Um condenado muçulmano nos EUA queria o imã presente na sala de execução mas o pedido foi negado

| 11 Fev 2019

Um prisioneiro muçulmano no estado do Alabama, Estados Unidos, não pode ter o imã a seu lado, quando foi executado quinta-feira passada, 7 de fevereiro, às 22h12, por injecção letal. A notícia foi acompanhada pelo The New York Times e criticada no editorial de dia 9, com o título “Será que a liberdade religiosa apenas se aplica aos cristãos?”.

Domineque Hakim Marcelle Ray, 42 anos, tinha sido condenado por matar uma rapariga de quinze anos em 1999, após outro homem, Marcus Owden, ter confessado o seu papel no crime (tinha dado boleia à rapariga, violando-a em seguida) e indicado Ray como o assassino. Domineque encontrava-se no corredor da morte à espera de ser executado, quando pediu que o imã, líder religioso muçulmano, estivesse na sala quando a mesma acontecesse.

O pedido foi feito com base no conhecimento que o capelão cristão se encontra na sala durante a maioria das execuções. Depois de o prisioneiro ter feito o pedido formal ao tribunal, afirmando que não conceder o pedido seria uma violação da primeira emenda dos EUA (garantia de liberdade religiosa e de expressão), os guardas prisionais concordaram que o capelão não teria que estar presente na sala mas que o imã teria que ficar do lado de fora do vidro. Para Ray, a presença do imã na sala de execução era importante para que assegurasse que as suas últimas palavras seriam uma confirmação da sua fé.

Ao The New York Times, o imã Yusef Maisonet, que aconselha espiritualmente os muçulmanos da prisão do Alabama, afirmou que gostaria que a prisão mudasse a sua política para que um líder espiritual cristão, muçulmano ou judeu pudesse estar presente durante a execução.

No final, o imã assistiu à execução a partir de uma sala de testemunhas ao lado. As últimas palavras de Domineque Ray foram orações proferidas em árabe.

Breves

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Boas notícias

De presépios a vagens de baunilha, ONG propõem presentes de Natal solidários

Apoio ao desenvolvimento

De presépios a vagens de baunilha, ONG propõem presentes de Natal solidários novidade

Há opções para todos os gostos, e para todas as carteiras também. Várias Organizações Não Governamentais (ONG) portuguesas de apoio ao desenvolvimento aproveitam a época natalícia para propor presentes solidários e, com a sua venda, angariar fundos para a sustentabilidade das suas missões. E nem precisa de sair casa para adquiri-los.

Outras margens

Cultura e artes

As canções que romperam o silêncio aflito

Música popular no Estado Novo

As canções que romperam o silêncio aflito

A canção apresenta-se neste livro como um objeto único para reconstituir a história cultural de uma era, como nos avisa a mensagem inscrita na contracapa. E essa época está bem definida no subtítulo deste Silêncio Aflito: “A sociedade portuguesa através da música popular (dos anos 40 aos anos 70)” — e assim está também situado o regime ditatorial do Estado Novo que oprimiu Portugal até 1974 e, à época, as então colónias.

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

Pessoas

Presidente evoca papel dos ciganos na Restauração da Independência de Portugal

Cavaleiro-fidalgo Jerónimo da Costa destacado

Presidente evoca papel dos ciganos na Restauração da Independência de Portugal novidade

O Presidente da República enviou uma mensagem a saudar o Dia da Restauração, “em que valorosos guerreiros nos deram livre a Nação, um dia importante e significativo da História de Portugal, em que o Povo Português recuperou a sua independência, num movimento no qual, com os conjurados de 40, muitos se implicaram, descontentes com a situação do País, aquém e além-mar, e com as suas condições de vida”.

Sete Partidas

Desobediência

Desobediência

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Desarmar-se

Desarmar-se novidade

Sinto-me um pouco embaraçada. Perguntam-me: como correu o encontro com os meus amigos no Porto e, afinal de contas: o que é isto de “Juntos pela Europa”? O que é que 166 pessoas de 19 países diferentes, de 45 movimentos e comunidades de oito igrejas, podem fazer em conjunto, quando “os semelhantes atraem os semelhantes” e a diversidade é raramente – ou talvez nunca – uma força de coesão? E sem falar das diferentes visões geopolíticas, culturais, históricas, confessionais e, além disso: o que farão agora os russos e os ucranianos, que também estiveram presentes?

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

É difícil descortinar Deus na vida toda: a que nos agrada e a que não nos agrada, a que nos edifica e a que nos abate, a que entendemos e a que nos lança na escuridão. Todos os dias vivemos muitos momentos que nos atiram para tudo isso, e só não percebemos estas nuances se não as quisermos ver. É fácil encontrarmos Deus quando a vida corre bem: tudo encaixa, os nossos talentos estão à vista e vão crescendo, somos reconhecidos, acordamos com vontade para novos dias, que vão ser cheios de coisas boas, previsíveis nas suas causas e nos seus efeitos.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This