Um estranho paradoxo

| 18 Mai 20

À memória de João Gomes,
discípulo do Cardeal Cardijn e dirigente da JOC

Vivemos um estranho paradoxo. As pandemias tenderão a ser controladas pela ciência. Mas tal não tem acontecido no caso da covid-19. O certo é que tem faltado uma liderança ética e política partilhada nos planos europeu e mundial. A voz do Papa Francisco, as encíclicas Laudato Si’ e Caritas in Veritate são ainda ecos que clamam no deserto. A xenofobia, o isolacionismo e a desconfiança são traços dominantes no sistema internacional. Mas será esta pandemia uma oportunidade para se criar uma nova consciência capaz de 1) Prevenir ameaças globais; 2) Garantir uma melhor partilha de recursos; 3) Compreender que os mais fracos são as maiores vítimas; 4) Pôr em prática um contrato ecológico; 5) Ligar sustentabilidade, equidade e justiça distributiva na sociedade e entre as diferentes gerações, bem como garantir a subsidiariedade?

O Papa lançou o desafio para se debater em 2020, em Assis, “A Economia de Francisco”. A reflexão ficou para o final do ano, em virtude do confinamento, mas tem de estar presente aqui e agora. Construir uma nova economia à medida do homem – eis o que importa. O objetivo é que tenhamos no mundo uma economia socialmente justa, viável, ambientalmente sustentável e eticamente responsável. Como tem afirmado o Papa Francisco: “Não há razão para ter tanta miséria, precisamos construir novos caminhos.” Efetivamente, não faltam, em abstrato, recursos nem dinheiro, o que há é falta de justiça e de partilha. Hoje, um por cento da população mundial detém mais riqueza do que os restantes 99%. O planeta produz alimentos suficientes para 11 mil milhões de pessoas. Ora, sendo a população mundial de 7,6 mil milhões, importa encontrar soluções de maior justiça distributiva. De facto, 851 milhões passam fome, diz a FAO, e isso é intolerável. Se não há escassez de recursos nem de dinheiro, o Papa Francisco insiste, com especial ênfase, nesta tremenda contradição. No simpósio recente sobre “Novas formas de fraternidade solidária, da inclusão, integração e inovação” afirmou: “Um mundo rico e uma economia vibrante podem e devem acabar com a pobreza!” Dir-se-á que a pandemia veio alterar as coisas. Temos de responder que as situações dramáticas com que nos debatemos devem-se à acumulação de erros e ao facto de continuar a haver desatenção relativamente aos temas da desigualdade e do desenvolvimento humano.

Se há lições que hoje temos de tirar, elas obrigam a ligar saúde pública, economia, justiça e combate à pobreza. Há dilemas? Certamente que sim. Daí que a crise que se anuncia e a sua expressão dramática terão de ser alvo de uma ação corajosa em vários tabuleiros. Esta não é mais uma crise, igual às outras. Uma crise global obriga a uma resposta global, uma situação excecional obriga a medidas excecionais. A crise financeira de 2008 foi diferente e ainda não foi totalmente debelada. Agora não é só o sistema financeiro a estar em causa, é toda a economia. E se a pandemia corresponde à urgência maior, a destruição ambiental e as ameaças inerentes ao aquecimento global e ao consumismo destrutivo obrigam a que a dimensão ecológica entre na ordem do dia como prioridade de todos. Eis por que razão o desafio lançado pelo Papa para uma reflexão séria sobre a “Economia de Francisco” exige um empenhamento de todos – jovens e menos jovens, economistas, financeiros, políticos, decisores, académicos, demógrafos, cientistas, técnicos, médicos, biólogos, imunologistas, filósofos, sociólogos… Mariana Mazzucato acaba de nos alertar para o facto de o papel do Estado e dos governos ter de ser repensado: “mais do que se limitarem a corrigir as falhas de mercado, deveriam procurar, de forma ativa, criar e desenvolver mercados que garantam um crescimento sustentável para todos”.

Temos de entender o que o Papa S. Paulo VI nos disse na encíclica Populorum Progressio – o desenvolvimento é o novo nome da paz e devemos contar com o mercado tanto quanto possível e com o Estado tanto quanto necessário – em nome da eminente dignidade da pessoa humana. “De facto, não basta distribuir dinheiro às empresas: é, antes, imperativo impor condições para garantir que os planos de resgate financeiro têm capacidade para transformar os setores que necessitam de ajuda e permitir-lhes desempenhar um novo papel numa nova economia – uma economia centrada na estratégia do New Deal Ecológico, que consiste em reduzir as emissões de carbono e, ao mesmo tempo, investir na formação dos trabalhadores, assegurando que estes se adaptam às novas tecnologias”… Lembramos o que disse o Cardeal Cardijn, fundador da Juventude Operária Católica (JOC), conselheiro do Papa S. João XXIII na redação da encíclica Mater et Magistra: “o método “ver-julgar-agir” é essencial para discernir prioridades pastorais e afirmar a presença de Cristo, caminho, verdade e vida, na nossa existência. Significa olhar ao redor para a realidade social, chegar a conclusões sobre o que o Evangelho tem a dizer sobre isso e colocar essas conclusões em prática.”

 

Guilherme d’Oliveira Martins é administrador executivo da Fundação Calouste Gulbenkian

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal novidade

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica novidade

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco