Músicas pela paz (2)

Um poema antiguerra no ocaso da União Soviética

| 19 Abr 2022

O muro Tsoi em Arbat, Moscovo, com inscrições de fãs dos Kino. Viktor Tsoi era o vocalista da banda. Foto © Superchilum, CC BY-SA 3.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0>, via Wikimedia Commons.

O muro Tsoi em Arbat, Moscovo, com inscrições de fãs dos Kino. Viktor Tsoi era o vocalista da banda. Foto © Superchilum, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons.

 

Em 1988, com as tropas da URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) ainda no Afeganistão e aproveitando a abertura cultural promovida por Gorbatchov, um grupo de rock de nome Kino lançou um álbum com o título Gruppa Krovi, que significa “Grupo sanguíneo”. O disco foi um sucesso e rapidamente chegou ao Ocidente. A banda granjeou uma grande popularidade junto sobretudo da população mais jovem da URSS, mas conheceu uma interrupção abrupta devido à morte prematura do seu vocalista, Viktor Tsoi, num acidente de viação em 1990, antes ainda do colapso da União Soviética.

A música que dá nome ao álbum possui um cunho antibelicista, na voz de um soldado mobilizado. Talvez por isso, as suas páginas de reprodução online, estejam a receber numerosos comentários relativos ao atual conflito na Ucrânia. O 7MARGENS publica a seguir uma possível tradução e, para quem aprecia este género musical, um vídeo de reprodução.

Um lugar quente
Mas as ruas esperam as impressões dos nossos pés
Poeira das estrelas sobre as botas
Uma poltrona macia, um cobertor xadrez
Um gatilho que não foi puxado na hora certa
Um dia ensolarado nos sonhos deslumbrantes
O tipo sanguíneo está na manga
O meu número de registo está na manga
Deseja-me sorte na batalha, deseja
Que eu não fique nesse mato
Que eu não fique nesse mato
Deseja-me sorte, deseja-me sorte

O grupo Kino. Viktor Tsoi é o segundo à esquerda. Foto: Direitos reservados.

O grupo Kino. Viktor Tsoi é o segundo à esquerda. Foto: Direitos reservados.

E há como pagar, mas eu não quero
A vitória a qualquer preço
Eu não quero colocar os pés no peito de ninguém
Eu queria ficar contigo
Simplesmente ficar contigo
Mas uma estrela no alto do céu me chama para seguir o caminho
O tipo sanguíneo está na manga
Meu número de registo está na manga
Deseja-me sorte na batalha, deseja
Que eu não fique nesse mato
Que eu não fique nesse mato
Deseja-me sorte, deseja-me sorte

 

Sobre a criação musical contra a guerra na Ucrânia, o 7MARGENS publicou já um texto onde se fala de uma música dos Pink Floyd e de uma outra de Pedro Abrunhosa, bem como da nova versão de Russians, de Sting.

Com essa inspiração, e sem qualquer intuito antológico ou preocupação de regularidade, o 7MARGENS chamará a atenção, nos próximos tempos, para músicas que traduzam a urgência da paz entre a Rússia e a Ucrânia, mas também em relação a outras guerras e conflitos que persistem no mundo. 

Esta chamada de atenção é aberta à participação dos leitores e leitoras do 7MARGENS: quem assim o desejar pode sugerir músicas ou partes de obras musicais que possam traduzir a importância da paz. Podem fazê-lo acompanhando a sugestão de algum pequeno texto. 

 

No regresso do Papa a África, esperam-se encontros “comoventes” e recordes de participação

31 de janeiro a 5 de fevereiro

No regresso do Papa a África, esperam-se encontros “comoventes” e recordes de participação novidade

Não foi a 37ª viagem apostólica de Francisco, como estava previsto, mas vai ser a 40ª: de 31 de janeiro a 5 de fevereiro, o Papa cumprirá o prometido e visitará a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul. Entre os muitos compromissos agendados, incluem-se dois encontros que o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, prevê que sejam “comoventes”: um com vítimas de violência, outro com deslocados internos. E a missa do dia 1 de fevereiro, no aeroporto Kinshasa-Ndolo, é forte candidata ao top dos eventos mais concorridos deste pontificado.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Murais recordam vítimas do Holocausto

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz? novidade

Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie: se a família criada por Matt Groening tivesse vivido em Itália nos anos 40 e fosse judia, teria certamente sido forçada a partir da Plataforma 21, na Estação Central de Milão, com destino aos campos de concentração de Auschwitz. Sobreviveriam? O ativista e artista pop contemporâneo aleXsandro Palombo quer acreditar que sim, mas nunca mais seriam os mesmos. Assim, para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro), retratou-os junto a essa mesma estação, num “antes e depois” que não deixa ninguém que ali passe indiferente.

Custo do palco da JMJ “magoou” responsáveis mas haverá novas conversas e pode ser reduzido

Igreja prevê gastar 80 milhões de euros à sua conta

Custo do palco da JMJ “magoou” responsáveis mas haverá novas conversas e pode ser reduzido

O custo anunciado de cinco milhões de euros para construir o palco principal da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 “magoou” os responsáveis da Igreja e da iniciativa. A confissão foi do próprio bispo auxiliar de Lisboa Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ, que diz que agora é possível estudar soluções alternativas que reduzam os custos. Ao mesmo tempo, o mesmo responsável diz que estão orçamentados 80 milhões de euros para os custos de organização por parte da Igreja, relativos sobretudo ao acolhimento dos peregrinos – alimentação, alojamento e outros aspectos relacionados.

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase é da historiadora Irene Pimentel. Valerá então a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? A Prémio Pessoa responde, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala neste 27 de janeiro.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This