Um Deus mergulhado na nossa humanidade

| 4 Dez 2022

 

A Árvore de Jessé (anónimo, 1500), Rijksmuseum Twente, Enschede, Países Baixos

A Árvore de Jessé (anónimo, 1500), Rijksmuseum Twente, Enschede, Países Baixos

 

 

Se existem versículos do Novo Testamento que a maioria dos leitores normalmente considera pouco apelativos à leitura são as genealogias de Jesus que constam nos inícios dos evangelhos de Mateus e de Lucas. Afinal a quem interessa a genealogia do Senhor Jesus, a sua linhagem? Pode-se até reconhecer nelas nomes de alguns dos patriarcas, reis de Israel ou de Judá, mas de facto não é uma leitura que, à primeira vista, revele algum valor devocional. Mas, afinal para que serve uma genealogia? Qual a sua utilidade para os povos orientais, neste caso particular, para o povo judeu? Grosso modo, as sociedades na antiguidade eram organizadas segundo as linhagens das suas tribos a fim de preservarem a sua identidade e possessões em forma de terras, daí a importância da árvore genealógica nessas sociedades agrícolas do Oriente.

Verifica-se igualmente no livro de Esdras (Ed 2:61-63) e no de Neemias (Ne 7:63-65) a importante tarefa de estabelecer a genealogia do povo judeu, uma vez que, pela Lei de Moisés, só poderiam ser admitidos ao serviço no santuário e ao sacerdócio aqueles que tinham uma ascendência sem mácula e pura. Na época de Jesus, competia ao Sinédrio, o supremo conselho de juízes [religiosos], examinar a legalidade das origens de determinado sacerdote para acesso ao serviço religioso. Obviamente que, para além da classe sacerdotal, qualquer judeu interessado podia averiguar a sua ascendência e tribo. Paulo, por exemplo, informa-nos numa das suas cartas que era da tribo de Benjamim (Filipenses 3:5).

Analise-se um pouco a genealogia de Jesus apresentada por Mateus no seu primeiro capítulo e que se socorre da linhagem de José. Tendo em mente que este evangelho, pela quantidade de citações que faz do Antigo Testamento, é escrito para judeus que se tinham convertido ao cristianismo, ou seja, cristãos de raça israelita, Mateus tem como objetivo demonstrar e comprovar que Jesus é o Messias esperado e que é descendente de Abraão, da Tribo de Judá e de Davi conforme as profecias (2 Samuel 7:16; Salmo 89:3-4).

Essa genealogia está divida em três grupos de 14 gerações, cada um deles correspondentes a três períodos da história do povo judeu: de Abraão até Davi, de Davi até à deportação para a Babilónia e desde a deportação para a Babilónia até Jesus (vers. 17). Importa para já reter apenas a genealogia que vai de Abraão até ao rei Salomão:

Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos; Judá gerou, de Tamar, Farés e Zara; Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram; Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson gerou Salmon; Salmon gerou, de Raab, Booz; Booz gerou, de Rute, Jobed; Jobed gerou Jessé; Jessé gerou o rei Davi. Davi, da mulher de Urias, gerou Salomão” (Evangelho de São Mateus 1:1-6)

Analisando-se bem o texto e, tendo em conta que um dos objetivos das genealogias era, como anteriormente apontado, comprovar a pureza dos ascendentes, isto é, limpa de qualquer sangue gentílico, esta genealogia de Jesus apresentada por Mateus tem nada menos o nome de quatro mulheres gentias: Tamar, Raabe, Rute e a mulher de Urias que, embora o texto não o mencione, se chamava Bete-Seba. Mas, se se estudar a vida destas mulheres, descobre-se que todas elas tiveram, em determinadas fases da sua vida, comportamentos considerados em nada ortodoxos:

  • Tamar teve uma relação sexual com o seu sogro Judá (Genesis 38:13-15);
  • Raabe era prostituta (Josué 2:1);
  • Rute era moabita e deitou-se com Boaz numa eira (Rute 3:6-18);
  • Bate-Seba, a mulher de Urias, era hitita e cometeu adultério com Davi (2 Samuel 11:2-5)

Se se tiver ainda em conta que nas genealogias israelitas muito raramente se citavam os nomes de mulheres, a não ser nos casos em que era necessário resolver alguma irregularidade, o que não era o caso da genealogia mateana, questiona-se porque, ao invés destas quatro mulheres gentias, não foram referidas outras mulheres assumidamente exemplares como, por exemplo, Sara ou Rebeca? Se se pensar que elas ali estão como um símbolo de uma humanidade contingente e imperfeita, a genealogia do Jesus revela-se, antes de mais, como símbolo da sua graça e amor revelados através da sua perfeita humanidade.

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género. O Emanuel, o Deus connosco, está profundamente e intimamente mergulhado nas profundezas da nossa humanidade e assim estará connosco até à eternidade.

 

Vítor Rafael é investigador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo, da Universidade Lusófona.

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This