Um livro que nos ajuda a resistir

| 30 Jan 2021

Nas margens da Filosofia (XXIX)

 

Esquirol, capa Resistência ÍntimaUm dos aspectos positivos (se é que os há) desta pandemia é o facto de termos tempo para ler, escrever e pensar sem o stress habitual. E um dos livros que mais apreciei enquanto confinada foi A Resistência Íntima. Ensaio de uma filosofia da proximidade, de Josep Maria Esquirol.[1]

No prefácio que escreveu para esta obra, José Tolentino Mendonça classifica-a como “um livro que morde”, recorrendo ao vocabulário kafkiano. Na verdade, Esquirol interpela-nos de um modo simultaneamente próximo e distante. Próximo porque parte de uma situação da qual todos somos filhos – as marcas deixadas pelo niilismo nitzscheano no tecido da filosofia. Distante porque a sua compreensão exige o domínio de muitos autores que, de Heráclito a Patochka, são invocados como parceiros de diálogo, ajudando-nos no regresso à “Casa do Ser” na tentativa de recuperar a simplicidade da vida.

Numa obra de iniciação ao estudo da filosofia, Ortega y Gassett referiu-se à clareza como sendo a cortesia dos filósofos.[2] Não podemos dizer que Esquirol neste seu livro seja cortês. Mas é sem dúvida generoso por nos considerar parceiros de um diálogo onde a filosofia é reorientada para caminhos de resistência, desembocando no território do que é íntimo e próximo de nós. Numa palavra, que reaproxima a filosofia da vida, dando-lhe um sentido e combatendo o desespero.

A Resistência Íntima estrutura-se em três momentos, a partir dos quais se organizam, com peso desigual, dez capítulos. Entramos nele por meio de referências familiares – o prato na mesa, o azeite, o pão, o cozido, o cuidado – imediatamente contrastados com o cenário niilista que ocupa todo o primeiro momento desta obra. Nela somos convidados à proximidade que anula a solidão; à assunção de que viver é resistir; ao desafio de superar uma realidade que se nos opõe; à tentativa de ultrapassar a ameaça de desintegração, provocada pelo meio circundante e por nós próprios.

O tema da resistência é encarado na sua dimensão política e existencial, como luta em prol de algo em que se acredita e que nos leva a combater, usando as armas da memória, da imaginação e do sonho. A ele se contrapõe uma filosofia da proximidade, mergulhada na vida, no quotidiano, nos outros e na tentativa “de compreensão do pano de fundo da existência humana.” (p.19).

J.M. Esquirol fala-nos de resistência como sendo o traçar de um mapa, sustentando que “enquanto mapeamos há uma parte do terreno que vai desaparecendo.” (p. 23). Daí a pertinência de uma revisitação do niilismo nietzscheano, esse processo que permitiu ao filósofo alemão experimentar uma total desintegração, constituindo-se como primeiro degrau para a compreensão da civilização ocidental. Note-se que esta proposta não convence Esquirol, que a ela contrapõe uma filosofia da proximidade.

Os sentimentos de angústia, de insónia e de noite são revisitados pela mão de diferentes filósofos e teólogos, todos eles incapazes de encontrar “o suporte que sustenta a lábil vida.” (p. 33). Urge regressar à origem, ao caminho que nos permita clarificar o mistério da existência. E o segundo momento é-nos introduzido pela mão de Voltaire, na figura de Cândido a cultivar o seu jardim. Este é o limiar apresentado, de um modo introdutório, a um regresso a casa, ao elogio do quotidiano, ao cuidado de nós próprios e dos outros, à demarcação da actualidade.

Giorgio Bassani, O Jardim dos Finzi ContiniCultivar um jardim é delimitar um espaço que é nosso, é plantar, cavar, fazer crescer. No jardim aproximamo-nos da terra com a qual nos reconciliamos pelo trabalho das nossas mãos. O jardim pode também ser a nossa casa – lembro o romance de Giorgio Bassani, O Jardim dos Finzi Contini [3], magnificamente adaptado ao cinema por Vittorio de Sica. Perante o avanço do fascismo em Itália, é no jardim de uma família judia de Ferrara que a vida consegue manter o seu ritmo normal.

Para Esquirol, o jardim e a casa representam uma resposta possível à desagregação niilista com que Nietzsche nos ameaça. A casa protege e favorece a intimidade, permite o segredo existencial que alimenta e orienta, faculta a hospitalidade e o gesto de acolhimento. O autor encara a casa como substituto de uma metafísica da substância pois ela é um lugar de abrigo e de cuidado. E compara-a aos braços de uma mãe, ao primeiro berço que nos envolve e acolhe, ao lugar onde se desenrola a nossa vida – o capítulo quarto deste livro tem precisamente como título: “Elogio da quotidianidade: quão simples que é a vida.”

Imaginando uma conversa entre um ser humano e uma criatura angélica, J.M.E. sustenta que esta seria particularmente tocada se lhe falássemos da simplicidade da nossa vida. E convida-nos a recusar o extraordinário e a aceitar os aspectos positivos da repetição e da rotina, valorizando a proximidade. Com esta atitude demarca-se de Heidegger, para quem a quotidianidade é sinal de mediania. A assunção da nossa existência mergulha no assumir do quotidiano e alimenta-se com a proximidade das coisas e dos outros, através do cuidado: “acompanhar e cuidar são expressões da proximidade.” (p. 58) Não podemos, no entanto, esquecer que na Carta sobre o Humanismo Heráclito é apresentado na banalidade quotidiana de alguém que se aquece junto ao forno.

De igual modo, Hannah Arendt é revisitada ao apresentar-nos a necessidade do trabalho, embora a importância dos gestos quotidianos seja por ela esquecida. Contudo, segundo Esquirol, é a concretude que nos torna próximos do mundo e nos permite compreendê-lo através “das mãos que pegam e tocam; dos odores que sentimos e das cores que vemos.” (p. 61). Daí o elogio da articulação entre contemplação e trabalho, à maneira das ordens monásticas e das profissões humildes, entendidas como “ofícios sábios, da sabedoria do gesto moldado pela passagem dos dias” (p. 63). O senso comum e a linguagem corrente não se identificam com a banalidade pois são elementos constitutivos da criação. E Franz Rosenzweig é chamado à pedra para um regresso à vida e às exigências do quotidiano – “voltar ao dia à dia é voltar à vida” (p.66). Uma atitude que nos reorienta para a valorização do cuidado.

O médico e o enfermeiro ocupam um lugar central no capítulo quinto, intitulado “Breve Meditação Médica.” Esquirol recorda as personagens do Dr. Rieux, n’A Peste de Camus e de Gerasim, o humilde criado que faz as vezes de enfermeiro no romance de Tolstoi A Morte de Ivan Ilitch. Ambos são agentes da firmeza, da verticalidade e do equilíbrio que deveriam presidir à condição humana, mas que vemos ameaçados na doença. Ambos são condições essenciais para que a saúde se mantenha.

Lembremo-nos de que o termo latino salus, tanto significa saúde como salvação. A enfermidade é injusta porque ameaça o equilíbrio devido à condição humana. Daí a proximidade entre o médico e o filósofo, assinalada na última parte do capítulo, intitulada “Quando cuidar ensina a pensar.” As tarefas do médico e do enfermeiro implicam proximidade, ajudam o doente a resistir perante “as forças entrópicas que atacam e assediam a vida humana.” (p. 78).

O mesmo acontece com o filósofo ao instruir e cuidar das mentes. Mens sana in corpore sano é o desiderato que o autor não menciona, mas que se ajusta às preocupações que assinala. E uma delas diz respeito à “actual medicalização da vida” (p. 79), uma situação que leva a uma maior ênfase dada aos tratamentos farmacológicos e mesmo cirúrgicos, esquecendo que a íntima relação corpo/mente exige uma atenção a ambos os factores.

Mens sana in corpore sano é o desiderato que o autor não menciona, mas que se ajusta às preocupações que assinala.” Foto Rima Kruciene/Unsplash

 

Cuidar da alma ou cuidar de si é uma tarefa que nada tem de narcísico pois implica uma relação com o outro e uma atenção à sua vulnerabilidade. O “si-mesmo” demarca-se do “si-impessoal” porque é solidão, inquietude e também solicitude perante os outros. A experiência do si mesmo valoriza o singular e o único de cada pessoa, mergulha nos gestos do quotidiano e exige reflexão. Pensar e escrever são actividades que nos transformam carecendo de solidão e de distanciamento, são actividades que custam e que por vezes perturbam, o que nos lembra a frase lapidar de Fernando Pessoa: “Pensar incomoda como andar à chuva”.[4]

Pensar é tomarmo-nos a nós próprios como companhia. Ao falar-nos do que é pensar, Esquirol revisita o “si mesmo” sartreano e a liberdade condicionada pelos limites do nosso corpo, da nossa mente e do nosso ser com os outros. Porque a liberdade do “si mesmo” é justamente devida ao condicionalismo do outro. Somos intimidade mas somos também relação. O que implica fortaleza de espírito, ou seja, capacidade de resistir, de aguentar e de combater, evitando a desmesura, o consumismo e a tristeza. Há que perceber que a salvação reside na reunião e na proximidade. Por isso, cuidar de si não é uma atitude egoísta, mas sim um primeiro passo para a transformação do quotidiano.

Esquirol critica o dogmatismo da actualidade, nomeadamente a ideologia tecnocientífica. Pela mão de Montaigne e de Pascal convida-nos ao reconhecimento humilde do muito que ignoramos, à desconfiança do que consideramos ser actual, à escolha selectiva da informação. A rede anula a intimidade e a possibilidade de escolha. Urge “dizer não em nome da liberdade e da integridade combatendo a ameaça da desintegração.” (p.106). Tal como nos propõe Ernesto Sabato, há que resistir encarando o abismo pois a verdadeira vida coloca-se lateralmente, para além da actualidade. E surge o terceiro e último momento a que o autor chamou “O suor subatómico da água.”

Este título insólito refere-se à hipotética devastação do universo, provocada pela radiação de um buraco negro que se engoliria a si mesmo, ao mundo e a todos os seus habitantes. Contra essa aniquilação, a religiosidade aparece como resposta esconjurante. Esquirol recorre a Freud e à génese por ele traçada do sentimento religioso, considerando este como consequência de uma experiência de desamparo e do consequente desejo de um Pai.

Mais tarde, Hadot falará da função consoladora do sentimento de “pertença a um Todo cósmico e ao conjunto da comunidade humana.” (p. 115). O Todo permite a integração dos singulares mas a consciência dessa união não cala a angústia nem responde à exigência humana de procurar um sentido. A linguagem, na sua dupla dimensão de rogar (pedir) e de interrogar, expressa o movimento da existência. Mas mais do que nomear e descrever, ela informa, comunica e cria um mundo. O diálogo é contacto, companhia e também celebração.

“… ultrapassar o provisório, o precário e o vulnerável, mostrando a condição humana como articulação, junção e sutura…” Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor

 

Num contraste com as linguagens da poesia e da música, a ciência é objectiva e informativa. Como tal, não basta para alcançarmos o sentido das coisas. Esquirol não se contenta com a transmissão das mensagens. Recorrendo a Lévinas valoriza a dimensão relacional, que este apelida de ética e que se revela na proximidade de um rosto, no toque de uma carícia, na valorização do quotidiano. A fala é importante porque estabelece relações. Há palavras originais que remetem para gestos originários de acolhimento, de amparo e de cuidado. Daí a importância da palavra “que não exibe a verdade dos factos mas que transmite o abraço da alma.” (p. 139).

O último capítulo tenta ultrapassar o provisório, o precário e o vulnerável, mostrando a condição humana como articulação, junção e sutura. A actual metafísica é uma tentativa de responder a situações limite, algo que determina a marcha da filosofia, tal como a dúvida e o espanto. O limite é o limiar, o extremo que nos é permitido alcançar enquanto seres precários e incompletos que somos. Mas o limite apela àquilo que o confina e lhe é contíguo, pressupõe o limítrofe e, como tal, é abertura para novos modos de viver e de pensar. A debilidade é uma característica essencial do ser humano que se apresenta como precário e vulnerável. A resistência surge quando o nosso esforço se orienta para manter firme uma junção: “Cada um de nós é uma sutura que pede atenção por parte dos outros.”(p.149).

Por isso Esquirol fala-nos do ajuntamento humano nas suas diferentes formas enquanto eros, ágape e philia. O pensamento relaciona e junta. Quer a fala poética quer a filosófica são tentativas de sutura. O niilismo desagregou o ser, marcando profundamente o nosso modo de viver e de pensar. Urge combatê-lo contrapondo-lhe uma filosofia da proximidade. O que implica o regresso ao primeiro momento deste livro, ou seja, ao cuidado dos outros, ao saborear dos prazeres simples, à intimidade e ao renovar da vida partilhando palavras e gestos. Deste modo será mantida “a sempre difícil e precária comunidade do nós.”(p.12). E abre-se para a filosofia uma nova (velha) estrada de resistência íntima e de proximidade.

 

Notas
[1] Josep Maria Esquirol, A Resistência Íntima. Ensaio de uma filosofia da proximidade, Lisboa, Edições 70, 2020 (155pgs.)
[2] Ortega y Gasset, Que é Filosofia?, Rio de Janeiro, Livro Ibero-Americano, 1961.
[3] Giorgio Bassani, O Jardim dos Finzi Contini, Lisboa, Quetzal, 2010.
[4] Fernando Pessoa , Poemas de Alberto Caeiro, Lisboa, Ática, 1958, p. 20.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This