Comunidade tem novo Compromisso pela Paz

“Um Gesto Pela Liberdade” na RTP evoca vigília da Capela do Rato

| 8 Jan 2023

Capela do Rato, música, Francisco Fanhais, José António (Pepe) Feu, vigília, Cantata da Paz,

Francisco Fanhais e Pepe (José António) Feu a cantar a Cantata da Paz, de Sophia de Mello Breyner, na sessão evocativa dos 50 anos da vigília pela paz na Capela do Rato (30-31 Dezembro 1972): a canção é também evocada no documentário da RTP. Foto © Cláudia Teixeira/Comissão Comemorativa 50 Anos 25 Abril.

 

Um documentário que evoca a vigília da Capela do Rato, realizada há 50 anos em Lisboa contra a guerra colonial, passa na noite desta segunda-feira, 9 de Janeiro, na RTP1. Da autoria do jornalista Jacinto Godinho e do repórter de imagem Carlos Oliveira, Um Gesto Pela Liberdade reúne depoimentos de organizadores e participantes da vigília de 30 de Dezembro 1972 – incluindo excertos de uma entrevista inédita a Nuno Teotónio Pereira –, imagens actuais, testemunhos e documentos, reconstituindo a história daquela iniciativa de um grupo de católicos.

O mesmo documentário passa depois na terça-feira, dia 10, no auditório da Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva (Praça das Amoreiras, nº 56, Lisboa), a partir das 18h. Neste caso, o documentário será seguido de um debate com a participação de José Galamba de Oliveira, Joana Rigato e João Ferro Rodrigues, moderado por António Marujo, jornalista do 7MARGENS. (Neste caso, a participação está sujeita a inscrição prévia para o endereço electrónico geral@50anos25abril.gov.pt)

Entre os depoimentos incluídos no documentário, estão os de Nuno Teotónio Pereira, Maria da Conceição e Luís Moita, Francisco e João Cordovil, José Galamba de Oliveira, António Matos Ferreira, Jorge Wemans, Isabel do Carmo e o padre António Janela.

Como memória e actualização da vigília de 1972, a comunidade da Capela do Rato promoveu uma nova vigília no último 30 de Dezembro, da qual resultou um “Compromisso pela Paz” que pretende actualizar as preocupações dos cristãos com a questão da guerra e da paz.

“No final deste ano, o mundo em que vivemos suscita graves preocupações”, começa por referir o texto, que refere a guerra na Ucrânia e também os conflitos na Síria, Iémen, Líbia, Sudão ou Etiópia, bem como o terrorismo, “por vezes invocando pretextos religiosos” e as perseguições a quem tem fé. Também o combate às alterações climáticas e a falta de uma estratégia “dirigida à eliminação da fome e da pobreza” são referidas no documento, publicado na íntegra na página da Capela do Rato.

“Perante o enorme sofrimento que estes conflitos e esta incapacidade para agir provocam, não podemos cruzar os braços e olhar para o lado”, diz o texto. “Como católicos, queremos renovar o gesto que aconteceu nesta Capela há cinquenta anos”, acrescenta, recordando o refrão do poema escrito por Sophia de Mello Breyner Andresen: “Vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar.”

 

Exposições recordam as duas vigílias católicas contra a guerra

Capela do Rato, vigília, exposição

Exposição evocativa dos 50 anos da vigília pela paz na Capela do Rato (30-31 Dezembro 1972). Foto © Cláudia Teixeira/Comissão Comemorativa 50 Anos 25 Abril.

 

Ainda na Capela do Rato, e também na Igreja de São Domingos, podem ser vistas duas mostras expositiva sobre as duas vigílias contra a guerra colonial promovidas por católicos. A primeira, em 1968, que decorreu na igreja da Baixa de Lisboa, na sequência da declaração do Papa Paulo VI do 1 de Janeiro como Dia Mundial da Paz.

Em ambas, recordam-se os contextos da ditadura do Estado Novo, a Guerra Colonial que Portugal mantinha nas então colónias africanas, a oposição crescente de sectores católicos à guerra e ao regime ou as posições de Paulo VI acerca da paz e da autodeterminação dos povos, que o levaram a receber os dirigentes dos movimentos que combatiam a presença portuguesa. [ver 7MARGENS]

A exposição de São Domingos situa a vigília de 1968 na década que sucedeu às eleições de 1958, em que a candidatura de Humberto Delgado congregou vários sectores de oposição, que incluíram manifestos de católicos. Publicações como a revista O Tempo e o Modo e o Boletim Anti-Colonial, uma publicação clandestina que divulgava informação proibida pelo regime, apareceram também durante a década de 1960.

Com um impacto mais alargado, a vigília da Capela do Rato em 30 de Dezembro de 1972 (que se prolongou até dia 31, quando a polícia invadiu a capela e expulsou os participantes, cerca das nove da noite) tomou como mote a mensagem de Paulo VI para o Dia Mundial da Paz de 1 de Janeiro seguinte, “A Paz é possível”, pretendendo debater a Guerra Colonial. É esta segunda vigília, que abanou o regime, cuja memória pode ser vista na mostra que se encontra na própria Capela.

 

Ateu ou cristão, qualquer um frequenta esta missão

Iniciativa da pastoral universitária

Ateu ou cristão, qualquer um frequenta esta missão novidade

Para entrar na Missão País, não é preciso ser-se católico praticante. Basta levar consigo a fé e o espírito de serviço. A iniciativa é desenvolvida em várias universidades e quer “inspirar gerações a viver a fé católica em missão”. Entre 11 e 18 de fevereiro, 59 jovens universitários viveram em Mogadouro, no distrito de Bragança, onde desenvolveram trabalho voluntário no lar de idosos e no centro infantil. O 7MONTES recolheu testemunhos de quem viveu esta experiência por “dentro” e de “fora”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Conselho Português de Igrejas Cristãs apela a voto que “salvaguarde conquistas” do 25 de Abril

Rejeitando "discursos políticos autoritários"

Conselho Português de Igrejas Cristãs apela a voto que “salvaguarde conquistas” do 25 de Abril novidade

O Conselho Português de Igrejas Cristãs (COPIC) apela ao voto “de todas e todos” os portugueses nas legislativas de março, e também nas eleições para o parlamento Europeu que irão acontecer em junho, “como forma de participação cívica e de salvaguarda das conquistas e desenvolvimentos alcançados ao longo de 50 anos de democracia”, aludindo assim ao aniversário do 25 de Abril que este ano se assinala.

Seis religiosos, um padre e um professor católicos raptados no Haiti

Igreja particularmente ameaçada

Seis religiosos, um padre e um professor católicos raptados no Haiti novidade

Um padre que acabava de celebrar missa na capela de N. Sra de Fátima, seis Irmãos do Sagrado Coração e um professor leigo que se dirigiam para a escola católica João XXIII, ambas no centro de Porto Príncipe (capital do Haiti), foram raptados na passada sexta-feira por um gangue que está neste momento a exigir à Igreja Católica do Haiti elevados resgates para libertá-los,

A Loucura do Bem Comum

A Loucura do Bem Comum novidade

O auditório está quase cheio e no pequeno palco alguém inicia a conferência de abertura. Para me sentar, passo frente a quem chegou a horas e tento ser o mais discreta possível. Era o primeiro tempo do PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) de 2024 na Fundação Gulbenkian. O tema “Modelos de escuta e participação na cultura” desafiou-me a estar e ganhei esse tempo! [Texto Ana Cordovil]

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This