Uigures podem estar a ser vítimas de um Holocausto na China

| 16 Jul 20

uigures, China, Foto_ © Xinjiang Bureau of Justice WeChat Account

Uma imagem divulgada nas redes sociais do governo chinês mostra centenas de uigures detidos num campo de educação política em Xinjiang. Foto: © Xinjiang Bureau of Justice, através da HRW.

O alerta foi dado por políticos e representantes de diversos grupos judaicos, na sequência da apreensão de 13 toneladas de cabelo humano no porto de Newark, EUA, que se suspeita ter sido retirado a uigures, na China: os sinais de que esta minoria étnica muçulmana está a ser alvo de perseguição são cada vez mais evidentes, num cenário que é já comparado ao Holocausto.

“A minha regra fundamental é que nada pode ser comparado com o Holocausto”, afirmou Alistair Carmichael, deputado liberal democrata do parlamento britânico, citado pelo Jewish News. “Sei, no entanto, que este relato [da apreensão de cabelo humano que terá sido retirado forçadamente a prisioneiros uigures] tem muitos ecos angustiantes para quem conhece a história desse episódio terrível”, assumiu, alertando que “os acontecimentos em Srebenica e no Ruanda nas últimas décadas devem ensinar-nos que o genocídio ainda pode acontecer e que ninguém está seguro, a menos que todos se protejam”.

Mia Hasenson-Gross, diretora da René Cassin (uma organização judaica de defesa dos direitos humanos), concorda: “O comércio de cabelos humanos retirados à força tem semelhanças arrepiantes e óbvias [com o Holocausto]. Este é mais um exemplo da terrível desumanização sistemática dos muçulmanos uigures pelo Estado chinês”.

De acordo com a responsável da René Cassin, os relatos que têm chegado à organização sobre a situação dos uigures na China incluem referências a internamentos em massa, reeducação, trabalho escravo, esterilização forçada, colheita de órgãos e outros abusos.

“O Partido Comunista Chinês está empenhado no genocídio em Xinjiang [região noroeste da China onde vivem cerca de um milhão de uigures], tentando acabar com toda uma cultura, idioma e modo de vida”, acusa Mia Hasenson-Gross, defendendo que a comunidade internacional tem de reagir. “Chegou a hora de o mundo tomar uma posição contra esta desumanidade. Não pode haver ‘negócios como sempre’ com um governo que abusa dos seus próprios cidadãos a tal escala”.

Ouvida também pelo jornal Jewish News, Edie Friedman, diretora do Conselho Judaico para a Igualdade Racial considera que os relatos “fazem soar os alarmes para aqueles que se preocupam com os direitos humanos e desperta emoções particulares no povo judeu, dadas as semelhanças nazis”. E deixa um apelo: “A comunidade internacional deve pedir uma investigação totalmente independente sobre este episódio.”

No passado dia 6 de julho, dois grupos de ativistas uigures no exílio fizeram chegar ao Tribunal Penal Internacional um conjunto de provas de genocídio e crimes contra a Humanidade cometidos na província chinesa de Xinjiang contra a minoria muçulmana do país.

Segundo o diário britânico The Guardian, os queixosos alegam que milhares de uigures foram deportados ilegalmente do Tajiquistão e do Camboja para Xinjiang, onde terão sido presos, torturados e sujeitos a medidas forçadas de controlo de natalidade.

Também no final de junho, uma investigação da agência noticiosa Associated Press (AP) denunciou a existência de “medidas draconianas” por parte das autoridades de Pequim, visando “reduzir as taxas de natalidade entre uigures e outras minorias, no âmbito de uma ampla campanha para conter a população muçulmana”.

A investigação da AP apurou que as autoridades chinesas obrigam as mulheres uigures a fazer testes de gravidez, forçam a colocação de dispositivos intra-uterinos, submetem-nas a métodos de esterilização e obrigam aquelas que engravidam a abortar.

 

Artigos relacionados

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas” novidade

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Eurorpeia a 23 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar novidade

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Fátima e “Avante”

Permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana”

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco