Cinema

“Um convite a sair de si e ir ao encontro dos outros”

| 15 Dez 2021

Tre Piani

 

A propósito de um outro – belíssimo – filme A Metamorfose dos Pássaros, da realizadora portuguesa Catarina Vasconcelos, alguém escreveu que ‘a família é lugar de conforto, mas também lugar de confronto’. Creio que pode ser uma pista interessante para se olhar para o último filme de Nanni Moretti, Três Andares. Trata-se, de facto, do drama (destino ou vida) de quatro famílias que acabam tragicamente entrelaçadas. Todas vivem no mesmo prédio. Todas poderiam ter uma vida boa, em razão da situação económica e profissional. Mas o filme é precisamente sobre a sua (nossa) dificuldade de viver juntos.

Disse o próprio realizador: “Aquele prédio simboliza a nossa tendência para viver vidas isoladas uns dos outros, longe de uma comunidade humana que pensávamos já não existir. Mas a experiência incrível da pandemia provou-nos o contrário. É como se ela tivesse desmascarado uma grande mentira: pensarmos que podíamos passar sem a colectividade. O filme foi rodado antes, mas é como se eu tivesse antecipado o que iria passar-se, depois de o escrever. É um convite a sair de si mesmo e ir ao encontro do outro, o que parece cada vez mais necessário, não apenas na vida privada mas também na vida pública.”

Adaptado de um romance do autor israelita Eshkol Nevo – o que acontece pela primeira vez na filmografia de Moretti – Três Andares começa de maneira ‘violenta’: um condutor (veremos depois que é um jovem), manifestamente embriagado, entra literalmente com o carro por uma casa dentro, depois de ter atropelado mortalmente uma mulher. É a partir desta abertura inicial que o filme vai desenrolar-se, quando os habitantes do prédio saem para ver o que tinha acontecido. As suas histórias começam a entrelaçar-se. O jovem é o filho de uma das famílias que moram no prédio, um casal de magistrados, que irá recusar-se a ajudar o filho. Ele acabará por ir para a prisão, mas isso deixará feridas na família difíceis de sarar. Outra das famílias tem uma filha pequena que, às vezes por necessidade, deixa nuns vizinhos já reformados. Mas o pai, depois de um incidente, passa a viver cheio de medos, transtornado, porque não lhe sai da cabeça que o seu vizinho idoso pode ter abusado da filha. Apesar da serenidade da esposa, aquela angústia dele vai complicar-lhe a vida. Monica, outra das moradoras, no início do filme é a primeira a sair do prédio, sozinha e já com as dores do parto. É casada mas o marido, por causa do trabalho, está quase sempre ausente, e ela lida mal com essa solidão. Vive apavorada e ansiosa com medo de acabar louca, como a sua mãe. O que acontecerá.

Três Andares é assim um ‘filme coral’ que nos faz acompanhar todos estes acontecimentos dessas famílias, durante dez anos, mostrando-nos as escolhas de cada um e as suas consequências. Intransigência, desconfiança, egoísmo, medo, culpabilidade são alguns dos sentimentos vividos por cada um, por cada família, mas também pela própria sociedade. Disse Nanni Moretti, n mesma entrevista: “Procurei explorar a sua humanidade e as suas fragilidades nas suas relações com os outros, compreender as suas razões para agir assim, sem as julgar.” 

Mas o realizador não se deixa enredar nem ficar no fatalismo ou no pessimismo. O filme acaba com a possibilidade da esperança e da redenção, com a luz a brilhar, se pensarmos nomeadamente em Dora, a mãe do jovem Andrea, que faz um grande caminho de mudança. E se pensarmos também naquela cena do baile que invade a rua e simboliza a irrupção do mundo exterior. No meio de um filme tão austero e dramático, aquele sinal de alegria e de festa é um convite a “não ficarmos encerrados nos nossos três andares”.

Três Andares, de Nanni Moretti
Título original: Tre Piani
Género: Drama, Comédia
ITA/FRA, 2021, Cores, 119 min., M/12

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar). Texto inicialmente publicado no número de Dezembro 2021 da revista Mensageiro de Santo António.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This