Crónicas de Ana Sofia Brito

Um livro da rua e do 7Margens

| 16 Dez 2021

Guilherme Limão, Ana Sofia Brito

A capa do livro Em Breve, Meu Amor, de Ana Sofia Brito, com ilustração de Guilherme Limão, Retrato em diluição #1, acrílico sobre tela, 2021.

É um livro que começou no primeiro confinamento ditado pela pandemia, em Março de 2020. Ana Sofia Brito aproveitou os dias sem sair de casa para vasculhar todos os seus cadernos e papéis. Rasgou muito do que lhe entulhava as gavetas, mas também aproveitou muito – nas suas palavras, o que achava decente. O convite para escrever para o 7MARGENS e o encorajamento aí recebido levaram à ideia de um livro.

É desta forma que a editora On y va, que publica o livro Em Breve, Meu Amor, de Ana Sofia Brito, descreve como apareceu a obra que será apresentada esta sexta-feira, em Albufeira (19h15, Biblioteca Lídia Jorge) e na próxima segunda-feira, 20, em Lagoa (19h30, Biblioteca Municipal). A apresentar o livro estará o editor dos textos da secção Entre Margens, José Centeio.

A colectânea de crónicas reúne “textos que vão do puro manifesto à prosa poética, mas todos têm algo próximo da autora”, lê-se ainda na apresentação do livro: “o amor, a família, os amigos, as viagens ou práticas que fazem parte dos seus dias.”

Ana Sofia Brito, nascida em Albufeira, em 1983, começou a fazer teatro aos 16 anos na companhia Os Guizos, iniciando-se na mesma altura, como artista de rua, com números de circo.

Frequentou a escola de circo do Chapitô, em Lisboa, estudou Serviço Social em Coimbra, antes de regressar a Albufeira com 21 anos. Na sua cidade colaborou durante mais de uma década com a companhia CTC, incluindo no Festival T.

Em 2014 foi para a Moveo, em Barcelona, estudar teatro físico, compondo a sua primeira peça de palco, O Grito. No ano seguinte levou o seu espectáculo Internal Flame numa digressão por festivais universitários da Índia.

Nos últimos cinco anos, entre outras actividades, passou pelo programa televisivo Got Talent Portugal (foi semifinalista), estudou música e escrita criativa, participou em várias peças como actriz e criou o seu segundo espectáculo de palco a solo, Aurora, que completou cerca de 370 representações em todo o país.

José Centeio recorda ter ficado seduzido por uma entrevista de Ana Sofia Brito sobre a arte de rua. “Senti estar perante alguém especial, de uma grande humanidade, de uma delicadeza assertiva, à procura do seu lugar neste mundo, sem, contudo, se sentir perdida.”

Desafiando a artista a escrever para o 7MARGENS, a resposta veio rápida e positiva. O livro, que inclui várias crónicas publicadas neste jornal, incluindo a primeira, “Arte de rua: amor e brilho no olhar” (agora com o título “A rua”), “revela uma escrita impulsiva”, de alguém que se revela como um “saltimbanco da vida – ou não fosse ela dada às artes do circo”, diz José Centeio.  

Ana Sofia Brito “tem mundo dentro dela, transporta consigo as experiências que viveu”, diz ainda o responsável pelos textos de opinião do 7MARGENS, e que “moldaram e moldam a sua forma de olhar o mundo”, dando voz a um outro mundo em que “a família, os amigos, o amor, os lugares, o encontro com a diferença, a proximidade com o outro, são marca de quem tudo quer sorver de um só trago, não vá a vida traí-la e deixar-lhe o vazio do não vivido ou da oportunidade perdida”.

Este é o segundo livro de diferentes autoras que inclui crónicas do 7MARGENS. Sara Jona Laísse, colaboradora moçambicana do nosso jornal, publicou há um ano o livro Entre Margens, que recolhe crónicas suas, a maior parte das quais foram aqui publicadas.

 

“Romper a espiral da violência” é uma opção, garante o Papa

Segundo dia na RD Congo

“Romper a espiral da violência” é uma opção, garante o Papa novidade

“Esengo – alegria!” Assim iniciou Francisco a sua homilia na missa da manhã desta quarta-feira, 1 de fevereiro, que decorreu no aeroporto Ndolo, em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (RDC). E a mesma palavra descreve na perfeição o ambiente que se viveu do início ao fim da celebração. Um ambiente pleno de cor, música e dança, em que ressoou a mensagem do Papa: sim, a paz é possível, se escolhermos “romper a espiral da violência”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This