Bispos satisfeitos com adesão

Um encontro nacional de alunos de Moral para a “alegria”

| 23 Abr 2022

Encontro Nacional de Estudantes do Secundário da disciplina de EMRC, em Guimarães, 22-23 Abril 2022.

Encontro Nacional de Estudantes do Secundário da disciplina de EMRC, em Guimarães, 22-23 Abril 2022. Foto © Educris

 

Cerca de 2150 alunos de 65 escolas de todo o país participaram no Encontro Nacional de Alunos do Ensino Secundário inscritos em Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC), que decorreu sexta e sábado, dias 22 e 23 de Abril, em Guimarães. Uma iniciativa que levou o director do Secretariado Nacional da Educação Cristã, Fernando Moita, a afirmar que “a Igreja e o país precisam desta manifestação da alegria”.

O presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e bispo de Aveiro, António Moiteiro, mostrou-se “satisfeito” pela adesão dos alunos no momento em que “um certo sentido de normalidade” regressa às escolas.

Citado pela Ecclesia, D. António afirmou estar muito “satisfeito com a adesão de tantos alunos” à iniciativa, destacando a dimensão de reconhecimento que encontros como este permitem. “Penso que uma outra dimensão é a de ajudar os nossos alunos a encontrarem outros que como eles, no secundário, fizeram a opção pela disciplina.”

Sendo o ensino secundário o ciclo que “apresenta uma menor taxa de inscrição na disciplina”, António Moiteiro refere que o encontro nacional pretende ser um espaço de experiências que tenham impacto nos alunos.

No encontro, os participantes contribuíram com produtos de puericultura destinados às crianças que mais precisam e que foram entregues à Cáritas Diocesana, pois “no berço se acolhe a grandeza, e a originalidade, mas também a fragilidade da vida de cada pessoa, que aprende a levantar-se e a caminhar como dom e partilha para os outros”, explicou Sérgio Martins, da equipa nacional da EMRC.

Também o arcebispo de Braga, José Cordeiro, esteve presente e afirmou que “a educação, o fazer crescer, tem de ser íntegra. A religião ajuda a religar, não como um proselitismo, mas como proposta”, afirmou, para acrescentar que a disciplina de EMRC é um contributo para a “construção do bem comum, da amizade social na sociedade que vivemos, no respeito de todos e cada um, mas sempre nesta capacidade de propor aqueles valores que dão sentido à nossa existência”.

O arcebispo de Braga desafiou ainda os jovens a serem “artesãos de paz, da cultura do encontro, da reconciliação e do amor” e a revisitar palavras como “o respeito, a tolerância, o perdão” que parecem fora do quotidiano e que não devem ganhar importância “apenas nos momentos críticos, como no horror da guerra que experimentamos aqui tão perto de nós, na Ucrânia”.

 

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This