Uigures podem estar a ser vítimas de um Holocausto na China

| 16 Jul 20

uigures, China, Foto_ © Xinjiang Bureau of Justice WeChat Account

Uma imagem divulgada nas redes sociais do governo chinês mostra centenas de uigures detidos num campo de educação política em Xinjiang. Foto: © Xinjiang Bureau of Justice, através da HRW.

O alerta foi dado por políticos e representantes de diversos grupos judaicos, na sequência da apreensão de 13 toneladas de cabelo humano no porto de Newark, EUA, que se suspeita ter sido retirado a uigures, na China: os sinais de que esta minoria étnica muçulmana está a ser alvo de perseguição são cada vez mais evidentes, num cenário que é já comparado ao Holocausto.

“A minha regra fundamental é que nada pode ser comparado com o Holocausto”, afirmou Alistair Carmichael, deputado liberal democrata do parlamento britânico, citado pelo Jewish News. “Sei, no entanto, que este relato [da apreensão de cabelo humano que terá sido retirado forçadamente a prisioneiros uigures] tem muitos ecos angustiantes para quem conhece a história desse episódio terrível”, assumiu, alertando que “os acontecimentos em Srebenica e no Ruanda nas últimas décadas devem ensinar-nos que o genocídio ainda pode acontecer e que ninguém está seguro, a menos que todos se protejam”.

Mia Hasenson-Gross, diretora da René Cassin (uma organização judaica de defesa dos direitos humanos), concorda: “O comércio de cabelos humanos retirados à força tem semelhanças arrepiantes e óbvias [com o Holocausto]. Este é mais um exemplo da terrível desumanização sistemática dos muçulmanos uigures pelo Estado chinês”.

De acordo com a responsável da René Cassin, os relatos que têm chegado à organização sobre a situação dos uigures na China incluem referências a internamentos em massa, reeducação, trabalho escravo, esterilização forçada, colheita de órgãos e outros abusos.

“O Partido Comunista Chinês está empenhado no genocídio em Xinjiang [região noroeste da China onde vivem cerca de um milhão de uigures], tentando acabar com toda uma cultura, idioma e modo de vida”, acusa Mia Hasenson-Gross, defendendo que a comunidade internacional tem de reagir. “Chegou a hora de o mundo tomar uma posição contra esta desumanidade. Não pode haver ‘negócios como sempre’ com um governo que abusa dos seus próprios cidadãos a tal escala”.

Ouvida também pelo jornal Jewish News, Edie Friedman, diretora do Conselho Judaico para a Igualdade Racial considera que os relatos “fazem soar os alarmes para aqueles que se preocupam com os direitos humanos e desperta emoções particulares no povo judeu, dadas as semelhanças nazis”. E deixa um apelo: “A comunidade internacional deve pedir uma investigação totalmente independente sobre este episódio.”

No passado dia 6 de julho, dois grupos de ativistas uigures no exílio fizeram chegar ao Tribunal Penal Internacional um conjunto de provas de genocídio e crimes contra a Humanidade cometidos na província chinesa de Xinjiang contra a minoria muçulmana do país.

Segundo o diário britânico The Guardian, os queixosos alegam que milhares de uigures foram deportados ilegalmente do Tajiquistão e do Camboja para Xinjiang, onde terão sido presos, torturados e sujeitos a medidas forçadas de controlo de natalidade.

Também no final de junho, uma investigação da agência noticiosa Associated Press (AP) denunciou a existência de “medidas draconianas” por parte das autoridades de Pequim, visando “reduzir as taxas de natalidade entre uigures e outras minorias, no âmbito de uma ampla campanha para conter a população muçulmana”.

A investigação da AP apurou que as autoridades chinesas obrigam as mulheres uigures a fazer testes de gravidez, forçam a colocação de dispositivos intra-uterinos, submetem-nas a métodos de esterilização e obrigam aquelas que engravidam a abortar.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Afeganistão

Talibãs obrigam mulheres a cobrir-se

O Ministério afegão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício colocou cartazes por toda a capital, Cabul, ordenando às mulheres que se cobrissem. “O que eles estão a tentar fazer é espalhar o medo entre as pessoas”, disse uma estudante universitária, defensora dos direitos das mulheres.

Eurostat

Desemprego dos jovens portugueses mais distante da média da UE

A percentagem de jovens portugueses com menos de 25 anos encontrava-se nos 22,4 por cento em novembro de 2021, segundo dados que o Eurostat acaba de publicar. Essa percentagem representa uma ligeira melhoria relativamente ao mês homólogo do ano anterior, mas revela igualmente um fosso maior face à média da União Europeia.

Alianças evangélicas

O apelo à paz no Cazaquistão

A Aliança Evangélica Mundial e a Aliança Evangélica da Ásia Central vieram expressar uma grande preocupação com a atual agitação política e social no Cazaquistão, pedindo o fim imediato da violência e do incitamento à violência.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

2022: aprender a construir a paz

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

“Matar os nossos deuses” – a propósito do Dia Mundial da Religião

Celebra-se neste terceiro domingo de janeiro o Dia Mundial da Religião, que promove a ideia da compreensão e a paz entre todas as religiões. Através de uma série de eventos realizados em todo o mundo, os seguidores de todas as religiões são incentivados a conhecer e a aprender mais acerca das outras religiões e respetiva fé. Reconhecendo-se que, durante séculos, as diferentes religiões e credos lutaram muitas vezes entre si, ignorando muitos dos seus valores comuns, torna-se, pois, necessário que se trabalhe em prol de um entendimento pacífico entre todos.

Cultura e artes

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Uma história de salvação, um núcleo palpitante

Nesta belíssima obra agora disponível, James Dunn – biblista britânico que dedicou a sua vida ao estudo da história do primeiro século do Cristianismo – proporciona ao leitor uma viagem através dos diversos escritos do Novo Testamento, neles buscando os traços da mensagem e da vida de Jesus.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This