Dia 28, em Lisboa

Um concerto de gregoriano e música seiscentista antes de uma visita de estudo a Roma para 22 alunos portugueses

| 23 Jan 2023

Instituto Gregoriano de Lisboa, concerto, música

Um concerto recente, em Odivelas, com os mesmos alunos que vão cantar e tocar no próximo sábado em Lisboa e, em Fevereiro, em Roma. Foto: Direitos reservados..

 

Será um concerto que cruza o canto gregoriano com música portuguesa do século XVII, mas que pretende preparar também uma visita de estudo a Roma: no próximo sábado, 28, às 17h, na Igreja de São Vicente de Fora, em Lisboa, 22 alunos da Escola Artística e do Consort de Flautas de Bisel do Instituto Gregoriano de Lisboa (IGL) cantarão gregoriano e executarão obras de compositores como Manuel Rodrigues Coelho, António Carreira, Pedro de Araújo ou Pedro de San Lorenzo, transcritas para flauta.

Depois do concerto de sábado, segue-se uma visita de estudo a Roma, entre 10 e 18 de Fevereiro. Ali, os 22 alunos terão possibilidade de ter aulas no Pontificio Istituto di Musica Sacra (PIMS), da Santa Sé, cantar gregoriano numa celebração de vésperas e numa missa, visitar a igreja de Santo António dos Portugueses ou realizar um concerto na basílica do próprio PIMS, repetindo o programa do próximo sábado.

“Os alunos irão cantar dentro do contexto litúrgico e histórico em que não cantam normalmente aqui em Portugal”, diz ao 7MARGENS Filipa Taipina, professora de canto gregoriano e uma das docentes que, com Diana Pinto e Bárbara Villalobos, dinamizou a ideia da viagem e acompanhará os alunos.

“Em Portugal, é o Estado que toma conta do ensino do gregoriano e não a Igreja”, diz Filipa Taipina. E não é acertada a ideia de a Igreja se “aproximar das pessoas baixando o nível” musical, porque isso “deixou de fora muita gente que não suporta” alguma música mais ligeira na missa, diz a professora do IGL.

Além do mais, o canto gregoriano tem público e está na base do desenvolvimento da cultura musical do Ocidente, recorda Filipa Taipina. “Se não fosse o canto gregoriano, não sabemos quando é que seria inventada a notação musical, que possibilitou a composição.”

No sábado, o concerto, de entrada livre, terá à entrada uma caixa para ajudar a financiar a viagem dos 22 alunos do curso secundário de Canto Gregoriano, do Consort de Flautas e História da Cultura e das Artes da Escola Artística do IGL.

Fundado em 1976, o IGL é uma escola pública de ensino vocacional básico e secundário de música, única no país e na Europa, já que inclui no plano de estudos disciplinas exclusivamente dedicadas ao ensino específico do Canto Gregoriano. Sucedendo ao Centro de Estudos Gregorianos, que tinha sido criado em 1953, o ensino no IGL foi garantido inicialmente por professores vindos de escolas de Paris: Instituto Gregoriano, Conservatório Nacional, Universidade de Paris-Sorbonne e Escola César Frank. Desde 1983, quando acabaram os cursos superiores dos conservatórios, o IGL passou a ser uma escola vocacional de música, com ensino básico e secundário.

Além das aulas no PIMS com o professor Franz Karl Prassl, a visita de estudo dos alunos dos 11º e 12º anos incluirá ainda visitas aos Museus Capitolinos e à Galeria Borghese, às obras de Caravaggio e à colunata de Bernini na Praça de São Pedro e outras obras de arte – no que as professoras acompanhantes terão o papel de guias, já que os lugares e obras a visitar se enquadram nas matérias de estudo. “Os alunos não vão ver essas obras como turistas, mas como estudo”, diz Filipa Taipina.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This