Um protestante português no Sri Lanka

| 14 Mai 19

Frontispício da primeira edição da tradução do Novo Testamento, feita em Batávia por João Ferreira d’Almeida

A sua base foi Batávia, atual Jacarta (Indonésia), mas trabalhou três anos no Ceilão (hoje Sri Lanka) como missionário. Sobre ele, diz José Tolentino de Mendonça que é “um dos nomes cimeiros da língua portuguesa e um clássico de excelência”. João Ferreira d’Almeida é o responsável pela obra literária mais divulgada de sempre na língua de Camões, com quase 200 milhões de exemplares distribuídos da tradução da Bíblia de sua lavra. Mas é, em simultâneo, um dos mais desconhecidos autores ou literatos de todo o espaço lusófono.

 

Ainda a propósito dos bárbaros ataques que surpreenderam – ou não! – os cristãos que celebravam a Páscoa deste ano de 2019 no Sri Lanka, a Taprobana cantada por Camões (de onde surgiria o Ceilão português), vale a pena recordar um entre tantos outros portugueses que por lá passou, perdido desde a adolescência nesse longínquo Oriente no não menos longínquo século XVII. Para uma nação com quase metade do território de Portugal mas com mais do dobro da sua população, a diversidade, sob o ponto de vista étnico mas também religioso, não é novidade, mas infelizmente continua a não ser sinónima de tolerância, se convivência fosse pedir muito.

Os próprios cristãos agora atacados indiscriminadamente em Colombo, sem cor nem bandeira, também nem sempre foram o padrão de uma convivência que se pudesse apelidar de pacífica. Mais de um século depois de os franciscanos portugueses terem iniciado a evangelização daquele território, também ali chegaram as missões protestantes, por via da Igreja Reformada, mais concretamente a partir de 1652, presença esta que se intensificou quando a ilha caiu em poder dos holandeses em 1656. O tal português, de que começámos a falar, foi João Ferreira Annes d’Almeida (1628-1691), convertido à fé calvinista desses mesmos holandeses e que chega como missionário a Ceilão em 1658, aqui permanecendo apenas três anos.

Mas quem foi este misterioso português protestante, ainda para mais pastor e missionário, coisa ainda mais rara há mais de três séculos? Acredita-se que tenha nascido em 1628 numa ainda pequena povoação, pertencente desde o século XIX ao concelho de Mangualde, de seu nome Torre de Tavares. Não se conhece quem foram os progenitores ou mesmo outros membros da família de parentesco mais próximo, com exceção da figura de um tio, padre católico romano, e que por morte de seus pais, quando Almeida era ainda criança, o terá passado a educar, na cidade de Lisboa.

Através das suas doutas mãos, o jovem Almeida terá passado por várias disciplinas do saber, entre as quais certamente o Latim, que lhe viria a ser muito útil na principal obra da sua vida: a primeira tradução completa da Bíblia para a língua portuguesa. Sem se conhecerem razões, se por vontade dele ou de terceiros, se só ou acompanhado, Almeida acaba por abandonar a capital do Reino em 1640-1641, em data bem próxima à restauração da independência nacional. Encontramos, assim, este adolescente, com apenas 12-13 anos de idade em Amesterdão, na Holanda, de onde parte passado pouco tempo para o Extremo Oriente, e de onde não mais regressaria ao rincão natal.

É o próprio Almeida que nos faz saber que em 1642 já se encontrava em Malaca (Malásia), depois de passar algum tempo em Batávia, atual Jacarta, capital da Indonésia. Quando viajava de Batávia para Malaca, chegou às suas mãos um livreto em castelhano, da autoria do também tradutor bíblico Cipriano de Valera, no qual eram apresentadas as principais doutrinas da fé reformada em contraposição com o catolicismo romano. Após a leitura desse texto, intitulado Differença da Christandade, Almeida viria a converter-se ao protestantismo, tornando-se parte da Igreja Reformada Holandesa, cuja pregação foi realizada em português naquela região a partir de 1633, sendo apenas extinta em 1808.

De 1642 a 1651, Almeida permaneceu em Malaca envolvendo-se com a comunidade protestante através de visitas a doentes, apoio a marinheiros e viajantes que ali aportavam, ensinando as crianças a ler e a escrever, ao mesmo tempo que iniciava a primeira tradução da Bíblia. Este notável feito aconteceu quando Almeida tinha ainda 14 anos! Terminado este período, Almeida regressa a Batávia, onde inicia os seus estudos teológicos junto dos pastores holandeses da Igreja Reformada.

Concluída a sua formação em 1654, e depois de estagiar durante dois anos, Ferreira de Almeida é ordenado, tornando-se assim o primeiro pastor protestante português, dois séculos antes do estabelecimento das primeiras comunidades reformadas em território metropolitano. Após a sua preparação, Almeida, juntamente com sua esposa, Lucrécia Valcoa de Lemos – de quem viria a ter uma filha e um filho de nome Mateus – e com o seu colega Baldaeus, parte para o sul da Índia e Ceilão, onde os três missionam durante vários anos em diversas localidades da região.

Em maio de 1663, Almeida regressa a Batávia, de onde já não sairia. Assume o pastorado da Igreja Reformada de Batávia, de língua portuguesa, onde se iria manter quase até ao seu falecimento, provavelmente ocorrido em agosto de 1691. Foi durante este último período em Batávia que Almeida viria a assistir à primeira edição do Novo Testamento, por si traduzido para português. Esta obra foi impressa na Holanda, em 1681, mas o destino final dos exemplares produzidos era o Extremo Oriente, onde as diversas comunidades de língua portuguesa já deveriam conhecer a obra de Almeida, pelo menos desde 1654. Almeida traduziu ainda a maior parte do Antigo Testamento, mas o seu falecimento impediu-o de ir além do livro de Ezequiel.

O restante viria a ser vertido para português por um pastor holandês, seu sucessor na igreja em Batávia, Jacobus op den Akker. Com a edição do Antigo Testamento (Tomo I em 1748 e Tomo II em 1753) completar-se-ia a edição da “Bíblia de Almeida” mais de 60 anos depois do falecimento do seu grande obreiro.

João Ferreira Annes d’Almeida é, pois, caso raro na história dos feitos e das obras de Portugal e dos portugueses. Dos mais prolixos autores, tradutores e divulgadores da língua portuguesa no século XVII, é ele o responsável pela obra literária mais divulgada de sempre na língua de Camões – mas também de D. Dinis, Vieira, Pessoa ou Saramago, e ainda de Amado, Pepetela, Mia Couto… – com os seus quase 200 milhões de exemplares distribuídos da tradução da Bíblia de sua lavra em mais de 2.500 edições. Mas é, em simultâneo, um dos mais desconhecidos autores ou literatos de todo o espaço lusófono. Ausente da grande maioria dos compêndios de história ou de antologias da língua lusa, Ferreira de Almeida é, no dizer do poeta e bispo José Tolentino de Mendonça, “um dos nomes cimeiros da língua portuguesa e um clássico de excelência”.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Peste Malina novidade

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Afinal, quem são os evangélicos?

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco