Tríptico e eco

| 27 Mai 2022

Farol Petit Minou Foto de Mickael Jonas-Licença CC BY-SA 4-0

Sento-me num fulgor de luz / Suspenso bem alto sobre o mar sombrio”. Foto de © Mickael Jonas.

 

/

O desejo arcaico de desvalorizar o tempo reaparece transformado na vontade artística de criar obras fortes o suficiente para parar o tempo. (…) os profundos prazeres do belo (…) tornam o tempo insignificante, chamando-nos a uma realidade que transcende o tempo.

(Karsten Harries, Building and the Terror of Time)

 

//

O que julga ter atravessado os espaços
não saiu do seu lugar
e quem repete o seu nome
ignora o que não se deixa ver
nem se adivinha

prende na boca
o silêncio e mergulha com ele
até ao fundo
nisto consiste a devoção verdadeira 

tudo o mais é vaidade

(José Tolentino Mendonça, Eclesiastes)

 

///

Sento-me num fulgor de luz
Suspenso bem alto sobre o mar sombrio

(Robert Louis Stevenson, The Light Keeper [O Faroleiro])

 

+ (ecos)

Vivemos numa coordenada temporal e espacial que em contínuo se transmuta, atravessando a espessura dos momentos e tacteando a envolvente física. No tempo actual até podemos medir essas coordenadas com precisão cada vez mais rigorosa. Os relógios atómicos associam-se às sincronizações horárias para nos situar no tempo e as grelhas cartográficas indicam a nossa posição num espaço definido. Estas coordenadas implicam o estabelecimento de uma origem, a partir de onde irradiam os anos, eras e períodos; ou os graus, metros e anos‑luz dos meridianos, paralelos, azimutes, quadrantes. Mas esta crono‑cartografia precisa não nos esclarece todos os mistérios da vida: tanto que quanto mais misteriosos e difíceis de esclarecer, mais são atrapalhados por estas medições e localizações exactas.

Do mesmo modo, só na suspensão temporária desses factores conseguimos aproximar-nos melhor da realidade transcendente de Deus que, ela própria, nos é fugaz diante dos olhos e, por ser infinitamente maior, nunca pode ser totalmente abarcada. Vamos conhecendo aos poucos, cada vez de maneira mais completa, juntando peças num mosaico. Mas é sempre uma visão parcial, que nos foge e desconcerta no momento em que pensamos finalmente já ter descoberto tudo. “Quem procuras?”, pergunta-nos (João 20,15).

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

 

João Valério é arquitecto e organista.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This