Um milagre judaico de Hanuká: dois sobreviventes nonagenários do Holocausto vacinados contra a covid

| 19 Dez 2020

vacina Covid-19, Hanuká, Holocausto

Lily Ebert, judia de 96 anos, sobrevivente do Holocausto, a ser vacinada contra a covid-19 quinta-feira, 17, véspera do fim do Hanuká. Foto reproduzida do Twitter do bisneto, Dov Forman.

 

Lily Ebert, judia de 96 anos e sobrevivente do Holocausto, recebeu a vacina contra a covid-19 na tarde de quinta-feira em Inglaterra enquanto o bisneto, Dov Forman, se referia ao acontecimento como um “milagre de Hanuká”.

Forman referia-se deste modo à festa do calendário judaico que, desde o dia 11 até 18 de Dezembro, celebrou a reinauguração do Templo de Jerusalém, depois de ter sido profanado pelos selêucidas sírios.

Lily Ebert, nascida na Hungria, que sobreviveu a Auschwitz, recebeu a vacina numa organização comunitária de assistência social, e instou funcionários e utentes dos serviços a fazerem o mesmo, conta o Jewish News.

O Holocaust Educational Trust, organização que promove o conhecimento sobre o Holocausto, informou que Lily se sentia óptima e estava “muito grata a todos os envolvidos”.

Uma semana antes, Eve Kugler, 89 anos, tornara-se a primeira sobrevivente conhecida a receber a vacina, de acordo com a mesma fonte.

Quinta-feira, Harry Kessler, que nasceu em 1930 e fugiu da Checoslováquia para Inglaterra, também foi vacinada. Com 90 anos, Kessler, que vive em Southport (Centro-Oeste de Inglaterra, 30 quilómetros a Norte de Liverpool), afirmou-se absolutamente encantado por ter recebido a vacina.

Em 165 a.E.C. (antes da Era Comum), Judá Macabeu liderou uma guerra de guerrilha judaica contra a ocupação dos selêucidas cujo rei, Antioco Epifânio, queria helenizar a Síria e a Judeia, tendo proibido a celebração do Shabath, a leitura da Bíblia e a circuncisão. Uma das medidas que tomou mais ultrajantes para os judeus foi ordenar sacrifícios com porcos no Templo de Jerusalém, onde também mandou colocar uma estátua de Júpiter.

Depois da reconquista de Jerusalém, os judeus purificaram o Templo e terão encontrado um pote com azeite para acender a chama sagrada durante um dia. Mas o azeite acabou por durar oito dias. E é para fazer essa memória que os judeus acendem anualmente (segundo o calendário lunar), em cada um dos oito dias, uma lamparina do candelabro de Hanuká, além de uma vela que é acesa diariamente. A festa de Hanuká, tal como o Natal para os cristãos, tem um carácter essencialmente familiar.

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This