Um género de ideologia

| 14 Ago 19 | Entre Margens, Últimas

“Se por vezes sinto dúvidas sobre o destino da Humanidade, não tem tanto a ver com as manifestações de insensatez e violência que vou testemunhando, mas com a indiferença perante as mesmas.” (José Eduardo Agualusa)

 

Já houve quem escrevesse que a ideologia de género não existe. Já houve quem escrevesse que quem defende a igualdade de género esconde uma ideologia. Falemos, pois, da realidade e avaliemo-la à luz não de uma ideologia, mas de duas: a ideologia da igualdade e a ideologia dos que clamam contra a ideologia de género.

Narro aqui sete casos reais de vítimas de violência ou discriminação por questões de género. Anonimizo todos os casos. São reais. Conheci-os de perto.

A A. tem 16 anos. O namorado opina sobre como ela se veste, controla o telemóvel para saber com quem fala. Força-a a beijá-lo mesmo quando ela não quer. Humilha-a em frente de amigos. A A. sente vergonha de falar do que está a sentir e a viver. E por isso isola-se. E sofre sozinha, legitimando com o seu silêncio que a violência vá aumentando. Muitas jovens experimentam o mesmo que a A. vive.

O B. habituou-se desde pequeno a ver a mãe a ser agredida pelo pai. Verbalmente, fisicamente, psicologicamente. Todos os dias. A mãe é agredida e pede desculpa, porque foi ela que irritou o marido. O B. cresce sem perceber que este seu dia-a-dia não é um caso de normalidade.

A C. sempre foi acarinhada pelos amigos da família. A C., já adulta, começou uma relação homossexual, sendo hoje casada com a H. Esses amigos da família continuam a cumprimentá-la, mas quando se juntam entre eles, já não se referem à C. pelo nome. Passou a ser a “fufa”. Ela sabe, mas não está para se aborrecer, embora esteja ofendida, por ter perdido o nome e por ter passado a ser mais importante a sua cama do que a sua pessoa.

O D., jovem adulto, na instituição em que estudava, foi seduzido por um dos responsáveis pela sua orientação. Sofreu e, quando houve rumores, foi expulso. O responsável, mais velho, ficou. Para que não houvesse escândalo.

A E. é transexual. Na escola, um professor recusa-se a tratá-la pelo nome adotado. Outro não o faz, exceto quando ela se porta menos bem. O castigo infligido é trata-la pelo nome que já não usa. Assim, humilha-a.

O F. é um adolescente homossexual. Nunca disse a ninguém. Contudo, os seus colegas de escola sentiram-se no direito de o perseguir por ele não “aparentar” ser heterossexual. O F. entrou em depressão. O pai é caçador e foi com a arma do pai que disparou contra si próprio. Hoje o F. é tetraplégico e quase não fala. Porque a sua sexualidade incomodava os outros.

O G. foi abusado por uma pessoa próxima, chegada ao seu círculo familiar, nas mãos de quem o confiavam todos os domingos. Nunca falou. Porque tinha vergonha. Porque não se podia falar de sexo. Era indecente.

 

Talvez a experiência da dignidade…

Talvez a A. pudesse ter beneficiado de um ambiente escolar onde se falasse abertamente de violência no namoro. Talvez o namorado da A. pudesse beneficiar de uma educação em que tinha aprendido que a violência é desprezível e que homens e mulheres têm a mesma dignidade.

Talvez o B. pudesse ter na escola exposição a mundos alternativos face àquele em que cresce. Talvez pudesse ser exposto a campanhas contra a violência doméstica e encontrado adultos ou instituições com quem falar para proteger a sua mãe. Talvez não tivesse tido de esperar pela morte da mãe para se aperceber de que não havia nenhuma normalidade no que vivia.

Talvez a C. pudesse ter um ambiente em que se pudesse chamar C. e continuar a ser acarinhada. Talvez o jovem amigo da família percebesse que o seu irmão, quando começou a namorar com uma rapariga, não passou a ser referido como o “hétero”. Talvez quando questionado sobre a forma agressiva de se referir a C., não dissesse que ela era imoral, sem questionar a imoralidade do seu comportamento agressivo. Talvez este jovem pudesse ter tido uma educação que não legitimasse o ódio e o desrespeito.

Talvez o D. não tivesse de viver a expulsão em silêncio. Talvez não tivesse perdido a Fé. Talvez não tivesse andado perdido e desorientado durante os anos seguintes. Teria sido possível se pudesse ter falado, sem ser em segredo ou sussurrado. Escondido. Alienado. Se o D. tivesse tido uma escola em que as diferentes orientações sexuais fossem faladas abertamente, talvez não tivesse confundido vocações.

Talvez a E. pudesse ter vivido a experiência da aceitação na sua escola. Por todos. Talvez ninguém se devesse ter sentido no direito de a humilhar, se todos tivessem aprendido a respeitar a diferença.

Talvez o F. não tivesse dado um tiro na cabeça, se na sua escola não fosse gozado pela sua orientação sexual. Talvez os agentes de bullying não vivessem agora na tortura de lidar com o que fizeram, se tivessem tido momentos de esclarecimento.

Talvez o G. pudesse ter denunciado se, na sua família, na sua escola e na sua comunidade, o sexo não fosse tabu.

Talvez todos tivessem tido a experiência da dignidade. Talvez a todos tivesse sido negada a experiência da violência. Talvez todos tivessem com quem falar.

Talvez vissem respeitados os seus direitos constitucionais. Como pessoas. Iguais a todas as outras.

 

A agenda cristã é a de um Deus de amor

A liberdade de educar não legitima a omissão que permite a violência, a segregação e a discriminação. Essa ideologia, que usa a liberdade de educar como o cavalo de Tróia para branquear a violência de género, nunca é referida como ideologia. A liberdade de educar não é superior ao direito de não ser violentado.

A ideologia da igualdade – essa sim, dizem eles – é que é pecaminosa e suscita análises dos que se dizem sem ideologia, mas vivem enredados nas suas contradições. A contradição de uma biologia que se assume como fonte do binarismo, mas que se deve contrariar quando o seu produto não é binário. A cultura que é fonte da negação da biologia, exceto quando a cultura de uns se deve sobrepor ao que a biologia escolheu para outros. A inconstitucionalidade da proteção dos direitos, ao arrepio da constitucionalidade da proteção contra a violência.

Uma escola que não educa para a paz é uma escola que, direta ou indiretamente, legitima o ódio. Felizmente, a agenda cristã não é a do ódio, nem da violência que a omissão e o silêncio legitimam. Foi e deverá continuar a ser a de um Deus de amor que olha para todos como livres e iguais.

Mais do que ideologia de género, nasce, em vários locais e cabeças, um género de ideologia: a da opressão e a da repressão da diferença, porque uma alegada imoralidade, vista e catalogada por uns, se sobrepõe à humanidade de todos.

 

João Costa é professor universitário e desempenha actualmente o cargo de secretário de Estado da Educação; subtítulos da responsabilidade do 7MARGENS.

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Astérix inclui protagonista feminina que se assemelha a Greta no seu novo álbum novidade

Astérix e Obélix, dois dos nomes mais icónicos da banda desenhada franco-belga, regressam no 38º álbum da dupla, que celebra igualmente os 60 anos da série criada em 1959 por Albert Uderzo e René Goscinny. Nesta história, há uma nova personagem: Adrenalina, filha desconhecida do lendário guerreiro gaulês Vercingétorix, que introduz o tema das diferenças entre gerações.

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco