Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

| 12 Jul 20

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Biblista já conhecido entre nós, o bispo António Couto oferece-nos nestas páginas o encontro entre a sabedoria bíblica, o pensamento filosófico de inspiração humanista que percorreu o século XX e a falta de horizontes e de compaixão que marca os nossos dias, herdeiros de uma razão fechada em si mesma no sujeito individual, que pensa em si e a partir de si. Com destaque para o filósofo judeu Levinas, o autor dialoga com as pistas do Deus bíblico de graça e de luz geradora, que rompe os nossos ouvidos e olhos fechados para o próximo que nos interpela, fazendo-nos descobrir o seu rosto através da hospitalidade. Tudo se decide na escuta de uma Palavra de esperança, de uma narrativa de responsabilidade, da liberdade gerada pelos apelos que habitam a nossa vida. Páginas intensas, trabalhadas ao longo de anos densamente povoados por leituras e encontros: um exercício lento e sólido de teologia bíblica, unido ao desejo quase maternal de transmitir algo de precioso a um tu que é o leitor.

“Deus entra-nos pela casa adentro, sem bater à porta e sem pedir licença, e elege-nos, sem previamente nos ouvir, marca-nos com uma eleição que não prescreve nunca, confia-nos uma missão que não podemos rescindir, entrega-nos um Amor a que não nos podemos subtrair, dado que o outro por quem sou responsável, o amado, é, para o ‘eu’, único no mundo. Na verdade, compete-nos viver o dia-a-dia, saboreando e respondendo a Deus e ao próximo mais próximo com um amor imenso e intenso, uma liberdade dada, recebida e agradecida.”

Em textos que alternam na dimensão, desde o artigo mais extenso às breves “notas”, o Autor vai fazendo passar diante dos olhos do leitor os paradigmas que, muitas vezes inconscientemente, percorrem e alimentam as nossas opções na moderna sociedade ocidental. A sabedoria bíblica entra, na maioria das vezes, em conflito com estes paradigmas, tal como os longos capítulos imprecatórios dos livros proféticos; mas, no final, tal como a Palavra divina se converte em salvação para um resto que é mediação universal de salvação, também os fios da Palavra geram, hoje, no coração da história, testemunhos de bondade, justiça e esperança. Tal poderá ser, também, o testamento que o Autor, verdadeiro percursor em Portugal dos estudos de teologia e espiritualidade bíblicas, nos lega.

“Sou dos que penso que poucas coisas nos é dado verdadeiramente escolher. Sou cada vez mais levado a entrever que o veio mais fundo e fecundo que vai urdindo a nossa identidade e unicidade – que é aquilo que só eu posso fazer, e ninguém pode fazer em vez de mim –, não depende de nenhuma das nossas escolhas, pois vem de fora de nós, de antes de nós, de antes de a nossa memória registar qualquer sinal, de antes de podermos avançar algum ato meritório, de antes do ventre materno, de antes de antes. Vem do ‘amor fontal’ de Deus, nosso Pai.”

 

Leitura do Tempo em que Vamos, de António Couto
Edição: Aletheia, 140 páginas

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar novidade

Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade novidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This