais misteriosos e difíceis de esclarecer, mais são atrapalhados por estas medições e localizações exactas.

Do mesmo modo, só na suspensão temporária desses factores conseguimos aproximar-nos melhor da realidade transcendente de Deus que, ela própria, nos é fugaz diante dos olhos e, por ser infinitamente maior, nunca pode ser totalmente abarcada. Vamos conhecendo aos poucos, cada vez de maneira mais completa, juntando peças num mosaico. Mas é sempre uma visão parcial, que nos foge e desconcerta no momento em que pensamos finalmente já ter descoberto tudo. “Quem procuras?”, pergunta-nos (João 20,15).

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

 

João Valério é arquitecto e organista.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This