Inquérito 7M sobre o Sínodo 2023 (3)

Um processo à procura da sua gramática

| 15 Mai 2022

Alfredo Teixeira

Alfredo Teixeira: o Sínodo “decorre num contexto social de fadiga democrática”. Foto © Maria Wilton/Arquivo 7MARGENS

 

Na sequência do inquérito sobre o final da fase diocesana do Sínodo em Portugal, feito pelo 7MARGENS, publicámos já comentários do franciscano capuchinho Fernando Ventura e da professora de Ética e teóloga Teresa Martinho. Fica a seguir o comentário de Alfredo Teixeira, professor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa.

 

A informação recolhida e apresentada pelo 7MARGENS acerca das sínteses sinodais dá conta de um processo à procura da sua gramática. As diferenças notórias quanto à agenda da sinodalidade podem explicar-se pela heterogeneidade das dioceses, pela assimetria de recursos e pela plasticidade de um processo que tem ainda uma dimensão exploratória, exigindo novas aprendizagens eclesiais. Mas explicar-se-ão também por atitudes diversas quanto à via sinodal: entre o seu reconhecimento como metodologia e a sua compreensão como traço constitutivo da Igreja como corpo.

Num texto recente, o teólogo Christoph Theobald recordava a querela entre Hans Küng e Joseph Ratzinger, em 1961, a propósito do concílio que João XXIII queria convocar. O primeiro sublinhava que a via conciliar se alicerçava na experiência de convocação, semelhante ao chamamento que reúne os cristãos para serem “igreja/assembleia” num lugar; esta proximidade entre sinodalidade e liturgia é, aliás, muito relevante na teologia ortodoxa. O segundo contestou esta correspondência, sublinhando que o concílio não é ekklesia, é synedrion, ou seja, o concílio não realiza a Igreja, como acontece na celebração eucarística, trata-se antes de um serviço específico na Igreja. Aproximando aquelas discussões sobre a conciliaridade e as atuais sobre a sinodalidade, tornar-se claro que estão em causa leituras divergentes – entre “sinodalidade da Igreja” e “sinodalidade na Igreja”, com amplas consequências quanto ao significado do que agora se ensaia.

É necessário recordar que, depois do II Concílio do Vaticano, a sinodalidade tendeu a ser interpretada à luz de um dos seus principais eixos de reflexão, a colegialidade episcopal. Agora, esse paradigma não é suficiente para imaginar as “artes de fazer” um sínodo, que o Papa Francisco elegeu como via de reforma (tal como João XXIII elegeu o concílio). As vias sinodais que agora se ensaiam remetem para uma complexidade que não pode ser resolvida num tipo de comunicação em que a diversidade do vivido, no plano local ou particular, fica à mercê de um processo de compactação, de síntese em síntese, de seleção em seleção, com escassa capacidade de influenciar os processos de decisão. Usando a conceitualidade da ciência das organizações, as incertezas sobre algumas das etapas do processo sinodal podem traduzir uma difícil articulação entre o tempo de “elaborar uma decisão” (law-making) e o tempo de “tomar uma decisão” (law-taking).

Sublinho, por último, que este acontecimento na eclesiosfera católica decorre num contexto social de fadiga democrática, que aponta para a necessidade de repensar as condições de participação e de representação nos processos políticos. Talvez a interação nestes dois contextos, o da construção de novas práticas de cidadania e o das novas aprendizagens sinodais, se possam fecundar mutuamente. Recorde-se que a figura da “cidadania” foi uma das primeiras formas de autocompreensão cristã.

 

Alfredo Teixeira é teólogo e antropólogo; publicou diversos estudos sobre o habitat institucional católico

 

Judeus da Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus da Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Cuidar do outro com humanidade

Cuidar do outro com humanidade novidade

A geração nascida em meados do século passado foi ensinada a respeitar os mais velhos, a escutá-los e seguir os seus ensinamentos, dada a sua condição de anciãos e, por tal, sabedores daquilo que é melhor para a família, para cada comunidade e para a sociedade em geral. Era assim que se preparavam as novas gerações para aprenderem a respeitar o outro, os seus pais, irmãos e avós, cuidando deles e uns dos outros, desde a nascença até à morte. [Texto de Caseiro Marques]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This