Memória e Esperança mobiliza gestos

Um inusitado toque de sinos, um minuto de silêncio, uma árvore plantada pelo Presidente

| 22 Out 2021

Um voto no Parlamento, uma árvore a plantar pelo Presidente da República domingo à tarde no fecho da Jornada e um minuto de silêncio para ser cumprido também domingo, às 14h, por quem assim o entenda. Gestos da Jornada de Memória e Esperança que mobiliza neste fim-de-semana milhares de crianças, jovens e adultos por todo o país.

Fátima, 2020

Fátima em 2020, em tempo de pandemia, sem peregrinos: neste sábado, os sinos da basílica tocarão uma melodia diferente das habituais, para homegaear quem morreu. Foto © Santuário de Fátima

 

Um inusitado toque a finados dos sinos da basílica de Fátima é um dos gestos que marcará a Jornada de Memória e Esperança, que decorre neste fim-de-semana em todo o país. A este toque – os sinos da basílica tocam normalmente os tons festivos –, juntar-se-ão pelo menos os sinos das igrejas das dioceses de Braga, Bragança e Santarém, e várias outras pelo país fora.

Esta será uma das manifestações colectivas e unificadoras que se viverão no país e marcarão a jornada lançada no início de Julho, através do manifesto Jornada de Memória, Luto e de Afirmação da Esperança.

Na Mesquita de Lisboa, a comunidade islâmica associa-se também através de uma oração nesta sexta-feira, 22, às 14h. Várias igrejas evangélicas e protestantes, bem como a Comunidade Judaica também anunciaram momentos especiais de evocação das vítimas ou de afirmação da esperança durante este fim-de-semana.

No domingo, a comissão promotora da iniciativa propôs que às 14 horas, cada pessoa, independentemente do lugar onde esteja, possa fazer um minuto de silêncio em memória das vítimas da pandemia e em reflexão sobre uma sociedade ser mais solidária.

Na manhã em que centenas de iniciativas em todo o país dão início à Jornada da Memória e da Esperança, o plenário da Assembleia da República aprova um voto de solidariedade e felicitação pela convocação desta jornada.

Antecedendo essa aprovação, o presidente da AR, Eduardo Ferro Rodrigues, recebe em audiência uma delegação representativa dos 100 promotores da jornada que assinaram o manifesto inicial. A delegação, que será recebida às 11h30, é constituída pelo juiz conselheiro jubilado Álvaro Laborinho Lúcio, pela médica Isabel do Carmo, o jornalista Jorge Wemans e Evelina Ungureanu, estudante de Comunicação. O texto de congratulação deverá ser votado perto do final do plenário, depois do meio-dia.

Já no domingo, a partir das 17h, decorre nos jardins da entrada principal do Hospital de Santa Maria uma cerimónia de plantação da Árvore da Memória (um carvalho), seguida de largada de pombos. Este acto conta com a presença do Presidente da República, que desde o início deu o seu alto patrocínio à iniciativa.

Antes deste acto no Hospital, o jardim diante do pavilhão 1 do Estádio Universitário de Lisboa será o cenário para plantar a Árvore da Esperança, assinalando o local onde funcionou o hospital de campanha e um centro de vacinação contra a covid. Ambos os momentos são de acesso livre a todas as pessoas que queiram participar e neles participam as bandas de música da Carris e de Marvila.

Estes três dias contam já com mais de centena e meia de realizações por todo o país, em diferentes âmbitos: murais, vigílias, recolha de textos, instalações artísticas, músicas, velas, plantação de árvores, toque de sinos, minutos de silêncio – haverá de tudo um pouco por iniciativa de escolas, associações, instituições de solidariedade social, comunidades religiosas ou autarquias. O leque de iniciativas está organizado por distritos e disponível no site dedicado à jornada.

Ainda no domingo, a partir das 11h no Rossio, em Lisboa, as bandas da Força Aérea e da Armada encherão a praça com música em homenagem às vítimas da pandemia e pela Esperança num país mais justo, mais fraterno e mais marcado pela igualdade.

Esta iniciativa conjunta da comissão promotora da Jornada da Memória e da Esperança e da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, teve a adesão imediata das duas bandas. No acolhimento da cerimónia usarão da palavra o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, e um membro da comissão promotora.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This