Iniciativa 3 Milhões de Nós

“Um dia para dar ferramentas aos jovens”, no meio de uma “realidade dura”

| 3 Mar 2023

3 milhoes de nos, edicao 2021, foto 3MN

Apesar de a realidade ser desafiante, o importante é que os jovens não percam a esperança e percebam que têm onde se apoiar.  Foto © 3MN.

 

A Aula Magna, em Lisboa, recebe este sábado, 4 de março, a terceira edição do 3 Milhões de Nós. Organizado pela associação CincoMaisDois, ligada à Família Missionária Católica Verbum Dei, trata-se de um dia de palestras e debates dirigidos a todos os jovens, crentes e não crentes, que este ano tem como principal objetivo dar-lhes ferramentas para lidar com a realidade particularmente desafiante em que se inserem, depois de uma pandemia e num contexto de guerra na Europa.

“Vivemos uma realidade complexa, dura… e para os jovens o panorama pode parecer particularmente difícil”, reconhece a irmã Nuria Frau, missionária da Fraternidade Verbum Dei, uma das organizadoras do evento. Por isso, este ano, a pergunta que servirá de mote ao 3 Milhões de Nós será: “Então e agora?”.

Para Nuria Frau, o mais importante é que, apesar de a realidade ser desafiante, os jovens não percam a esperança e percebam que têm onde se apoiar. Assim, neste encontro, os vários oradores escolhidos irão começar por refletir sobre “o mundo onde estamos”, para depois procurarem responder, com os seus testemunhos, a três questões que derivam do tema principal: “Então e agora, com quem somos?”; “Então e agora, como nos ligamos?” e “Então e agora, o que queremos viver?”.

Entre os 16 conferencistas, incluem-se o ator Pedro Granger, a psicóloga Margarida Bruto da Costa, o presidente da associação ZERO, Francisco Ferreira, o antigo líder do CDS, Paulo Portas, e Mafalda Ribeiro, criadora do projeto “Sorrir sobre Rodas”.

Convidados para “virem partilhar as suas experiências, e não para fazer uma exposição retórica”, os oradores pertencem às mais diversas áreas profissionais, a diferentes quadrantes políticos, e só alguns são católicos, destaca a irmã Nuria Frau, assegurando que o objetivo não é “impingir nada a ninguém”, mas “deixar portas abertas para que os jovens possam entrar na espiritualidade e na transcendência”, se assim quiserem.

 

“Olhar para o futuro, em conjunto, para poder ganhar uma esperança renovada”

Pode ser uma imagem de texto que diz "3 Então milnn agora? DE MARÇO AULA MAGNA 10H00 8H00 MUNDO EM QUE ESTAMOS SITUAÇÃO GEOPOLÍTICA INTERNACIONAL PALPORT ESTADO DO AMBIENTE FRANCISCOFERREIRA ESTADO DA ECONOMIA SUSANAPERALTA LANÇAMENTO ENTÃOEAGORA? GUILHERME RAMOS COMO NOS LIGAMOS? LIGAÇÃO AOS OUTROS MAFALDARIBEIRO REDES SOCIAIS DIREITO AO SILÊNCIO PEDRGRAGER CAPACIDADE DE ESTAR VALENTINASTILO COM QUEM SOMOS? DIVERSIDADE SEXUAL MARGARI COSTA RITMOS RITASACRAMENTOMONTEIRO DIVERSIDADE CULTURAL DIVERSI DE POLÍTICA QUE QUEREMOS VIVER? A MINHA FAMÍLIA COMUNIDADE JOANA RIGATO ဝ LUGAR OUTRO NOSSA VIDA FRANCISCO MENDES INTERVENÇÃO DISCERNIMENTO JOÃO GOULÃO A ENCERRAMENTO ENTÃOE ENTÃOEAGORA? ZÉPEDROCOBRA COBRA BILHETES M BLUETICKET MILHÕES NÓS INCLUÍD 9 æ3mn.p 3milhoesdenos"

O programa começa, pelas 10h, com uma mesa redonda sobre “o mundo em que estamos”.

Valentina Stilo, 44 anos, será a única oradora pertencente à Fraternidade Missionária Verbum Dei. Mestre em Psicologia Clínica, a irmã Valentina nasceu em Itália, mas o seu envolvimento com a pastoral universitária já a levou a viver no México, no Brasil (onde aprendeu a falar português), e em Inglaterra.

“Por onde passei, trabalhei sempre com jovens”, conta com entusiasmo ao 7MARGENS. Por isso, não hesitou em aceitar o convite para vir de Roma, onde se encontra atualmente a fazer o mestrado em Teologia Fundamental, para falar-lhes de um tema que considera muito importante, e que ganhou particular relevância com a pandemia: a solidão.

“Vou basear a minha apresentação em duas ideias fundamentais: a primeira é que estarmos sós não é algo que fazemos, mas é o que somos. Parte da nossa natureza é sermos indivíduos sós, mas também seres de relação, e uma coisa está ligada à outra”, explica. E por isso, defende a irmã Valentina Stilo, “precisamos de treinar a solidão para sermos mais inteiros, mais nós mesmos”. A irmã italiana aprofundará depois “quais as nossas resistências à solidão”, assim como “a diferença entre solidão e isolamento”.

Até porque um dos objetivos do 3 Milhões de Nós é, precisamente, combater esse isolamento, assinala Tiago Pinto Coelho, que será um dos apresentadores do evento e faz parte da organização desde a primeira edição, em 2018.

“Queremos que os jovens possam parar, partilhar medos, inquietações, inseguranças, ideias… e olhar para o futuro, em conjunto, para poderem ganhar uma esperança renovada”, sublinha. “Esta é uma geração marcada por uma aceleração muito grande, por uma exposição constante, pelo imediatismo das redes sociais, e isso vai levando os jovens a níveis de ansiedade muito altos. Temos de os ajudar a parar e este evento é como uma bolha de ar”, diz.

 

Todos estão convidados

3 milhoes de nos, edicao 2021, foto 3MN

O 3 Milhões de Nós não tem fins lucrativos e a sua realização só é possível com o apoio de inúmeros parceiros institucionais e de uma equipa de dezenas de voluntários. Foto © 3MN.

 

Mas o 3 Milhões de Nós não é apenas para os jovens, refere Tiago Pinto Coelho. “Nas outras edições, tivemos participantes desde os 8 aos 88 anos, e apesar de o público-alvo serem sobretudo pré-universitários, universitários e pós-universitários, este evento é para todos aqueles que se interessam pelos jovens, para quem os acompanha, para quem tem filhos e netos, para educadores”.

Por isso, este animador de grupos de jovens da Verbum Dei e professor de artes no Colégio Pedro Arrupe, em Lisboa, convida todos a participar no 3 Milhões de Nós.

Os bilhetes custam 12 euros, podem ser adquiridos online, e estarão também à venda no local a partir das 9h até às 10h, altura em que terá início o evento. O almoço e lanches estão incluídos.

Tiago Pinto Coelho assinala que este é um evento “sem quaisquer fins lucrativos”. O valor da participação serve para suportar custos como o aluguer do espaço, o sistema audiovisual, as refeições e a limpeza. E a sua realização só é possível com o apoio de inúmeros parceiros institucionais e de uma equipa de dezenas de voluntários.

“Sempre que termina um 3 Milhões de Nós, ficamos com a sensação de que é uma pena só conseguirmos fazer isto de dois em dois anos, uma vez no ano, e numa só cidade”, confessa o apresentador. “Por agora, é onde conseguimos chegar… mas a nossa vontade é replicar isto”.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This