Um condenado muçulmano nos EUA queria o imã presente na sala de execução mas o pedido foi negado

| 11 Fev 2019

Um prisioneiro muçulmano no estado do Alabama, Estados Unidos, não pode ter o imã a seu lado, quando foi executado quinta-feira passada, 7 de fevereiro, às 22h12, por injecção letal. A notícia foi acompanhada pelo The New York Times e criticada no editorial de dia 9, com o título “Será que a liberdade religiosa apenas se aplica aos cristãos?”.

Domineque Hakim Marcelle Ray, 42 anos, tinha sido condenado por matar uma rapariga de quinze anos em 1999, após outro homem, Marcus Owden, ter confessado o seu papel no crime (tinha dado boleia à rapariga, violando-a em seguida) e indicado Ray como o assassino. Domineque encontrava-se no corredor da morte à espera de ser executado, quando pediu que o imã, líder religioso muçulmano, estivesse na sala quando a mesma acontecesse.

O pedido foi feito com base no conhecimento que o capelão cristão se encontra na sala durante a maioria das execuções. Depois de o prisioneiro ter feito o pedido formal ao tribunal, afirmando que não conceder o pedido seria uma violação da primeira emenda dos EUA (garantia de liberdade religiosa e de expressão), os guardas prisionais concordaram que o capelão não teria que estar presente na sala mas que o imã teria que ficar do lado de fora do vidro. Para Ray, a presença do imã na sala de execução era importante para que assegurasse que as suas últimas palavras seriam uma confirmação da sua fé.

Ao The New York Times, o imã Yusef Maisonet, que aconselha espiritualmente os muçulmanos da prisão do Alabama, afirmou que gostaria que a prisão mudasse a sua política para que um líder espiritual cristão, muçulmano ou judeu pudesse estar presente durante a execução.

No final, o imã assistiu à execução a partir de uma sala de testemunhas ao lado. As últimas palavras de Domineque Ray foram orações proferidas em árabe.

Breves

Boas notícias

Construir um lar que nos integre a todos

Memória do Grão-Rabi Jonathan Sacks

Construir um lar que nos integre a todos novidade

“Grão-Rabino das Congregações Hebraicas Unidas da Commonwealth (1991-2013), Sacks era escutado e admirado muito para lá das fronteiras do judaísmo. Terá para isso contribuído a sua sensibilidade humana, formação filosófica e vasta cultura.” – Um texto do padre Peter Stilwell, em memória de Jonathan Sacks

Outras margens

Cultura e artes

Ilustrar Abril e desfilar com os cartazes

Iniciativa da Amnistia

Ilustrar Abril e desfilar com os cartazes

Cinco ilustradores foram desafiados pela Amnistia Internacional para realizarem uma oficina de cartazes relativos ao 25 de Abril, e que podem depois ser usados no desfile na Avenida da Liberdade, em Lisboa. Bina Tangerina, Catarina Sobral, João Fazenda, Marcos Martos e Susana Carvalhinhos dão o mote ao tema “Protege a Liberdade”.

Jorge Órfão: o homem que molda o metal à religião

Mirandela

Jorge Órfão: o homem que molda o metal à religião

Desde o início de abril, Jorge Órfão está integrado na Rota Saber Fazer da Terra Quente Transmontana que é uma rede de oficinas de artesãos e de produtores rurais integrada na oferta turística da região – o alojamento, a restauração e as empresas de animação turística – para criar ofertas estruturadas de turismo de experiências.

Pessoas

O 25 de Abril chegou por pancadas na parede. O diário na prisão de Conceição Moita

Registos na cadeia de Caxias

O 25 de Abril chegou por pancadas na parede. O diário na prisão de Conceição Moita novidade

O 7MARGENS leu pela primeira vez pastas do arquivo pessoal de Maria da Conceição Moita, que estava presa em Caxias no dia em que a ditadura caiu. A libertação para esta professora e muitos opositores ao Estado Novo demoraria ainda a chegar: só aconteceu pouco depois das zero horas de dia 27 de abril. Eis um relato desses 141 dias.

Sete Partidas

Por quem os sinos dobram

Por quem os sinos dobram

Nas férias da passagem de ano li Não Terão o Meu Ódio, o diário que Antoine Leiris escreveu nos dias que se seguiram ao ataque ao Bataclan [em Paris], onde perdeu a sua companheira. O quotidiano subitamente rasgado pela violência. As coisas simples: a hora do banho do filhinho, as papas que as mães de outras crianças do infantário preparavam para o bebé, os vestígios da existência da companheira no cheiro das coisas espalhadas pela casa, nos rituais. E em tudo, para sempre: a sua ausência. [Texto de Helena Araújo]

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Sínodo é representativo ou participativo?

Sínodo é representativo ou participativo?

Quando Francisco, na Jornada Mundial da Juventude, clamou “todos, todos, todos” – e certamente também queria dizer “tudo, tudo, tudo” –, não estava a confinar o chamado “Sínodo dos Bispos” a uma “representatividade saloia” baseada nas estruturas – algumas não existem! – da Igreja Católica Romana. [A opinião de Joaquim Armindo]

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Celebrações e Frugalidade

Celebrações e Frugalidade

A minha empregada de há mais de 25 anos foi pela primeira vez a Roma com o marido e o neto de 8 anos, levados pelo filho que, graças aos sacrifícios dos pais, pôde fazer uma licenciatura com mestrado incorporado, passando a pertencer claramente à classe média, e subindo no ascensor social graças ao trabalho dos seus pais e à escola pública que frequentou. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This