Cinema

Um lamento de sangue e beleza

| 31 Mar 2023

Toda a Beleza é carnificina

“A artista abre o filme declarando que não teria sobrevivido até aos dias de hoje, não fossem os seus amigos. Toda a sua obra é uma imensa homenagem às pessoas que compuseram essa comunidade multiforme e vital na vida de Goldin.” Foto: Trailer do documentário Toda a Beleza e a Carnificina.

 

Já não ia ao cinema há muito e, inesperadamente, o filme falou-me de um certo homem, Lázaro, e de duas irmãs, Maria e Marta.

Toda a Beleza e a Carnificina é um documentário de 2022 da realizadora Laura Poitras, que nos leva a percorrer vários períodos da vida e obra da fotógrafa Nan Goldin (1953).

A par desse percurso, vamos também acompanhando o seu ativismo em defesa das vítimas da crise dos opiáceos e a luta incansável pela responsabilização moral e criminal da família Sackler, detentora da farmacêutica que produziu e promoveu a venda massiva de um opiáceo altamente viciante, sob a falsa premissa de este não causar dependência.

A artista abre o filme declarando que não teria sobrevivido até aos dias de hoje, não fossem os seus amigos. Toda a sua obra é uma imensa homenagem às pessoas que compuseram essa comunidade multiforme e vital na vida de Goldin.

Em 1989, inaugura-se a primeira exposição com a curadoria de Nan Goldin, uma mostra que a artista concebeu enquanto denúncia à epidemia de sida e ao modo como alguns políticos e autoridades religiosas bloqueavam as medidas de prevenção da infeção e de destigmatização das pessoas infetadas e doentes.

A sua comunidade estava a morrer.

Ali também se vela, se sofre, se revolvem as entranhas com a injustiça, escrevem-se cartas iradas, chora-se muito.

Nas manifestações dos afetados pela crise dos opiáceos, em que Goldin participa, contam-se as histórias das vidas que se perderam, vítimas da ganância sem fim.

Descobrem-se novos amigos, em laços feitos de perda e de uma esperança inquebrantável de que a justiça vem, mesmo que se demore, e a violência do mundo pareça levar a melhor. Lutam para que o nome Sackler deixe de estar associado à filantropia e para que o seu sofrimento possa ser reconhecido, dando prioridade às vítimas. Encenam die-ins nos museus, uma ação de protesto que procura chamar a atenção para as centenas de milhares de mortos, em resultado do opiáceo.

A propósito da morte de Lázaro, Debie Thomas sugere-nos que, ouvindo um Jesus que chora a morte do seu amigo, nos indaguemos sobre o poder transformador do nosso lamento e pesar.

Pode a força da mágoa levar-nos à justiça?

No caso dos companheiros de travessia de Nan, houve consequências para o seu lamento; não no plano dos tribunais, mas Nan e os companheiros comemoram a sua vitória quando vários museus deixam de exibir o nome da família Sackler nas suas galerias e se recusam a que esta os financie.

O trabalho de Nan Goldin é também uma reflexão sobre pertença e família, encontrando sustento no amor que cuida até ao fim, em amigos que se aconchegam como podem e ex-amantes que voltam para cuidar dos moribundos, marcando presença nas despedidas.

A fotografia de Goldin vai procurando registar a verdade, uma verdade feita da vida que se dá pelos amigos.

A história da artista é ainda a história de duas irmãs que se tiveram de separar demasiado cedo, mas cujo diálogo continua, tecido a memórias, algumas fotografias, pedaços de textos e poemas. Uma conversa em que Nan procura a irmã na sua própria história e esta, tendo vivido tão pouco, não consegue deixar-se morrer; é como se respondesse a um chamamento.

“Creio que Deus pode e trará de volta à vida tudo o que está morto, enterrado, esquecido e fervilhando dentro de nós: feridas antigas, corações endurecidos, dependências obstinadas, medos ferozes. Acredito que Deus está sempre e em toda parte empenhado em nos tornar mais plena e abundantemente vivos — vivos para amar, vivos para esperar, vivos uns para os outros, vivos para a Criação.”  (Debie Thomas)

Mistérios do amor.

 

Toda a Beleza e a Carnificina

Título original: All the Beauty and the Bloodshed
Documentário, 122 min
EUA, 2022
M/14

 

Sara Leão é mediadora educativa e formadora de Português Língua Estrangeira.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This