Um debate virtual sobre A Economia de Francisco

| 26 Jan 21

a economia de francisco cartaz

O cartaz d’A Economia de Francisco

 

Com o objectivo de dar um contributo para a reflexão sobre o encontro A Economia de Francisco, que decorreu no final de Novembro, a Capela do Rato (Lisboa) organizou um debate, que decorrerá via Zoom, “sobre as pistas e os caminhos para uma economia mais humana e mais justa”.

Um frade franciscano, dois participantes no encontro que teve o seu centro em Assis, e dois gestores portugueses serão os intervenientes na sessão, que decorre nesta quarta-feira, 27, a partir das 21h30.

A iniciativa A Economia de Francisco foi convocada pelo Papa em Maio de 2019, inspirada em São Francisco de Assis e recordando a frase que o Poverello terá ouvido do crucifixo de São Damião: “Francisco, não vês que a minha casa está em ruínas? Vai, pois, e restaura-a para mim.”

Na convocatória, o Papa desafiava os jovens a prepararem e a realizarem um encontro tendo como propósito o lançamento das bases para uma transformação económica, mais centrada na pessoa e voltada para o cuidado da “casa comum”.

Durante um ano e meio, jovens de todo o mundo envolveram-se numa plataforma mundial de reflexão onde reuniram contributos e propostas de acção para uma economia mais humana e um futuro mais sustentável. Entre 19 e 21 de Novembro de 2020, o encontro decorreu, a partir de Assis, e com ligação vídeo a toas as regiões do globo, com centenas de participantes a dialogar com personalidades da economia, finança, filosofia, teologia, gestão de empresas ou empenhamento cívico e social. Muitos dos participantes deram também testemunho de experiências que estavam já a concretizar, com as mesmas perspectivas sugeridas pelo Papa.

Dois dos participantes no encontro de Novembro, que integram o grupo português da iniciativa estarão entre os intervenientes da sessão da Capela do Rato: Francisco Maia, jovem empresário, e Rita Sacramento Monteiro, responsável pelo programa de voluntariado da EDP desde 2016, formada em Comunicação e escuteira, já entrevistada pelo 7MARGENS.

Os outros são o frade franciscano Hermínio Araújo, o gestor José Theotonio, da administração do grupo Pestana, e Paulo Lopes, consultor de empresas e responsável do núcleo da Associação Cristã de Empresários e Gestores, do Algarve.

Para entrar na sessão deve seguir-se o endereço da plataforma Zoom, com o código ID 814 6915 5308 e a senha de acesso 966193.

 

Uma Teofania nos corações humanos

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

As causas que sobrevivem às coisas

As causas que sobrevivem às coisas novidade

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

2022: aprender a construir a paz

2022: aprender a construir a paz novidade

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This