Tropeçar com Eduardo Lourenço na palavra “Jesus”

| 13 Dez 2020

” José Tolentino Mendonça, poeta cardeal, na sua homilia no funeral do professor revelou a “única vez” que viu Eduardo Lourenço chorar: “ele tropeçou, como o Apóstolo Paulo terá tropeçado, na palavra ‘Jesus’.” Eduardo Lourenço. Foto: Direitos reservados/SNPC

 

Foi numa conversa pessoal, entre amigos e de coração descalço, que Eduardo Lourenço tropeçou na palavra “Jesus”. Quem o revela é esse outro explorador e cartógrafo do espírito, digno herdeiro daquele decifrador de signos, a quem Portugal deve também maior entendimento de si. José Tolentino Mendonça, poeta cardeal, na sua homilia no funeral do professor revelou a “única vez” que viu Eduardo Lourenço chorar: “ele tropeçou, como o Apóstolo Paulo terá tropeçado, na palavra ‘Jesus’. E os seus olhos encheram-se de água e a sua voz de silêncio, de lentidão e de soluços. Passou muito tempo para que me dissesse, chorando: ‘não há nada superior a Jesus. Já se imaginou um Deus que diz ‘Bem-aventurados os pobres, os humildes, os misericordiosos, os puros de coração, os perseguidos, os que têm fome e sede de justiça, os que constroem a paz’? Não há nada superior a isto”.

São palavras maravilhosas e comoventes do nosso grande filósofo e ensaísta (1923-2020) que se sentia católico, mas também – confessou-o – “um místico sem fé”.

Esta revelação fez-me regressar ao texto das Bem-aventuranças que o evangelista Mateus (Mt. 5, 1-12) coloca no início da vida pública ou ministério de Jesus.

Sempre me interroguei sobre a razão de Mateus colocar as bem-aventuranças no início do ministério de Jesus pois tais palavras, de tão densas, parecem mais ajustadas a um momento de grande maturidade existencial, fruto de longo amadurecimento e reflexão, quase sempre de um árduo e profundo trabalho interior, apanágio de quem teve uma vida abundante de anos. No entanto, o evangelista preferiu fazer desse discurso não uma síntese ou testamento de vida, mas um programa de vida, um discurso programático.

Em todo o caso, as bem-aventuranças são o espelho e o corolário de um esforço interior de interrogação da vida, de cabotagem e mapeamento do humano, de exploração e leitura de si, de decifração íntima de Deus, de cartografia da imagem de Deus que se foi formando a partir da meditação das Escrituras, de obediência à Sua vontade percebida na paixão pelas mesmas Escrituras e a conjugação desta vontade com a vida do dia a dia das pessoas simples, dos pescadores, das multidões que entrarão nas suas parábolas, dos vinhateiros e camponeses, dos doentes e deserdados a quem testemunhará uma atitude que não se improvisa no momento, mas que nasce de uma demorada e dolorosa aprendizagem do amor.

As palavras de Jesus revelam que por detrás delas há períodos longos e misteriosos de gestação, que os textos evangélicos omitem, ou não dão a conhecer facilmente, porque pertencem àquele universo da infância, da adolescência, da juventude e da idade adulta que passaram à história como os trinta anos de vida oculta e desconhecida de Jesus, antes da vida pública.

Colocando as bem-aventuranças no início da atividade pública de Jesus, o evangelista Mateus talvez nos queira sugerir a construção da humanidade de Jesus no tempo e no espaço. A vida furtiva de Jesus talvez não seja tão anónima quanto isso. Lendo e meditando as bem-aventuranças talvez descubramos, afinal, em que ocupou Jesus os seus dias de ilustre desconhecido: a construir e forjar a sua alma.

As bem-aventuranças são, por isso, uma palavra que sintetiza, antes de mais, quem é o próprio Jesus, o seu melhor e mais fascinante autorretrato. Jesus é o homem de que se fala nas bem-aventuranças. A primeira chave de leitura do texto é, portanto, cristológica. Depois, as bem-aventuranças são também uma palavra que revela quem é Deus. Jesus expressa-se com firme autoridade a propósito de Deus afirmando que o Reino de Deus pertence a quem é pobre em espírito, pertence a quem é perseguido pela justiça, diz que os puros de coração verão a Deus, que os que trabalham pela paz serão chamados filhos de Deus…

A segunda chave de leitura é, assim, teológica. Finalmente, as bem-aventuranças desvelam também a via para uma humanidade humanizada, uma humanidade capaz de narrar Deus. A pobreza em espírito, a humildade, a misericórdia, a retidão de coração, a paz, a busca da justiça arriscando o sofrimento por sua causa são uma via de humanização e de futuro para a humanidade. Esta é, enfim, a terceira chave de leitura, a antropológica.

As bem-aventuranças de Jesus, vividas antes de mais por si próprio, tornam-se assim revelações de uma vida outra possível, de uma humanidade alternativa, em que até a perseguição e a aflição, a falta de justiça e a ruindade, a ausência de santidade enfim, são situações que podem abrir à felicidade.

Roma, 4 de Dezembro de 2020

 

Mário Rui de Oliveira é padre, autor de O Livro da Consolação,  e trabalha em Roma.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This