Exposição Hergé

Um hino à liberdade e à aventura

| 26 Nov 2021

A réplica da nave da viagem à Lua de Tintin, nos jardins da Gulbenkian, em Lisboa. Foto © Miguel Marujo.

 

A exposição Hergé, que está patente na Fundação Calouste Gulbenkian, tem merecido a atenção de um público numeroso de várias gerações, atraído pela criatividade do fundador da escola da “linha clara”, pela lembrança das aventuras que povoaram a nossa infância e pelos mais jovens, animados pela versatilidade, pela cor, pelo movimento e pela imaginação. Se houve quem quisesse invocar sobretudo as características de outro tempo e as referências ultrapassadas na mentalidade e nas recordações (Tintin au Congo), a verdade é que só o desconhecimento da evolução das aventuras do jovem repórter Tintin pôde ficar-se por estereótipos ultrapassados, incapazes de compreender a evolução da obra. Puro engano. 

Apesar das vicissitudes da vida do autor e da sua vida atribulada num país em guerra, o certo é que como muitos autores absolutamente insuspeitos, como Jean Luc Marion ou Michel Serres, consideraram Hergé como um dos autores que mais influenciaram a moderna Banda Desenhada, no sentido de a tornar uma Arte maior, ao lado de outras Artes e da sua dinâmica, numa encruzilhada da literatura, da ilustração, das artes plásticas, do cinema e da expressão digital. Já no domínio político e da defesa das liberdades e da democracia O Ceptro de Otokar, saído a lume nas vésperas da Segunda Guerra e no tempo perigoso da ascensão das ditaduras, é uma referência essencial de denúncia do terror que dava passos inquietantes, ou não fora o inimigo, nas aventuras passadas no pequeno país imaginário da Sildávia, um militar sinistro chamado Musstler, cujo nome ligava as mais sinistras referências do nazi-fascismo. E, num mundo que antecipava a generalização das viagens ao encontro de outras culturas, Tintin irá simbolizar ainda um novo tempo histórico e um novo espírito.

As primeiras referências, algo ingénuas (como o País dos Sovietes), irão tornar-se esteio de uma evolução exigente que influenciará decisivamente a Banda Desenhada, ou as histórias de quadradinhos (E. P. Jacobs, Schuiten, Enki Bilal…), como verdadeira Arte, simbolizando a modernidade. Se nos lembrarmos como a cultura pop marcou a expressão criativa das correntes artísticas do século XX e do século XXI a evidência fica claramente demonstrada com Hergé. A presença da tela de Andy Warhol na exposição e a curiosidade de Hergé pela arte contemporânea são evidentes e demonstram como a BD reúne e articula diversas formas de criação: a imagem que recorda o cinema e as suas técnicas, a literatura realizada através de uma ligação entre a ficção e a realidade – como prazer puro – o realismo e o surrealismo estão presentes e o diálogo entre o Oriente e o Ocidente é bem demonstrado em O Lótus Azul, obra genial continuada em Tintin no Tibete, através do sublime elogio da amizade, do respeito mútuo e do espírito de aventura. 

Mas cabe ainda recordar duas pessoas, a merecerem a nossa atenção – o padre Abel Varzim e Adolfo Simões Müller. O padre Abel Varzim, heroico defensor da liberdade e da justiça social, quando frequentava a Universidade de Lovaina nos anos trinta, teve a intuição de compreender as virtualidades de um novo autor e de uma nova Arte, que já tinha cultores pioneiros entre nós, como Cottinelli Telmo, Emmérico Nunes, Júlio Resende ou Carlos Botelho. Adolfo Simões Müller, jornalista, pedagogo e escritor, foi quem acolheu e celebrizou Tintin, a partir de 1936 em O Papagaio. 

Numa palavra, Hergé permite vermos o nascimento de um novo modo de pôr em contacto culturas, artes, experiências num mundo em mudança, em que passado e futuro se encontram… Um foguetão e um complexo telescópio juntam-se à colaboração singular entre Tintin e seu amigo Tchang…  E assim se fazem a vida e o futuro.

Guilherme d’Oliveira Martins é administrador executivo da Fundação Calouste Gulbenkian

Hergé
Exposição na Fundação Calouste Gulbenkian
Até 10 de janeiro de 2022
Segunda, Quarta, Quinta e Domingo, 10h-18h
Sexta e sábado, 10h-21h
Encerra à terça-feira

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This