Em causa transformação em mesquita

Turquia arrisca conflito com Unesco por causa de Hagia Sophia

| 1 Ago 2021

Hagia Sophia. Istambul.

Hagia Sophia. Istambul. Foto António José Paulino

 

O Comité do Património Mundial da UNESCO não concorda com a decisão do governo turco de transformar a igreja de Hagia Sophia, em Istambul, e o mosteiro de Chora em mesquitas. Na sua 44ª sessão, de 23 de julho de 2021, o órgão, que representa 21 países, lamentou a decisão da Turquia, apesar dos repetidos apelos para salvaguardar a condição de museu aberto a todos (no país existem 82.603 mesquitas e apenas 438 museus, 91 dos quais na cidade do Bósforo).

A preocupação deve-se à escassa garantia de uso universal dos dois locais, sujeitos à autoridade religiosa islâmica. O Comité pede ao Governo um relatório sobre a manutenção dos dois monumentos até fevereiro de 2022 para permitir uma avaliação mais aprofundada. Segundo as normas da Unesco, o reconhecimento do bem universal exige que os Estados não alterem o estatuto sobre o valor universal do bem sem diálogo prévio, o que não aconteceu. Isso pode significar a retirada do reconhecimento, com efeitos negativos na imagem do país e nas receitas relacionadas com o turismo. Em outubro de 2020, uma missão da Unesco visitou os dois monumentos.

Andrey Azoulay, diretor-geral da Unesco, disse na altura da visita que “Hagia Sophia é uma obra-prima arquitectónica e um testemunho único do encontro entre a Europa e a Ásia ao longo dos séculos”. “O seu estatuto de museu reflecte a universalidade do seu património e torna-o um poderoso símbolo de diálogo”, referiu. Já Ernesto Ottone Ramirez, subdiretor geral de Cultura, acrescentou que “é importante discutir previamente com a Unesco qualquer decisão de modificação que tenha consequências no acesso físico, na estrutura do edifício, nos bens móveis e na gestão do terreno.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This