Um ano depois

| 11 Mar 21

Anoitecer

“Corremos o risco de reabrir, de desconfinar, para correr atrás de um mundo que já não existe.” Foto © Rita Sacramento Monteiro.

 

Uma das certezas que temos na vida é a da impermanência. O mundo é dinâmico e a vida também. Nada é estático, nem o que é bom nem o que é difícil. “Isso passa”, como se costuma dizer, e passa mesmo.

Perante eventos de dor e sofrimento, podemos fazer de tudo para que eles passem por nós o mais rapidamente possível ou podemos olhar de frente a realidade e transpor os limites do que nos acontece, não deixando que o que somos fique confinado.

Desde o início desta pandemia, dissemos (e desejámos) várias vezes: “Isto há de passar”, “esperemos que passe depressa”. Passou um ano e ainda estamos a adaptar-nos. O nosso mundo está necessariamente diferente, como nós também estamos necessariamente diferentes. A pandemia forçou-nos a parar. Este comboio de alta velocidade em que vai a vida contemporânea, donde por vezes parece que só conseguimos sair, saltando, travou com toda a força. Todos fizemos experiência de ruas vazias, carros estacionados, lojas fechadas. E agora? Como vai voltar a andar este comboio? À mesma velocidade? E nós? Vamos entrar nele da mesma maneira?

Corremos o risco de reabrir, de desconfinar, para correr atrás de um mundo que já não existe. Corremos o risco de correr atrás de um mundo que dava sinal de avaria, como muitos de nós, e sobre o qual vínhamos falando da necessidade de cuidar. Corremos o risco de querer que a nossa vida volte ao que era, como se, depois dos grandes abanões da vida, voltar ao que éramos fosse o melhor para nós!

E se em vez de corrermos, aproveitássemos o abrandamento para repensar, recriar, reorientar a nossa vida? Acredito que a pandemia, no meio da dor e dos estragos que causou, nos trouxe lucidez, novos níveis de consciência, tão importantes para os desafios que temos pela frente:

 O isolamento forçado que trouxe este vírus mostrou-nos de forma absolutamente límpida que precisamos uns dos outros, e que precisamos uns dos outros de uma forma próxima, afetiva, que o digital não sacia nem nunca saciará. As nossas relações passarão a ser sem máscaras?

 A paragem foi grande porque a velocidade era enorme! Um mundo ruidoso que produzia, consumia e esgotava. Neste contraste, precisamos de encontrar um ritmo que seja equilibrado, que nos permita viver bem e felizes, e não divididos e doentes. Como podemos viver com um ritmo que nos sustente, sustente os outros e a Terra?

 A casa e a família são lugares centrais. Com a tempestade, percebemos a importância de ter a casa e a família assentes na rocha. Passámos de uma experiência de vida feita de muitas atividades e lugares, para num mesmo lugar descobrirmos tantos caminhos dentro de nós e tantas possibilidades diferentes de estarmos com os outros. O que ficará destas vivências?

 A flexibilidade tem limites. A criatividade e a capacidade de adaptação, permitiram-nos descobrir novas formas de fazer as coisas. Mas nem tudo é bom. Ao diluirmos ainda mais as fronteiras entre o trabalho e o cuidado, como a teletrabalhar nestas circunstâncias, corremos o risco de não pensar se as novas formas de fazer são as melhores. Que limites são naturais e necessários para cuidarmos de nós e dos outros?

 Somos frágeis. Todos. Todos ficamos doentes e todos vamos morrer. Tal como a vida merece tanto cuidado na chegada, merece igual cuidado na partida. Despertámos para o verbo cuidar e para a importância dos cuidadores. Precisamos de quem cuide de nós e dos nossos, e não queremos uma sociedade que cuida de uns e não cuida de outros, que cuida numas fases e não cuida noutras. Como é que concretizamos a dignidade do cuidar?

 O valor da liberdade. Sair à rua tornou-se bem essencial! Arrisco dizer que todos achámos mais bonitos os caminhos de sempre, e ouvimos melhor os sons do costume. Quem faz experiência de viver limitado na sua possibilidade de uma vida normal e livre, viverá mais agradecido?

Um ano depois da nossa vida se ter transformado, se voltarmos à varanda donde já cantámos para nos animarmos uns aos outros, o que vemos?…

 

Rita Sacramento Monteiro define-se como construtora de pontes; é escuteira, estudou Ciências da Comunicação e trabalha numa empresa portuguesa em projetos de impacto social.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Novo ano letivo: regressar ao normal?

Novo ano letivo: regressar ao normal? novidade

Após dois conturbados anos letivos, devido à pandemia, as escolas preparam-se para um terceiro ano ainda bastante incerto, mas que desejam que seja o mais normal possível. O regresso à normalidade domina as declarações públicas de diretores escolares e de pais, alunos e professores. Este desejo de regresso à normalidade, sendo lógico e compreensível, após dois anos de imensa instabilidade, incerteza e experimentação, constitui ao mesmo tempo um sério problema.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This