Tríptico e eco

| 27 Mai 2022

Farol Petit Minou Foto de Mickael Jonas-Licença CC BY-SA 4-0

Sento-me num fulgor de luz / Suspenso bem alto sobre o mar sombrio”. Foto de © Mickael Jonas.

 

/

O desejo arcaico de desvalorizar o tempo reaparece transformado na vontade artística de criar obras fortes o suficiente para parar o tempo. (…) os profundos prazeres do belo (…) tornam o tempo insignificante, chamando-nos a uma realidade que transcende o tempo.

(Karsten Harries, Building and the Terror of Time)

 

//

O que julga ter atravessado os espaços
não saiu do seu lugar
e quem repete o seu nome
ignora o que não se deixa ver
nem se adivinha

prende na boca
o silêncio e mergulha com ele
até ao fundo
nisto consiste a devoção verdadeira 

tudo o mais é vaidade

(José Tolentino Mendonça, Eclesiastes)

 

///

Sento-me num fulgor de luz
Suspenso bem alto sobre o mar sombrio

(Robert Louis Stevenson, The Light Keeper [O Faroleiro])

 

+ (ecos)

Vivemos numa coordenada temporal e espacial que em contínuo se transmuta, atravessando a espessura dos momentos e tacteando a envolvente física. No tempo actual até podemos medir essas coordenadas com precisão cada vez mais rigorosa. Os relógios atómicos associam-se às sincronizações horárias para nos situar no tempo e as grelhas cartográficas indicam a nossa posição num espaço definido. Estas coordenadas implicam o estabelecimento de uma origem, a partir de onde irradiam os anos, eras e períodos; ou os graus, metros e anos‑luz dos meridianos, paralelos, azimutes, quadrantes. Mas esta crono‑cartografia precisa não nos esclarece todos os mistérios da vida: tanto que quanto mais misteriosos e difíceis de esclarecer, mais são atrapalhados por estas medições e localizações exactas.

Do mesmo modo, só na suspensão temporária desses factores conseguimos aproximar-nos melhor da realidade transcendente de Deus que, ela própria, nos é fugaz diante dos olhos e, por ser infinitamente maior, nunca pode ser totalmente abarcada. Vamos conhecendo aos poucos, cada vez de maneira mais completa, juntando peças num mosaico. Mas é sempre uma visão parcial, que nos foge e desconcerta no momento em que pensamos finalmente já ter descoberto tudo. “Quem procuras?”, pergunta-nos (João 20,15).

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

 

João Valério é arquitecto e organista.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This