O Caminho do Homem

Um livro singular, para uma leitura pausada

| 4 Set 2022

O Caminho do Homem, Martin Buber

O Caminho do Homem, Martin Buber

O filósofo austríaco Martin Buber (1878-1965) representa uma das vozes mais significativas do século XX, um século marcado por violências nunca antes vistas e, ao mesmo tempo, por um desenvolvimento humano e técnico que trouxe a Humanidade para um novo patamar de bem-estar, ainda que de uma forma muito desigual. Originário de uma família judia praticante, Buber elaborou um original pensamento filosófico em diálogo com a sua tradição religiosa, na qual a dimensão da relação (divina e humana) é colocada no centro.

O Caminho do Homem tem como origem uma conferência pronunciada por Buber em 1947 numa universidade norte-americana, na qual apresenta uma particular sabedoria judaica para a existência: a tradição do Hassidismo, que Buber aprendeu do seu avô paterno. O hassidismo propõe uma experiência sapiencial de leitura das Escrituras, expresso em breves histórias e provérbios. Com uma introdução da autoria de Manuel Duarte de Oliveira, O Caminho do Homem apresenta-se em seis passos: “retorno a si mesmo”, “o caminho particular”, “determinação”, “começar por si mesmo”, “não se ocupar de si” e “onde se está”.

A busca de uma sabedoria de vida dá-se na elaboração de perguntas fundamentais que, ao invés de causarem angústia ou perturbação, ajudam o crente a elevar o olhar para a sua vida e o seu lugar: “Em todo o tempo Deus interpela cada homem: Onde estás tu no teu mundo? Dos anos e dos dias que te foram atribuídos, já muitos passaram; até onde, entretanto, chegaste no teu mundo?” Longe de todas as ideologias ou projetos imaginários, as perguntas sapienciais situam o crente na sua relação única e singular com o Deus de Israel, que é também o Deus de Jesus. E cada um nas circunstâncias concretas da sua existência, que são o lugar único e original para servir o advento do reinado divino: “Há algo que só se pode encontrar num único lugar do mundo. É um grande tesouro: pode dar-se-lhe o nome de realização da existência. E o lugar onde se encontra este tesouro é o lugar onde se está.”

Martin Buber em Jerusalem. Foto © Boris Carmi /Meitar Collection / National Library of Israel / The Pritzker Family National Photography Collection / CC BY 4.0

 

O leitor que se abeire de O Caminho do Homem encontrará um livro singular, para uma leitura pausada, que sem dúvida terá como efeito aproximar da presença do Deus que peregrina com o seu povo. Podemos, por exemplo, encontrar esta sabedoria de vida sintetizada no seguinte relato, uma pérola de sabedoria tanto mais preciosa, quanto poucas são as palavras que a constituem: “Rabi Mendel de Kotzk dizia um dia à comunidade reunida: ‘Que é que exijo de cada um de vós? Apenas três coisas: não olhar para fora de si, não olhar de soslaio para o vizinho e não pensar em si.’ Quer isto dizer: primeiro, cada um deve preservar e santificar a sua alma no seu jeito próprio e no seu lugar peculiar, e não cobiçar o modo e o lugar dos outros; em segundo lugar, cada um deve respeitar o mistério da alma do seu próximo, abster-se de, com insolente indiscrição, o sondar e dele se servir; e, em terceiro lugar, cada um, na vida consigo mesmo e na vida com o mundo, deve guardar-se de se tomar a si mesmo como meta.”

 

O Caminho do Homem, de Martin Buber

Edição: Paulinas
88 pág., 11 euros

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This