Sábado à noite em Lisboa

Um concerto de Natal em homenagem ao compositor Lucien Deiss

| 17 Dez 2021

Lucien Deiss, música

Lucien Deiss, padre dos Missionários Espiritanos e compositor de música litúrgica. Foto: Direitos reservados.

 

Um concerto de homenagem ao compositor Lucien Deiss (1921-2007), no ano em que ele faria 100 anos, é a proposta do Ensemble São Tomás de Aquino, dirigido por Maria de Fátima Nunes, com a colaboração do compositor Alfredo Teixeira, para a noite deste sábado, na igreja paroquial do mesmo nome, em Lisboa. O concerto apresentará recriações da música de Deiss para órgão e saxofone.

O concerto “Ó Noite Brilhante” incluirá obras (algumas em estreia nacional) de Lucien Deiss, John Tavener, James MacMillan, Gabriel Jackson, Ivan Moody, Richard Allain e Alfredo Teixeira (neste caso, com a poesia de José Tolentino Mendonça). Trata-se de “um amplo fresco espiritual, pintado com as cores da piedade mariana e do espírito do Advento e do Natal” – escreve Alfredo Teixeira na apresentação do programa –, a partir da obra de compositores cuja música está fortemente enraizada na ritualidade litúrgica cristã e que “têm em comum o facto de darem continuidade a um trabalho composicional fortemente marcado pela memória da música ritual de diferentes geografias crentes”.

Será, assim, um concerto de várias expressões, “incluindo esse desejo de viver o Natal como uma celebração ecuménica, aberta a todas as vozes de ‘boa vontade’” – o compositor Ivan Moody, por exemplo, vem da tradição ortodoxa e reside em Portugal, exercendo também o ministério de arcipreste do Patriarcado Ecuménico de Constantinopla.

Uma das peças de Lucien Deiss que serão cantadas no concerto é Un enfant nous est né, que pode ser escutada no vídeo a seguir:

 

A propósito do concerto e do compositor, o 7MARGENS reproduz a seguir o texto de Alfredo Teixeira de apresentação do programa:

 

Pôr em música a água viva das fontes bíblicas
Texto de Alfredo Teixeira

 

Agrupamento com uma continuada experiência de canto litúrgico, para além da sua atividade concertística, o Ensemble São Tomás de Aquino deixou-se entusiasmar pela ideia de homenagear um compositor-liturgista, no centenário do seu nascimento. O padre Lucien Deiss, membro da Congregação do Espírito Santo, nasceu em Eschbach (Alsácia), no dia 2 de setembro de 1921, e faleceu no dia 9 de outubro de 2007. Enquanto compositor, é um dos ícones da renovação musical litúrgica, de impacto global, que precedeu, acompanhou e atualizou o reformismo do Concílio do Vaticano II.

A família fixou-se em Estrasburgo quando tinha dez anos. Os seus primeiros interesses musicais remontam, seguindo a sua memória, a esse período: “O coro da paróquia era dirigido pelo Sr. Irr, profissional coadjuvado por três organistas. Na Sexta-Feira Santa, o coro cantava o “Stabat Mater” de Nanino. Nunca mais o esqueci. Gravei-o mais tarde com o meu coro de Chevilly”. A sua trajetória de formação e aproximação à Congregação do Espírito Santo começou com a admissão na Escola Saint-Florent de Saverne, percurso que culminou nos estudos teológicos realizados no Seminário Maior de Chevilly e em Roma.

A sua preparação musical foi apurada no Instituto de Música Sacra, em Roma: “Tive a sorte de ser aluno do mestre Ferrucio Vignanelli e de encontrar Dom Gregory Sunol, grande especialista no gregoriano”. Na sua memória guardava o som daquele órgão Merklin com três manuais, instalado na Igreja de S. Luís dos Franceses, que tocava na missa das onze horas aos domingos. Foi ordenado em 1945 e partiu, em 1947, para Brazzaville (Congo) para fundar, com outros colegas, o Seminário Libermann (nome de um dos fundadores da Congregação). Um problema de saúde fê-lo regressar a França, assumindo o cargo de professor de Sagrada Escritura no Seminário de Chevilly.

Lucien Deiss falava do seu despertar para a criação musical litúrgica sob o signo
da contingência: “Tornei-me compositor quase por acaso. Na pequena paróquia do Bom Pastor quis que o coro cantasse gregoriano. Um fracasso! Observando quanto os meus paroquianos ignoravam a Bíblia, disse para comigo: porque não utilizar a música para memorizar os textos essenciais da Bíblia? Em vez das palavras de fogo dos profetas, propunha-se aos fiéis a água morna dos catecismos da época. Em vez dessa chuva de estrelas que são, no céu da revelação, os salmos, oferecia-se-lhes pequenas velas de devoção. Era necessário substituir a água do cântaro pela água viva das fontes bíblicas”.

Deiss tinha à sua frente um enorme desafio. De facto, a ação celebrativa católica romana privilegiava há muitos séculos o uso de
uma língua litúrgica. Lucien Deiss foi,
assim, um dos atores da reinvenção de uma memória respondendo, então, ao desafio da integração, com plena cidadania, das línguas dos povos na comunicação litúrgica das assembleias católicas.

O registo em vinil, e mais tarde em CD, de boa parte da sua obra permitiu uma fácil penetração fora de fronteiras – gravou perto de uma centena de discos em França e noutros países, que conheceram edições autorizadas da sua obra. A música de Deiss chegou a todos os continentes. Recriou ou acompanhou a edição da sua música litúrgica em diversas línguas – italiano, castelhano, alemão, inglês, mandarim etc. A sua música deu, literalmente a volta ao mundo. Os EUA revelaram um particular interesse pela música de Lucien Deiss. As duas primeiras recolhas publicadas venderam, cada uma, mais de um milhão de exemplares. Mais tarde algumas das edições ultrapassaram os cinco milhões de exemplares vendidos. Em 1992, nos EUA, foi-lhe atribuído o Prémio “Pastoral Musician of the Year”. O reconhecimento de quem descrevia assim o ofício do compositor na liturgia cristã: “vestir as palavras de Deus com a beleza da terra”.

O programa preparado pelo Ensemble São Tomás de Aquino junta à voz de Deiss outras vozes, num amplo fresco espiritual, pintado com as cores da piedade mariana
e do espírito do Advento e do Natal. John Tavener, James MacMillan, Gabriel Jackson, Ivan Moody, Richard Allain, Alfredo Teixeira (com a poesia de José Tolentino Mendonça) têm em comum o facto de darem continuidade a um trabalho composicional fortemente marcado pela memória da música ritual de diferentes geografias crentes. Assim, este é um concerto a várias vozes, em diversos sentidos, incluindo esse desejo de viver o Natal como uma celebração ecuménica, aberta a todas as vozes de “boa vontade”.

Alfredo Teixeira

 

 

O concerto, com entrada livre mas sujeito às limitações em vigor por causa da pandemia, incluirá ainda um díptico de Alfredo Teixeira, escrito em 2008, sobre dois poemas de José Tolentino Mendonça: “Anunciação”, “Visitação”.

Entre as muitas centenas de peças criadas por Lucien Deiss, Peuple de Prêtres foi um dos muitos títulos adaptados e traduzidos em Portugal. O original pode ser ouvido a seguir:

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre”

Face a "descredibilização" dos presbíteros

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre” novidade

Reconhecendo que o contexto da Igreja universal “é caracterizado pela descredibilização do clero provocada por diversas crises, pela redução do número de vocações ao sacerdócio ministerial e pela situação sociológica de individualismo e de crescente indiferença perante a questão vocacional”, os representantes do Clero diocesano de Angra (Açores) defendem o incremento da “pastoral vocacional assente na comunidade, sobretudo na família e no testemunho do padre”.

Por uma transumância outra

Por uma transumância outra novidade

Este texto do Padre Joaquim Félix corresponde à homilia do Domingo IV da Páscoa na liturgia católica – último dia da semana de oração pelas vocações – proferida nas celebrações eucarísticas das paróquias de Tabuaças (igreja das Cerdeirinhas), Vilar Chão e Eira Vedra (arciprestado de Vieira do Minho).  

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This