Um milagre judaico de Hanuká: dois sobreviventes nonagenários do Holocausto vacinados contra a covid

| 19 Dez 20

vacina Covid-19, Hanuká, Holocausto

Lily Ebert, judia de 96 anos, sobrevivente do Holocausto, a ser vacinada contra a covid-19 quinta-feira, 17, véspera do fim do Hanuká. Foto reproduzida do Twitter do bisneto, Dov Forman.

 

Lily Ebert, judia de 96 anos e sobrevivente do Holocausto, recebeu a vacina contra a covid-19 na tarde de quinta-feira em Inglaterra enquanto o bisneto, Dov Forman, se referia ao acontecimento como um “milagre de Hanuká”.

Forman referia-se deste modo à festa do calendário judaico que, desde o dia 11 até 18 de Dezembro, celebrou a reinauguração do Templo de Jerusalém, depois de ter sido profanado pelos selêucidas sírios.

Lily Ebert, nascida na Hungria, que sobreviveu a Auschwitz, recebeu a vacina numa organização comunitária de assistência social, e instou funcionários e utentes dos serviços a fazerem o mesmo, conta o Jewish News.

O Holocaust Educational Trust, organização que promove o conhecimento sobre o Holocausto, informou que Lily se sentia óptima e estava “muito grata a todos os envolvidos”.

Uma semana antes, Eve Kugler, 89 anos, tornara-se a primeira sobrevivente conhecida a receber a vacina, de acordo com a mesma fonte.

Quinta-feira, Harry Kessler, que nasceu em 1930 e fugiu da Checoslováquia para Inglaterra, também foi vacinada. Com 90 anos, Kessler, que vive em Southport (Centro-Oeste de Inglaterra, 30 quilómetros a Norte de Liverpool), afirmou-se absolutamente encantado por ter recebido a vacina.

Em 165 a.E.C. (antes da Era Comum), Judá Macabeu liderou uma guerra de guerrilha judaica contra a ocupação dos selêucidas cujo rei, Antioco Epifânio, queria helenizar a Síria e a Judeia, tendo proibido a celebração do Shabath, a leitura da Bíblia e a circuncisão. Uma das medidas que tomou mais ultrajantes para os judeus foi ordenar sacrifícios com porcos no Templo de Jerusalém, onde também mandou colocar uma estátua de Júpiter.

Depois da reconquista de Jerusalém, os judeus purificaram o Templo e terão encontrado um pote com azeite para acender a chama sagrada durante um dia. Mas o azeite acabou por durar oito dias. E é para fazer essa memória que os judeus acendem anualmente (segundo o calendário lunar), em cada um dos oito dias, uma lamparina do candelabro de Hanuká, além de uma vela que é acesa diariamente. A festa de Hanuká, tal como o Natal para os cristãos, tem um carácter essencialmente familiar.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This