O Caminho do Homem

Um livro singular, para uma leitura pausada

| 4 Set 2022

O Caminho do Homem, Martin Buber

O Caminho do Homem, Martin Buber

O filósofo austríaco Martin Buber (1878-1965) representa uma das vozes mais significativas do século XX, um século marcado por violências nunca antes vistas e, ao mesmo tempo, por um desenvolvimento humano e técnico que trouxe a Humanidade para um novo patamar de bem-estar, ainda que de uma forma muito desigual. Originário de uma família judia praticante, Buber elaborou um original pensamento filosófico em diálogo com a sua tradição religiosa, na qual a dimensão da relação (divina e humana) é colocada no centro.

O Caminho do Homem tem como origem uma conferência pronunciada por Buber em 1947 numa universidade norte-americana, na qual apresenta uma particular sabedoria judaica para a existência: a tradição do Hassidismo, que Buber aprendeu do seu avô paterno. O hassidismo propõe uma experiência sapiencial de leitura das Escrituras, expresso em breves histórias e provérbios. Com uma introdução da autoria de Manuel Duarte de Oliveira, O Caminho do Homem apresenta-se em seis passos: “retorno a si mesmo”, “o caminho particular”, “determinação”, “começar por si mesmo”, “não se ocupar de si” e “onde se está”.

A busca de uma sabedoria de vida dá-se na elaboração de perguntas fundamentais que, ao invés de causarem angústia ou perturbação, ajudam o crente a elevar o olhar para a sua vida e o seu lugar: “Em todo o tempo Deus interpela cada homem: Onde estás tu no teu mundo? Dos anos e dos dias que te foram atribuídos, já muitos passaram; até onde, entretanto, chegaste no teu mundo?” Longe de todas as ideologias ou projetos imaginários, as perguntas sapienciais situam o crente na sua relação única e singular com o Deus de Israel, que é também o Deus de Jesus. E cada um nas circunstâncias concretas da sua existência, que são o lugar único e original para servir o advento do reinado divino: “Há algo que só se pode encontrar num único lugar do mundo. É um grande tesouro: pode dar-se-lhe o nome de realização da existência. E o lugar onde se encontra este tesouro é o lugar onde se está.”

Martin Buber em Jerusalem. Foto © Boris Carmi /Meitar Collection / National Library of Israel / The Pritzker Family National Photography Collection / CC BY 4.0

 

O leitor que se abeire de O Caminho do Homem encontrará um livro singular, para uma leitura pausada, que sem dúvida terá como efeito aproximar da presença do Deus que peregrina com o seu povo. Podemos, por exemplo, encontrar esta sabedoria de vida sintetizada no seguinte relato, uma pérola de sabedoria tanto mais preciosa, quanto poucas são as palavras que a constituem: “Rabi Mendel de Kotzk dizia um dia à comunidade reunida: ‘Que é que exijo de cada um de vós? Apenas três coisas: não olhar para fora de si, não olhar de soslaio para o vizinho e não pensar em si.’ Quer isto dizer: primeiro, cada um deve preservar e santificar a sua alma no seu jeito próprio e no seu lugar peculiar, e não cobiçar o modo e o lugar dos outros; em segundo lugar, cada um deve respeitar o mistério da alma do seu próximo, abster-se de, com insolente indiscrição, o sondar e dele se servir; e, em terceiro lugar, cada um, na vida consigo mesmo e na vida com o mundo, deve guardar-se de se tomar a si mesmo como meta.”

 

O Caminho do Homem, de Martin Buber

Edição: Paulinas
88 pág., 11 euros

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This