Editorial 7M – Um dia feliz

| 5 Out 19

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente. Não um crente qualquer. Antes alguém que procura Jesus, titubeando na fragilidade de uma fé que tanto O sente revelado e presente, como ausente na noite do Seu silêncio. Um homem de fé que comunica e partilha sem falsas humildades e enorme despojamento os mil percursos dos seus encontros e desencontros com Deus.

José Tolentino Mendonça é poeta. E esta é, talvez, a sua condição primeira. Alguém que utiliza a palavra não para doutrinar, ordenar, legislar, fixar, castrar. Ao contrário, a sua poesia é lugar de procura, partilha e chamamento a um sentido e uma vida mais humanos, mais abertos à beleza, à contemplação do outro, do Outro, que suscita o que de melhor cada um, cada uma transporta dentro de si. A sua palavra não é norma. É desafio, busca fraterna de Deus e convocação de comunhão. Assim Francisco sonha a Igreja.

José Tolentino Mendonça fez-se também na prática constante do acolhimento e do diálogo. Acolhendo não para trazer para si, mas acolhendo saindo de si para estar diante, para ser com. Acolhimento que não é feito de receber em casa, mas construído no movimento repetido de ir até onde o outro está. Deslocação às margens, às periferias, aos que não se reconhecem de Deus, aos que não são reconhecidos como gente, pessoas, cidadãos, bem-vindos. E descobrir-lhes a graça escondida, o jeito único de serem homens e mulheres, comungando das suas aflições, derrotas e inquietações. Esse acolher baseado na qualidade do diálogo exigente que não evita as questões dolorosas, as interrogações mais derradeiras e o desespero mais profundo, antes as escuta reconhecendo-as como suas, é a condição do encontro. Do encontro com as mulheres e os homens do nosso tempo que Tolentino Mendonça personifica e que a Igreja de Francisco deseja construir com todos.

Por todas estas razões hoje é um dia feliz. Uma tarde luminosa marcada por um acontecimento esperançoso para a Igreja Católica e para o mundo. E a alegria particular do mundo português nada tem a ver com pequenos ou grandes chauvinismos. Radica apenas no facto de a língua portuguesa ser indissociável do homem que hoje Francisco escolheu para o cardinalato: o poeta José Tolentino Mendonça.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco