Filme argelino vence Festival de Avanca

Um hino às mulheres que lutam contras as injustiças

| 2 Ago 2022

soula filme do argelino Issaad Salah

Soula é a história verídica de uma mãe solteira excluída da família, vítima de preconceitos e coragem para ultrapassar tabus e medos: “Um hino para todas as mulheres que se levantam contra as injustiças”, avança a produção.

 

O filme Soula, do argelino Issaad Salah (2021/França/Argélia) foi o grande vencedor do 26º Festival Internacional de Cinema de Avanca, cujo encerramento aconteceu no passado domingo. O júri distinguiu Soula como a melhor longa-metragem e, também, com o prémio para a melhor Fotografia (Arthur Fanget).

Nesta obra, o argumento mistura-se com a realidade, a história verídica de uma mãe solteira excluída da família, vítima de preconceitos e coragem para ultrapassar tabus e medos. “Um hino para todas as mulheres que se levantam contra as injustiças”, adianta a produção. O filme já foi distinguido pela Cinemateca Africana e Instituto Francês, durante o Final Cut, em Veneza.

“O prémio foi ao encontro das preocupações desta edição, ou seja, os deslocados e marginalizados a viverem nas franjas da sociedade. Sem ser um festival temático, o tema pairou durante o certame e só foi possível de organizar porque existe uma rede muito ligada e oleada, capaz de superar dificuldades, incertezas, uma grande equipa de voluntários. Sem eles, o festival não seria possível de realizar”, reconheceu, ao 7MARGENS António Costa Valente, director dos Encontros  Internacionais de Cinema, Televisão, Vídeo e Multimédia.

Receberam menções especiais as longas-metragens Make-Believers, de Kenjo McCurtain (Japão) e Viagens em Cabeças Estrangeiras, de António Amaral (França) cuja obra recebeu, também, o prémio de Melhor Realizador e Melhor Actor, atribuído a Julien Darney. O prémio Curta-Metragem foi entregue ao filme Toutes les Nuits, de Latifa Said (França) igualmente distinguida com o prémio de Melhor Argumento, enquanto a curta-metragem Without You, do italiano Sergio Falchi, recebeu uma menção especial.

Na longa lista de prémios consta, ainda, a curta-metragem de Espanha Sorda, de Eva Libertad/Nuria Munoz (Melhor Som e Melhor Actriz, atribuído a Miriam Garlo), enquanto o prémio de animação foi atribuído a Aquamation, de Ho-yueh Chen (Taiwan). O filme Soula, de Salah Issaad (Argélia) e a curta-metragem Sorda, de Nuria Muños/Eva Libertad (Espanha) foram também os vencedores do prémio D. Quixote da FICC, instituído pela Federação Internacional de Cineclubes.

O prémio Estreia Mundial Longa-Metragem foi atribuído a José Luís Espinosa, O Espião, de Alfonso Palazon (Portugal) que, recebeu também o Prémio Competição Avanca, e o prémio Estreia Mundial foi atribuído a A Espuma e o Leão, de Cláudio Jordão.

Nos prémios Televisão, o documentário Nturudu/Um Carnaval sem Máscara, de Arlindo Camacho (Portugal), filmado na Guiné-Bissau, venceu o prémio da respectiva categoria, enquanto os filmes Espejismos (Miragens) de Alfonso Palazon (Espanha) e No País de Alice, de Rui Simões, receberam, respectivamente, uma menção honrosa. O prémio Estreia Mundial Televisão foi atribuído a Homebound, de Ismail Fahmi Lubis (Indonésia).

Por último, o filme Rapariga com um Espelho, de Nuno Dias, foi distinguido com o Prémio <30, destinado a realizadores com menos de 30 anos, e o filme de animação O Antiquário, de Manuel Matos Barbosa, foi distinguido com o Prémio Sénior. “É uma reflexão sobre a nossa vivência humana e onde ainda existe preconceito entre as relações entre as pessoas do mesmo sexo. A sociedade ainda não evoluiu o suficiente para encarar de frente esta questão”, reconheceu ao 7MARGENS o laureado realizador, autor de vasta filmografia no domínio do cinema de animação.

No fecho de mais uma edição, o Festival prestou homenagem às diversas pessoas e instituições que, desde a primeira hora, abriram as portas ao certame, desde a Escola Egas Moniz/Agrupamento de Escolas de Estarreja, até à Paróquia de Avanca, passando pelos diferentes executivos do Poder Local, e não esqueceu o apoio dos voluntários de diferentes nacionalidades, que contribuem decisivamente para a máquina do certame. Entre aqueles que marcam presença, contam-se o grupo de jovens e os professores Rui Nunes, Jorge Ramalho e Paulo Martins, docentes da Escola Profissional do Vale do Rio (Oeiras) que, têm a seu cargo não só a cobertura do certame, como entrevistas, gravações das apresentações de livros, transmissão via streaming e outras plataformas digitais. ”É uma semana de intenso trabalho e uma óptima experiência”, referiu Paulo Martins.

O ambiente foi sempre de festa: no salão paroquial e enquanto várias pessoas eram alvo de tributo, ouviu-se a Banda Musical de Antuã; no encerramento, pairou o convívio entre os diferentes realizadores, gente do cinema vindos de diferentes países e geografias.  Para se ter uma ideia aproximada do Avanca 2022 bastará referir que foram exibidos 135 filmes de diversos formatos e 30 obras tiveram a sua estreia mundial.

“O Festival decorreu conforme estava planeado. Realizaram-se várias conferências, apresentações de livros, exposições, oficinas e workshops de criação artística e deu-se continuidade ao projecto Cinema/Escola. Foi mais uma edição de sucessos”, afirmou António Costa Valente, que agora só espera que as instalações do Cineclube de Avanca, em obras há mais de 20 anos por falta de financiamento e apoio por partes das entidades públicas (leia-se, Câmara Municipal de Estarreja e outros organismos com responsabilidades neste dossiê) decidam incluir nos seus orçamentos a referida empreitada. “Já não é sem tempo”, concluiu.

 

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto novidade

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase pode ser desconcertante, ainda para mais vinda de uma historiadora. Neste caso, de Irene Pimentel, premiada investigadora do Instituto de História Contemporânea. Mas, então, valerá a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? Depois do “périplo” que já fez por inúmeras escolas secundárias do país, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala esta sexta-feira, 27 de janeiro, Irene Pimentel tem a certeza de que sim.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade novidade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This