Uigures podem estar a ser vítimas de um Holocausto na China

| 16 Jul 20

uigures, China, Foto_ © Xinjiang Bureau of Justice WeChat Account

Uma imagem divulgada nas redes sociais do governo chinês mostra centenas de uigures detidos num campo de educação política em Xinjiang. Foto: © Xinjiang Bureau of Justice, através da HRW.

O alerta foi dado por políticos e representantes de diversos grupos judaicos, na sequência da apreensão de 13 toneladas de cabelo humano no porto de Newark, EUA, que se suspeita ter sido retirado a uigures, na China: os sinais de que esta minoria étnica muçulmana está a ser alvo de perseguição são cada vez mais evidentes, num cenário que é já comparado ao Holocausto.

“A minha regra fundamental é que nada pode ser comparado com o Holocausto”, afirmou Alistair Carmichael, deputado liberal democrata do parlamento britânico, citado pelo Jewish News. “Sei, no entanto, que este relato [da apreensão de cabelo humano que terá sido retirado forçadamente a prisioneiros uigures] tem muitos ecos angustiantes para quem conhece a história desse episódio terrível”, assumiu, alertando que “os acontecimentos em Srebenica e no Ruanda nas últimas décadas devem ensinar-nos que o genocídio ainda pode acontecer e que ninguém está seguro, a menos que todos se protejam”.

Mia Hasenson-Gross, diretora da René Cassin (uma organização judaica de defesa dos direitos humanos), concorda: “O comércio de cabelos humanos retirados à força tem semelhanças arrepiantes e óbvias [com o Holocausto]. Este é mais um exemplo da terrível desumanização sistemática dos muçulmanos uigures pelo Estado chinês”.

De acordo com a responsável da René Cassin, os relatos que têm chegado à organização sobre a situação dos uigures na China incluem referências a internamentos em massa, reeducação, trabalho escravo, esterilização forçada, colheita de órgãos e outros abusos.

“O Partido Comunista Chinês está empenhado no genocídio em Xinjiang [região noroeste da China onde vivem cerca de um milhão de uigures], tentando acabar com toda uma cultura, idioma e modo de vida”, acusa Mia Hasenson-Gross, defendendo que a comunidade internacional tem de reagir. “Chegou a hora de o mundo tomar uma posição contra esta desumanidade. Não pode haver ‘negócios como sempre’ com um governo que abusa dos seus próprios cidadãos a tal escala”.

Ouvida também pelo jornal Jewish News, Edie Friedman, diretora do Conselho Judaico para a Igualdade Racial considera que os relatos “fazem soar os alarmes para aqueles que se preocupam com os direitos humanos e desperta emoções particulares no povo judeu, dadas as semelhanças nazis”. E deixa um apelo: “A comunidade internacional deve pedir uma investigação totalmente independente sobre este episódio.”

No passado dia 6 de julho, dois grupos de ativistas uigures no exílio fizeram chegar ao Tribunal Penal Internacional um conjunto de provas de genocídio e crimes contra a Humanidade cometidos na província chinesa de Xinjiang contra a minoria muçulmana do país.

Segundo o diário britânico The Guardian, os queixosos alegam que milhares de uigures foram deportados ilegalmente do Tajiquistão e do Camboja para Xinjiang, onde terão sido presos, torturados e sujeitos a medidas forçadas de controlo de natalidade.

Também no final de junho, uma investigação da agência noticiosa Associated Press (AP) denunciou a existência de “medidas draconianas” por parte das autoridades de Pequim, visando “reduzir as taxas de natalidade entre uigures e outras minorias, no âmbito de uma ampla campanha para conter a população muçulmana”.

A investigação da AP apurou que as autoridades chinesas obrigam as mulheres uigures a fazer testes de gravidez, forçam a colocação de dispositivos intra-uterinos, submetem-nas a métodos de esterilização e obrigam aquelas que engravidam a abortar.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Bispo de Leiria não alinha com “coisas estranhas” como as “terapias de conversão” de pessoas LGBT

Em causa um congresso em Fátima

Bispo de Leiria não alinha com “coisas estranhas” como as “terapias de conversão” de pessoas LGBT

O bispo de Leiria-Fátima demarcou-se da realização de um congresso de jovens que decorre em Fátima neste fim-de-semana e que contará com a participação de Maria José Vilaça, a psicóloga que tem defendido as chamadas “terapias de conversão sexual” de pessoas LGBT.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

É notícia

Entre margens

História de uma alma

História de uma alma

Não me é fácil ler com agrado obras de caráter espiritual com ou sem cariz autobiográfico. Em boa medida, muitas dessas obras refletem conceções com as quais não me identifico. Espelham um cristianismo individualista, voltado para o “aperfeiçoamento” pessoal, sem qualquer atenção a aspetos de natureza social. [Texto de Jorge Paulo]

Sinais dos tempos na Europa Central

Sinais dos tempos na Europa Central

Uma vigília pascal celebrada na Igreja do Sagrado Coração de Jesus do Luxemburgo, destinada à “Comunidade Portuguesa”, escancarou-nos as portas para uma nova realidade prenunciada pelos últimos pontífices do século XX: a comunidade portuguesa era, antes, uma comunidade lusófona, vibrante, entusiasmada, comprometida e manifestamente transbordante da alegria da ressurreição. [Dina Matos Ferreira ]

Jornadas de formação e actualização sobre o perfil do Sacerdote

Jornadas de formação e actualização sobre o perfil do Sacerdote

Algumas dioceses reuniram o seu clero em retiro; outras adoptaram a modalidade de Encontro. Refiro-me apenas a estas últimas pela sua originalidade, pelos temas e pelos intervenientes, que não se restringiram ao clero. Além dos intervenientes e dos temas, há que considerar igualmente os objectivos, as metodologias e a actualidade das temáticas abordadas. Reporto-me, nesta breve súmula, às Jornadas de atualização do clero das Dioceses do sul (Algarve, Beja, Évora e Setúbal), que tiveram lugar de 15 a 19 de janeiro em Albufeira. [Texto de Serafim Falcão]

Cultura e artes

José Carlos Cantante: “A libertação era o tema que me mobilizava na música”

7MARGENS/Antena 1

José Carlos Cantante: “A libertação era o tema que me mobilizava na música”

“O tema que me marcou mais desde o início foi o da libertação: tinha a ver com o problema da falta de liberdade que havia na altura até 1974 e que eu percebi que era um tema fundamental, que me mobilizava.” A afirmação é de José Carlos Cantante, arquitecto de formação, compositor por vocação, autor de algumas dezenas de músicas para a liturgia católica, que aliam a sua experiência de vida e os temas que encontra na realidade à experiência crente e à reflexão sobre a Bíblia.

Sete Partidas

Por quem os sinos dobram

Por quem os sinos dobram

Nas férias da passagem de ano li Não Terão o Meu Ódio, o diário que Antoine Leiris escreveu nos dias que se seguiram ao ataque ao Bataclan [em Paris], onde perdeu a sua companheira. O quotidiano subitamente rasgado pela violência. As coisas simples: a hora do banho do filhinho, as papas que as mães de outras crianças do infantário preparavam para o bebé, os vestígios da existência da companheira no cheiro das coisas espalhadas pela casa, nos rituais. E em tudo, para sempre: a sua ausência. [Texto de Helena Araújo]

Aquele que habita os céus sorri

Qual foi o crime do “padre vermelho”?

7Margens/Antena 1

Qual foi o crime do “padre vermelho”?

Deputado “vermelho” e autarca, o padre José Martins Júnior foi suspenso durante 44 anos das suas funções na Igreja. Mas insiste em que o seu “crime” foi, depois do 25 de Abril, ajudar as populações. Readmitido em Julho de 2019, Martins Júnior conta, nesta entrevista, como foi suspenso e diz como olha para a política e a Igreja neste momento.

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This