Um outro olhar sobre Julia Kristeva: o diálogo com Jean Vanier sobre a deficiência

| 30 Out 19 | Entre Margens, Últimas

Nas margens da filosofia (X)

Julia Kristeva. Foto © Harp1980/Wikimedia Commons

 

No passado dia 10 de Outubro a filósofa Julia Kristeva recebeu o doutoramento honoris causa pela Universidade Católica Portuguesa. Foi sua “madrinha” a prof. Luísa Leal de Faria e quem desconhecesse a actividade da candidata ficaria plenamente informado da ampla gama dos seus interesses bem como da diversidade das suas áreas de investigação. De facto, J.K. é um dos nomes relevantes do pensamento pós-estruturalista contemporâneo, com uma vasta publicação em áreas como a literatura, a filosofia, a crítica literária, a linguística, a intertextualidade, a semiótica, a psicanálise, a política e a arte. Também se tem interessado pelo fenómeno religioso, mostrando como a necessidade de acreditar ocupa um lugar central nas diferentes civilizações (vj. Le Besoin de Croire, Paris, Bayard, 2007) e questionando-se sobre o papel das diferentes religiões nas nossas sociedades pós-modernas.

O meu primeiro contacto com Kristeva remonta aos anos noventa do século passado, quando li o seu romance Les Samouraïs[1]. À semelhança do que Simone de Beauvoir fizera alguns anos antes com Les Mandarins, onde escrevera sobre a vida intelectual de uma França pós-guerra, Kristeva reconstituiu o ambiente intelectual francês dos anos 60 e 70, tendo como principais intervenientes personagens facilmente identificáveis, entre as quais Barthes, Derrida, Foucault, Lacan, Philippe Sollers e ela própria. Atribuindo-lhes nomes fictícios, a autora deu-nos a conhecer o desencanto de uma geração e traçou a falência das ideologias e dos sistemas políticos.

De entre a riqueza e prolixidade da obra de Kristeva – mais de trinta livros publicados, centenas de artigos, inúmeras conferências em universidades de renome – destaco no entanto uma faceta pela qual é menos conhecida: o olhar amoroso sobre a vulnerabilidade, olhar que se expressa através da relação com David, o seu filho deficiente.

Kristeva empenhou-se na luta por uma ética que pudesse coabitar com o limite e com o impossível. Em 2005 organizou na Unesco de Paris os “Estados Gerais das Pessoas com Deficiência”, procurando reunir gente de diferentes religiões e credos políticos. Em 2009, foi publicada a sua correspondência com Jean Vanier, fundador de l’Arche, uma organização internacional que actualmente engloba 147 comunidades em 35 países e em cinco continentes. O seu objectivo é criar casas, programas e redes que integrem pessoas portadoras de deficiência.

Enquanto Vanier vê nos deficientes criaturas de Deus, Kristeva considera-os “sujeitos políticos de um humanismo a reinventar”[2]. No entanto, ambos comungam da ideia de que os deficientes são pessoas com as quais é possível fazer comunidade; ambos consideram os deficientes como uma fonte possível de amizade e de alegria. L’Arche surge como um lugar onde as relações não assentam na competitividade, um lugar onde se acolhe a diferença, onde se aprende a conviver e a ultrapassar os medos.

Para Kristeva, a deficiência ajuda a esclarecer a complexidade do humano, incitando-nos a decifrar a lógica obscura das diferentes vulnerabilidades. Por isso reclama direitos políticos para os deficientes. Conviver com a deficiência é admitir que desconhecemos o que é o ser humano, pois há uma tirania da normalidade que leva ao afastamento dos que se desviam da maioria.

Jean Vanier vê em Jesus um homem fraco, vulnerável, terrivelmente humano mas também divino. Por isso deseja uma Igreja mais perto dos pobres, dos excluídos e dos vulneráveis. A sua fé não é num Deus poderoso mas num Deus que se fez pobre e frágil. Importa assumir essa fragilidade criando possibilidades de uma convivência entre normais e deficientes, de modo a que juntos celebrem a vida.

Kristeva defende que a escuta é feita de ternura e de acolhimento. Não sendo crente, há nela uma sintonia total com a virtude cristã da compaixão. Os deficientes são marginalizados pelas suas limitações. Há que as assumir mas há também que lutar contra preconceitos, como por exemplo a resistência das empresas em contratar pessoas portadoras de deficiência, ou a vergonha das famílias, ou as atitudes de estranheza e de medo perante quem é diferente. Acolher a diferença não é fácil, pois implica a aceitação das nossas próprias fraquezas e, também, da nossa morte. Mas não podemos esquecer que viver humanamente é aceitar as fragilidades, integrando-as e estabelecendo com elas um diálogo permanente.

Através da correspondência travada com Jean Vanier, ficamos com uma visão diferente da filósofa. Os textos que dela conhecíamos mostravam-nos uma pessoa segura e assertiva, com posicionamentos inovadores em domínios complexos e ainda pouco dominados pela comunidade científica. Ao partilhar as suas angústias em Leur regard perce nos ombres, Kristeva assume-se como companheira de todos os que lidam com a deficiência (pais, cuidadores, voluntários), situando-os e situando-se no plano dos “desenraizados da certeza”[3]. Apelando para uma vulnerabilidade solidária propõe-se construir uma filosofia que dê lugar aos que não podem nem nunca poderão filosofar. Através do seu filho David, sentiu na pele o que é ser olhada pela lente da normalidade. E porque esse olhar a magoou, desafia-nos a construir uma nova forma de estar no mundo. Daí a sua proposta de um novo humanismo, no qual os deficientes sejam encarados como parceiros de diálogo. E quando tal não é possível, como pessoas que nos obrigam a repensar a fronteira da normalidade, construindo pontes e ultrapassando barreiras.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

Notas

[1] Les Samouraïs, Paris, Fayard, 1990; trad. portuguesa Os Samurais, Lisboa, Difusão Cultural, 1991.

[2] Julia Kristeva, Jean Vanier, Leur regard perce nos ombres, Paris, Fayard, 2011, p. 15.

[3] Leur regard perce nos ombres, p. 8.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Ditadura da esperteza ou psicopatia

Vivemos na era do destemor e do medo; da aceleração e da lentidão; das raivas e das guerras, mas também do desejo de paz; da ambição de conhecimento e da real ignorância sem qualquer sabedoria.

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco