Poesia de Fernando Echevarría

Um persistente exercício espiritual

| 7 Mai 2023

A capa do livro Via Analítica.

A capa do livro Via Analítica.

A poesia busca, nas suas poucas palavras, ensinar a atenção ao presente, ao mundo e ao quotidiano tal como estes se nos apresentam, antes ainda de os avaliarmos, julgarmos ou definirmos. É uma abertura que procura silenciar as distrações de que nos valemos ou as notícias por onde nos dispersamos. É neste caminho que Fernando Echevarría nos convida a colocar os nossos passos. Nascido em 1929 (e tendo morrido em Outubro de 2021, no Porto), com um percurso na filosofia e na teologia, na resistência política e no ensino da língua portuguesa, a extensa obra poética de Echevarría conta com numerosos prémios e distinções, não obstante a vida discreta do autor. 

Em Via Analítica, o poeta continua o seu percurso insistente, em ritmo diário ou similar, pela língua, pelo sentido e pelas palavras que lhe permitam manter abertos os sentidos para o mistério. Numa escrita rigorosa – em que cada palavra nos surge bem medida –, calma e pensante, Echevarría transita os caminhos que, na sua vida, o conduzem na sua busca crente e orante do Mistério: a língua, o estudo, o silêncio, os sentidos, a música, a reflexão. 

A experiência espiritual não surge aqui como algo espontâneo ou fugaz, comum hoje a tantas propostas: resulta, sim, de um exercício persistente, quase árido, em que a repetição dos conceitos se une à mensagem que pode advir de um nevoeiro ou de um retiro, de um sossego marcado pelo compasso do relógio. O leitor que aceitar o difícil e fecundo convite à escuta e leitura de Via Analítica colocar-se-á num caminho orante de profundidade, com o desejo de «ir construindo um espaço / onde fosse possível erguer uma / inteligência que sofresse o espanto».

Via Analítica
Autor: Fernando Echevarría
Edição: Afrontamento
536 págs, 22 €

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Um casal em 2024

Um casal em 2024 novidade

“A D. Georgina e o Senhor Amaro comentam o trânsito dos jovens, ele irritado: isto é gente de fora, do karaté ou lá o que é, daquelas coisas chinesas de dar porrada. Ela, rancorosa: pois, deixam-nos vir para cá para aprenderem a fazer-nos mal, deviam era mandá-los a todos para a terra dele”. Um texto de Nuno Caiado, baseado num episódio real testemunhado em Lisboa.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This