Um Salmo sobre a confiança em Deus, “contra” o Covid-19

| 12 Mar 20

Notícias – verdadeiras e falsas, como agora é frequente –, opiniões, conselhos, fotografias, cartoons, etc.; sobre a pandemia, tem havido de tudo nos media e nas redes sociais. Incluindo publicidade. Mas há anúncios publicitários que não visam vender qualquer produto ou serviço. É o caso deste divulgado pela edição francesa de Aleteia.

Dizendo que “há um vírus que se espalha mais depressa do que o coronavírus: é o medo do coronavírus”, exibe uma caixa que, à primeira vista, não se distingue das que se vendem nas farmácias. Propõe-se também como um medicamento, mas não é um comprimido, uma cápsula ou algo produzido pela indústria farmacêutica. O remédio para estes dias de receio ou de pânico planetário é um salmo sapiencial. É o Salmo 91 (90), que é, como diz a Bíblia dos Capuchinhos, uma “meditação sobre as bases e as consequências da confiança em Deus. Viver sob a sua protecção inspira total segurança. O tema é tratado de forma simples: uma apresentação do mesmo em terceira pessoa (1-2), o desenvolvimento em segunda pessoa (3-13) e o oráculo final de Deus endereçado em terceira pessoa (14-16). Várias expressões parecem situar a cena dentro do santuário”:

Salmo 91 – Deus é o meu amparo

(1) Aquele que habita sob a protecção do Altíssimo

e mora à sombra do Omnipotente,

(2) pode exclamar: “SENHOR, Tu és o meu refúgio,

a minha cidadela, o meu Deus, em quem confio!”

(3) Ele há-de livrar-te da armadilha do caçador

e do flagelo maligno.

(4) Ele te cobrirá com as suas penas;

debaixo das suas asas encontrarás refúgio;

a sua fidelidade é escudo e couraça.

(5) Não temerás o terror da noite,

nem da seta que voa de dia,

(6) nem da peste que alastra nas trevas,

nem do flagelo que mata em pleno dia.

(7) Podem cair mil à tua esquerda

e dez mil à tua direita,

mas tu não serás atingido.

(8) Basta abrires os olhos,

para veres a recompensa dos ímpios.

(9) Pois disseste: “O SENHOR é o meu único refúgio!”

Fizeste do Altíssimo o teu auxílio.

(10) Por isso, nenhum mal te acontecerá,

nenhuma epidemia chegará à tua tenda.

(11) É que Ele deu ordens aos seus anjos,

para que te guardem em todos os teus caminhos.

(12) Eles hão-de elevar-te na palma das mãos,

para que não tropeces em nenhuma pedra.

(13) Poderás caminhar sobre serpentes e víboras,

calcar aos pés leões e dragões.

(14) ”Porque acreditou em mim, hei-de salvá-lo;

hei-de defendê-lo, porque conheceu o meu nome.

(15) Quando me invocar, hei-de responder-lhe;

estarei a seu lado na tribulação,

para o salvar e encher de honras.

(16) Hei-de recompensá-lo com longos dias

e mostrar-lhe a minha salvação.”

Artigos relacionados