Um novo arcebispo para Braga (9) – Pároco de paróquia urbana: Ultrapassar o “medo de perder”

| 10 Set 20

Celebração na Sé de Braga: “O perfil do pastor deve implicaro do rebanho.” Foto cedida pelo DACS (Departamento Arquidiocesano das Comunicações Sociais)

 

D. Jorge Ortiga foi nomeado arcebispo de Braga em 5 de junho de 1999, e solicitou a sua substituição em 2019, ao completar 75 anos. Estando para breve a sua substituição (já correm vários nomes de candidatos), e tendo em conta a importância da diocese de Braga no panorama católico português, o 7MARGENS lançou um curto inquérito sobre o perfil que várias pessoas da diocese desejariam ver para o novo arcebispo, em termos de qualidades humanas, sociais e eclesiais.

Num primeiro texto da série, recordámos o que se passou em 1999, quando a nomeação de D. Jorge Ortiga pelo Papa João Paulo II foi antecedida por uma movimentação de leigos da arquidiocese, no sentido de dizer que perfil deveria ter a pessoa escolhida.

A seguir, fica o oitavo e último depoimento, de um pároco de uma paróquia urbana da diocese de Braga que pede o anonimato.

 

Há o pastor e há o rebanho. Então, o perfil do pastor deve implicar o do rebanho. Assim:

Sobre o rebanho, implica olhar o estado da arquidiocese de Braga. O juízo mais objectivo deverá ser considerado o dos vigários e responsáveis dos diversos serviços. Apontaria alguns elementos:

Situação da economia e dos encargos existentes, que podem condicionar a acção do pastor. Se esta parte, económico-fianceira, não estiver saudável e bem consolidada, poderá tornar-se um condicionalismo grave para o futuro da arquidiocese. Terá o novo arcebispo acesso prévio ao “estado” da diocese?

Relação com os poderes instituídos: isenção ou dependência? Liberdade ou subserviência?

Relação com o clero: reinando um certo desconforto generalizado, com casos de um viver de faz-de-conta com o arcebispo, a quem a obediência é só formal e para não “dar chatices” e cada um faz como quer, devido ao constante “nim” que dura há vinte anos…

Paço Arquiepiscopal. Braga

Entrada do paço arquiepiscopal de Braga: quem será o próximo titular do cargo a franquear esta porta? Foto © Eduardo Jorge Madureira

 

Sobre o próximo pastor, atendendo a que a nossa arquidiocese se encontra muito “personalizada” em duas figuras de longo pastoreio (D. Eurico quase 22 anos como Arcebispo e D. Jorge já quase 21 anos, depois de mais de 11 como auxiliar), aponto:

 

Personalidade e Qualidades Humanas: Um bispo que esteja “maduro” na idade, não jovem (pelos 65/70 anos). Com experiência e conhecimento da realidade de uma diocese, o novo pastor pode aliar à esperança com que todos o acolherão, desejosos que estão de novidade e de abrir um novo ciclo, a experiência de caminhos já andados e que, para Braga, terão sempre o tom de novidade.

Depois de dois pontificados longos, precisamos de um “bispo de passagem” para melhor fechar um ciclo, socialmente olhado como muito positivo, mas que esconde reais e graves problemas. Um bispo com personalidade forte e corajoso (que sente que vem apenas para servir e “cortar a direito” porque não precise de “medir” as palavras e as atitudes para ser agradável e ter vida fácil). E o primeiro corte, talvez o mais difícil, é com o antecessor, certamente a viver por perto e que pode criar conflitos de afirmação, mesmo involuntários. Um homem do “sim, sim, não, não”, conforme o evangelho. Um homem que delegue responsabilidades, deixe campo aberto aos seus colaboradores e seja olhado como pessoa discreta. Um homem que pense e deixe o tempo amadurecer. Logo, sem pressas de tudo ver feito segundo o seu modelo pessoal.

 

Qualidades Eclesiais: Além de pastor, bom teólogo e homem de espiritualidade, deixe bem claro, nas palavras e nas obras, que é um servidor da Igreja Universal, fiel ao Santo Padre, certamente, mas que não se demita da sua missão de GOVERNAR. Nesta, ele tem de ser homem que cultiva a justiça e que toma decisões, ponderando-as, mas sem as adiar. Que conheça e assuma o Código de Direito Canónico, muitas vezes invocado apenas para conflitos graves e reduzido quase às causas de nulidade matrimonial. A nossa Igreja contemporânea está enferma de justiça e um governo de “agradar a gregos e a troianos” deixa sempre campo aberto para feridas e desaires escandalosos no futuro. Um bispo que acompanhe de facto os padres, sempre os seus mais directos colaboradores, e tenha em conta o conhecimento imediato que eles têm das situações na base.

 

Qualidades Sociais: Vivemos um tempo em que a dimensão profética da Igreja está um pouco esquecida. E diante de um mundo que nos impõe um estilo de vida anti-evangélico, vemos os bispos calados quando muitos membros do Povo de Deus esperam por eles na primeira linha da denúncia dos atropelos. O medo impera, aliado a uma imagem cuidada de “não fazer ondas”, porque se tem medo de “perder”. Há “alianças” com o poder ou os poderes que estão a revelar-se corrosivas para o futuro da Igreja. À imagem de Jesus, a Igreja não tem de cultivar uma imagem outra que não a de Jesus servo e pobre, sabendo que tal traz dissabores e, mesmo, martírio. O arcebispo de Braga, por natureza do cargo, terá sempre “imagem” na sociedade mediática do nosso tempo. Não deverá nunca precisar de a cultivar.

 

Até domingo próximo, o 7MARGENS publicará um trabalho sobre o processo de escolha dos bispos na Igreja Católica.

Outros depoimentos publicados nesta série: Alexandre Gonzaga (jornalista), Ana Maria Pinto (militante da LOC/Movº de Trabalhadores Cristãos), Luís António Santos (professor universitário), Deolinda Machado (professora e militante da LOC/MTC), grupo do Movimento de Apostolado de Adolescentes e Crianças de Mire de Tibães, Miguel Bandeira (professor) e grupo de Braga referenciado ao Metanoia – Movimento Católico de Profissionais.

 

O 7MARGENS encerra aqui o conjunto de reflexões sobre a sucessão no arcebispado de Braga e as observações que isso provoca em vários cristãos, quer sobre a diocese quer sobre a questão mais geral do processo de escolha dos bispos e da (não) participação das comunidades locais nessa escolha. Às 25 pessoas que, individualmente ou em grupo, aceitaram o desafio ou, perante a iniciativa, resolveram também enviar-nos as suas reflexões, agradecemos o contributo, esperando que ele possa enriquecer o debate sobre os temas surgidos.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Breves

Cardeal Tolentino Mendonça preside ao 13 de maio em Fátima

O cardeal José Tolentino Mendonça irá presidir à peregrinação aniversária de maio no Santuário de Fátima. A informação foi avançada à revista Família Cristã esta sexta-feira, 9 de abril, pelo também cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima.

Ler Saramago em conjunto num zoom de Lisboa a Roma

O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago, foi a obra escolhida para dar o mote ao encontro organizado por dois clubes de leitura, um de Roma, outro de Lisboa, que decorrerá via Zoom, dia 16 de abril, às 18h00. Uma segunda sessão, na qual participará Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, terá lugar a 25 de junho, também às 18h00. A inscrição é gratuita e está aberta a todos.

Monge condenado a dois anos de cadeia na Turquia por dar comida

O padre Sefer Bileçen, padre Aho no nome monástico, da Igreja Siríaca Ortodoxa, ofereceu comida a um grupo que bateu à porta do seu mosteiro. O Ministério Público turco disse que o grupo era do PKK e acusa-o de prestar auxílio a uma organização terrorista, como o Governo turco considera o PKK, que reivindica há décadas a independência do Curdistão.

Bênção de uniões homossexuais em debate na TSF

“Há portas que não devem ser fechadas, porque Deus é que está do outro lado dessas portas”, dizia, a terminar o debate, Jorge Teixeira da Cunha, padre e professor de Teologia Moral na Universidade Católica Portuguesa (UCP), no Porto. No programa Olhe Que Não, que passou nesta quarta-feira, 7 de abril, ao início da tarde, na TSF, com moderação do jornalista Pedro Pinheiro, discutiu-se o documento da Congregação para a Doutrina da Fé, do Vaticano, que respondia “negativo” a uma pergunta sobre se a Igreja não pode abençoar uniões homossexuais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Liberdade ou o valor das pequenas coisas novidade

Vivemos dezenas de anos cheios de momentos especiais e de benefícios que insistimos em banalizar porque estavam ao nosso alcance, diria mesmo garantidos. Era pelo menos o que pensávamos. Atualmente parece que começamos a conhecer o valor das pequenas coisas e, se assim é, estamos a aprender uma grande lição.Muitas pessoas perdem tempo (gostava de poder dizer – perdiam) com detalhes que as coisificam.

Persistência da desigualdade: O que Kuznets não viu novidade

A área das desigualdades tem um problema que muitas outras áreas da economia não têm: falta de dados. Esta situação deve-se não só ao facto de no passado não se ter registado da melhor forma, ou de todo, dados a nível de desigualdades, como também ao facto de não ser fácil aferir a realidade, por exemplo, dos rendimentos mais altos da sociedade, para chegar aos indicadores.

A necessidade de fricção na comunicação

A comunicação é a capacidade que o ser humano desenvolveu para sobreviver ao longo dos milénios da nossa existência sobre a Terra. Por isso, qualquer coisa que afecta a nossa capacidade de comunicar, afecta a nossa sobrevivência. Assim, é legítimo questionar o que os meios de comunicação estão a fazer ao nosso modo de comunicar. Não me refiro, propriamente, aos que protagonizam esses meios, como os jornalistas, mas aos meios em si, sobretudo, os mais recentes como os que encontramos nos nossos telemóveis.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This