Fundação AIS promove #RedWeek

Um relatório, igrejas de vermelho, vigílias e missas para lembrar e ajudar os cristãos perseguidos

| 14 Nov 2022

cristo redentor iluminado de vermelho na iniciativa #RedWeek da Fundação AIS Foto c ACN

A iniciativa remonta a 2015, quando o escritório brasileiro da AIS iluminou de vermelho o monumento do Cristo Redentor para chamar a atenção para a perseguição aos cristãos no Iraque. Foto © ACN.

 

De 16 a 23 de novembro, em Portugal e em inúmeros países onde a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) está representada, irão decorrer iniciativas que visam sensibilizar a opinião pública para a situação dos cristãos que são vítimas de intolerância religiosa. Entre elas, destaca-se a apresentação do Relatório “Perseguidos e esquecidos?”, um estudo produzido pela fundação de dois em dois anos, que dá conta da evolução da violência contra a comunidade cristã em todo o mundo.

Além da apresentação do relatório (que acontecerá na Câmara do Parlamento Britânico, em Londres, esta quarta-feira, 16 de novembro), centenas de igrejas e monumentos vão ser iluminados de vermelho em algumas das principais cidades do planeta. Trata-se da campanha #RedWeek (em português, “semana vermelha”), em sinal da violência e do martírio que as comunidades cristãs sofrem em várias regiões do globo, avança o Vatican News.

A iniciativa remonta a 2015, quando o escritório brasileiro da AIS iluminou de vermelho o monumento do Cristo Redentor para chamar a atenção para a perseguição aos cristãos no Iraque.

Este ano, a fundação pontifícia recomenda que as igrejas permaneçam iluminadas de vermelho apenas por breves períodos de tempo, ou substituam a iluminação pelo badalar de sinos, a fim de economizar energia.

Também na quarta-feira, 16 de novembro, será celebrada uma missa na Igreja de São Carlos Borromeo, em Viena. Até agora, pelo menos 94 igrejas austríacas confirmaram a sua adesão à iniciativa, acendendo luzes vermelhas ou realizando eventos de oração.

Na América do Sul, a Fundação AIS Colômbia convidou a irmã Gloria Narvaéz, uma religiosa que foi prisioneira de terroristas islâmicos durante cinco anos, para partilhar a sua experiência em Bogotá e Medellín.

O Reino Unido preparou uma grande variedade de eventos tanto em Inglaterra quanto na Escócia, incluindo a iniciativa Taste of Home, onde amigos e familiares se reunirão para partilhar uma refeição tradicional de um dos países onde os cristãos são perseguidos e contar histórias sobre a Igreja que sofre, rezar e arrecadar fundos para apoiar os refugiados.

Em França, os sinos tocarão numa centena de igrejas em todo o país, e será realizada uma mesa redonda no dia 22 de novembro no Colégio Bernardino de Paris, seguida de uma vigília de oração noturna em Montmartre no dia 23, com o testemunho do arcebispo Ndagoso de Kaduna, Nigéria.

A AIS Alemanha convidou pessoas do Iraque, Nigéria e Paquistão para dar testemunho nas catedrais de Regensburg, Mainz e Augsburg, entre outras. No total, sessenta paróquias alemãs já confirmaram a sua participação na #RedWeek.

Em Portugal, diversas paróquias já se associaram a esta iniciativa, nomeadamente a Ramada, em Odivelas, e a Basílica dos Congregados, em Braga. Também será iluminado de vermelho o Monumento ao Cristo Rei, em Almada, onde no dia 16 de novembro., pelas 16h30, será rezado o terço, seguido de celebração da missa.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This