Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

| 12 Jul 20

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Biblista já conhecido entre nós, o bispo António Couto oferece-nos nestas páginas o encontro entre a sabedoria bíblica, o pensamento filosófico de inspiração humanista que percorreu o século XX e a falta de horizontes e de compaixão que marca os nossos dias, herdeiros de uma razão fechada em si mesma no sujeito individual, que pensa em si e a partir de si. Com destaque para o filósofo judeu Levinas, o autor dialoga com as pistas do Deus bíblico de graça e de luz geradora, que rompe os nossos ouvidos e olhos fechados para o próximo que nos interpela, fazendo-nos descobrir o seu rosto através da hospitalidade. Tudo se decide na escuta de uma Palavra de esperança, de uma narrativa de responsabilidade, da liberdade gerada pelos apelos que habitam a nossa vida. Páginas intensas, trabalhadas ao longo de anos densamente povoados por leituras e encontros: um exercício lento e sólido de teologia bíblica, unido ao desejo quase maternal de transmitir algo de precioso a um tu que é o leitor.

“Deus entra-nos pela casa adentro, sem bater à porta e sem pedir licença, e elege-nos, sem previamente nos ouvir, marca-nos com uma eleição que não prescreve nunca, confia-nos uma missão que não podemos rescindir, entrega-nos um Amor a que não nos podemos subtrair, dado que o outro por quem sou responsável, o amado, é, para o ‘eu’, único no mundo. Na verdade, compete-nos viver o dia-a-dia, saboreando e respondendo a Deus e ao próximo mais próximo com um amor imenso e intenso, uma liberdade dada, recebida e agradecida.”

Em textos que alternam na dimensão, desde o artigo mais extenso às breves “notas”, o Autor vai fazendo passar diante dos olhos do leitor os paradigmas que, muitas vezes inconscientemente, percorrem e alimentam as nossas opções na moderna sociedade ocidental. A sabedoria bíblica entra, na maioria das vezes, em conflito com estes paradigmas, tal como os longos capítulos imprecatórios dos livros proféticos; mas, no final, tal como a Palavra divina se converte em salvação para um resto que é mediação universal de salvação, também os fios da Palavra geram, hoje, no coração da história, testemunhos de bondade, justiça e esperança. Tal poderá ser, também, o testamento que o Autor, verdadeiro percursor em Portugal dos estudos de teologia e espiritualidade bíblicas, nos lega.

“Sou dos que penso que poucas coisas nos é dado verdadeiramente escolher. Sou cada vez mais levado a entrever que o veio mais fundo e fecundo que vai urdindo a nossa identidade e unicidade – que é aquilo que só eu posso fazer, e ninguém pode fazer em vez de mim –, não depende de nenhuma das nossas escolhas, pois vem de fora de nós, de antes de nós, de antes de a nossa memória registar qualquer sinal, de antes de podermos avançar algum ato meritório, de antes do ventre materno, de antes de antes. Vem do ‘amor fontal’ de Deus, nosso Pai.”

 

Leitura do Tempo em que Vamos, de António Couto
Edição: Aletheia, 140 páginas

Artigos relacionados

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Queremos multiplicar o número de leitores do 7MARGENS.
Todos os apoios são relevantes. E a ajuda para que seja cada vez mais vasta a nossa comunidade de leitores é imprescindível: com mais leitores poderemos ter mais apoios e com estes podemos fazer mais e melhor informação.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

podcast

“Estado social: as crises são todas iguais?”

“Estará o Estado Social a definhar? Como reagiu o nosso Estado Social à crise financeira de 2010? E à pandemia? Como responderam o nosso e o dos outros? Qual das duas crises ‘infetou’ mais o Estado Social português?”

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Nossa Senhora da Boa Viagem em duas rodas, rogai por nós!

Gosto de trabalhar em Agosto. Também gosto de guardar uns dias das minhas férias para viver na cidade que habito. Agrada-me tecer rotina longe das rotinas, quando todes constroem a sua casa longe de casa. Sempre gostei, mas este ano tem um sabor especial: marca o mês em que a rotina se volta a fazer de cabelos ao vento, na minha bicicleta, depois de uns anos sem pedalar.

Evangelizar nas redes sociais 

  Acolhendo a desafiante exortação do Papa Francisco aos participantes no Congresso Mundial da Signis – Associação Católica Mundial para a Comunicação – que decorre em Seul, de 16 a 19 de Agosto de 2022, decidi-me a revisitar a minha presença nas redes sociais e...

A revelação ética mais importante da história humana

Com Jesus Cristo, o alcance do amor de doação (ágape), incondicional e desinteressado, atinge o seu ápice com o amor ao inimigo («a ideia ética mais extraordinária da história humana»), que representa o que há de mais contrário à lógica da vontade amoral de afirmação do poder.

Cultura e artes

Filipinas

Estado proíbe leitura de cinco livros no secundário

A Comissão da Língua Filipina retirou cinco livros da lista de livros aconselhados para os alunos do secundário, proibindo a sua leitura por “terem conteúdos que violam a lei antiterrorismo do país”. O decreto foi publicado a 12 de agosto, noticia a agência UCA News de dia 15.

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This