Dia 5 de março, online

Um encontro inter-religioso para assinalar o Dia Internacional da Mulher

| 29 Fev 2024

Mulheres a rezar. Foto Doidam10

A iniciativa visa refletir sobre “o papel crucial que as mulheres de fé desempenham na construção de uma cultura de paz”. Foto © Doidam10

 

A União das Organizações Femininas Católicas (UMOFC), com o apoio do Dicastério para o Diálogo Inter-religioso (DDI), vai celebrar o Dia Internacional da Mulher 2024 com um encontro ecuménico e inter-religioso. A iniciativa está agendada para 5 de março, vai decorrer online, e pretende reunir representantes de diferentes tradições religiosas para refletir sobre “o papel crucial que as mulheres de fé desempenham na construção de uma cultura de paz”, adianta o Vatican News.

Intitulado “Mulheres que semeiam paz e cultivam o encontro”, o evento terá início às 14 horas (hora de Lisboa) com um discurso de abertura do cardeal Miguel Ángel Ayuso Guixot, MCCJ, prefeito do Dicastério para o Diálogo Inter-religioso, e a intervenção de Mónica Santamarina, presidente geral da UMOFC.

Segue-se uma mesa redonda, que contará com a participação de Rudina Collaku, diretora executiva do Centro de Mulheres para o Desenvolvimento e a Cultura, da Albânia, a qual falará sobre o tema “Prevenir o extremismo entre os jovens”.

Na perspectiva budista, Elena Seishin Viviani, vice-presidente da União Budista Italiana, fará uma intervenção subordinada ao tema “Da paz interna às sociedades pacíficas: O papel da meditação”.

Do ponto de vista hindu, haverá uma palestra de Svamini Hamsananda Ghiri, vice-presidente da União Hinduísta Italiana, sobre “Diálogo Intercultural – Atitudes das Culturas Anfitriãs”

Representando a perspectiva judaica, o rabino Allyson Zacharoff, da Congregação Beth Hatikvah, em Summit, NJ, EUA, falará sobre “Diálogo inter-religioso e mediação entre estudantes universitários”.

Do ponto de vista ecuménico, Kuzipa Nalwamba, do Conselho Mundial de Igrejas, falará sobre “Como as mulheres, membros ou líderes de comunidades cristãs, têm colaborado nos processos de paz”.

Por fim, numa perspectiva católica, Valeria Martano, da Comunidade de Sant’ Egídio e consultora do Dicastério para o Diálogo Inter-religioso, falará sobre “Como é a paz em tempos de guerra?”.

A participação é gratuita e aberta a todos, sendo necessária inscrição para assistir através da plataforma Zoom, preenchendo um formulário já disponível online. Haverá tradução simultânea em quatro línguas: inglês, espanhol, francês e italiano.

 

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se” novidade

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

A Poesia na Rua

A Poesia na Rua novidade

“É preciso ajudar. Ajudar quem gostaria que a poesia estivesse na rua, que a alegria fosse um privilégio de todos. Ajudá-los contra os que lubrificam a máquina do cinismo e do ódio.” – A reflexão de Eduardo Jorge Madureira, na rubrica À Margem desta semana.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This