Um sentido para a vida das pessoas (2)

| 4 Set 20

2. O que podemos esperar?

(A primeira parte do texto pode ser lida nesta ligação.)

 

O que podemos então esperar? Talvez não aquilo que virá, mas aquilo que já cá está. O Reino, escreveu São Lucas, “não vem de modo ostensivo. Ninguém poderá afirmar ‘Ei-lo aqui ou ali’, pois o reino de Deus está dentro de vós.” (Lc 18 20-21). O Reino – a plenitude ilimitada da liberdade, do amor, do conhecimento, da justiça, da verdade, da beleza. A expressão do infinito na finitude.

Que o Reino não signifique o fim da esperança, mas o lugar onde a esperança é para sempre. Irredutível, plena, luminosa, como quando experimentamos algo verdadeiramente belo e sublime. Com efeito, a verdadeira beleza parece precisamente a manifestação sensível do Ilimitado, do Absoluto. Ela é, digamos, a própria perceção subjetiva que podemos ter do Ilimitado enquanto tal, da Verdade enquanto tal. Ou mesmo já uma forma de mergulharmos nele, sendo subtraídos por momentos aos limites espaciotemporais da nossa condição imediata.

Assim é, toda a boa arte e toda a beleza, uma porta para o universal, para o eterno em nós. Por isso, a experiência da Beleza comporta consigo a Esperança. Uma esperança que não requer ser imediatamente satisfeita, mas tão-só ser contemplada. Contemplação do que É, quer dizer, do que participa do próprio Absoluto-Ser. Ao abrir-nos ao Ser, a Beleza abre-nos também ao nosso próprio ser, esse imenso ilimitado de possibilidades radicado em nós, quer dizer, para a fonte da nossa suprema liberdade, da nossa suprema verdade. Ela leva-nos a intuir a real dimensão das nossas mais vastas e elevadas possibilidades de ser, e é assim que a esperança emerge em nós. O estético desperta o ético porque revela o ontológico. Fundamentalmente, a Beleza é a prova de que a vida possui em si própria a razão da sua esperança, só por ser vida. Noutras palavras, a Beleza revela que a vida vale a pena, só porque É. Porque assenta no próprio Ser-Absoluto que contém em si o seu próprio desígnio e fundamento.

Em suma, a verdadeira e escatológica esperança parece resultar de um exercício de reconhecimento e perceção do Infinito em todas as coisas, dentro e fora de nós, traduzido em conhecimento e beleza. Para quem tem algum tipo de fé religiosa institucional e dogmática, é talvez mais fácil desenvolver uma esperança numa escatologia entendida como “fim da história” que signifique verdadeira libertação, redenção, paz, felicidade suprema. Mas há sempre o risco de fechar Deus numa ideologia, num ídolo, e não só Deus como uma determinada doutrina, uma lei ou tábua de preceitos, ou mesmo uma profecia.

Há sempre e demasiado o risco da literalidade das interpretações, que é uma forma de materialismo espiritual. O dogma é materialismo espiritual, porque pressupõe-se que se pode possuir uma verdade como um capital, e que esta pode realmente ser provada ou apreendida como algo objetivo e definido, logo, limitado. E não há dúvida que este confinamento a que se vota o espírito e a imaginação pode tornar-se numa cegueira para o Ilimitado, isto é, o Aberto que Deus realmente parece significar enquanto Infinito.

Ora, o fechamento nesta materialidade do dogma ou do rito desemboca em formalidade, e a formalidade mata a esperança vivida enquanto tal, ou seja, como promessa real sustentada na experiência subjetiva de uma abertura para o ilimitado de Deus. Colocar a esperança em algo que é entendido literalmente desta ou daquela maneira, isto é, dogmaticamente, é talvez fazer da esperança algo finito e limitado, que logo que isto ou aquilo aconteça será satisfeita – logo, terminará, ou então será desiludida, se se revelar uma esperança falsa ou vã.

Esta é uma escatologia materialista, porque ideológica, isto é, fundada em dogmas e pressupostos de realização de uma determinada materialidade histórica, de uma utopia. Isto é tão verdadeiro para certas ideologias políticas de caráter escatológico, utópico, como para certas formas ideológicas de religião. A esperança que propõem é limitada, porque é suposto que ela se cumpra no tempo, e não no ilimitado – i.e., no não-tempo, no eterno.

Mas pode uma esperança assim limitada realmente satisfazer, iluminar, dar vida, durar, encantar e dar plenitude de sentido à existência? E estar à altura da radical sede de Infinito que atravessa o humano? É que muitas vezes a utopia que prometem não é afinal totalmente satisfatória para a integralidade das aspirações, não só materiais, mas sobretudo espirituais da pessoa humana… Não um verdadeiro “fim da História”, mas só mais um episódio que pode inclusive significar inteiro retrocesso… Veja-se que hoje, mesmo no culminar da prosperidade, da cultura e da liberdade das sociedades ditas de primeiro mundo, há um profundo vazio de sentido existencial que se traduz frequentemente em angústia, depressão, suicídio, etc. Muitas esperanças foram cumpridas após séculos de aspirações, trabalhos e lutas diversas. Mas por que é que isso não chegou para que fôssemos completamente felizes?

São Paulo, na Carta aos Romanos, tem uma passagem curiosa e algo enigmática. Ele diz: “Porque na esperança é que fomos salvos. Mas a esperança que se vê não é esperança, pois aquilo que alguém vê, como é que o espera ainda?” (Rom 8 24)

Talvez a verdadeira esperança exija menos ser satisfeita do que contemplada como tal, isto é, como promessa de realização no infinito. Só isto talvez nos ofereça o impulso da verdadeira procura, a alegria do caminho e da descoberta, da aprendizagem e do aperfeiçoamento contínuo, tendo por base a constante expetativa do milagre que pode irromper do infinito Milagre que é o próprio Ser. Uma esperança que se traduza em vida, e não somente em espera, trazendo já ao dia de hoje esse infinito e essa verdade que se intui como finalidade e destino de uma liberdade que desperta para o seu ilimitado.

 

Ruben Azevedo é professor e membro do Ginásio de Educação Da Vinci – Campo de Ourique (Lisboa).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação de um homem ao pagamento de mais de 60 mil euros à ex-companheira pelo trabalho doméstico que esta desenvolveu ao longo de quase 30 anos de união de facto. (Público, 24-2-2021)
No acórdão, datado de 14 de Janeiro (…), o STJ refere que o exercício da actividade doméstica exclusivamente ou essencialmente por um dos membros da união de facto, sem contrapartida, “resulta num verdadeiro empobrecimento deste e a correspectiva libertação do outro membro da realização dessas tarefas”.

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

Guardar o jardim do mundo

Nestes tempos em que o início da Quaresma coincide com um estranho confinamento, explicado por uma pandemia que há um ano nos atinge e que vai afetar pelo segundo ano consecutivo a nossa Páscoa, importa recordar mais uma vez o que o Papa Francisco nos afirmou na encíclica Laudato Si’. Esta pandemia será ultrapassada, com mais ou menos esforço, mesmo que tenhamos de continuar a lidar com o vírus.

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Viagem ao Sul

Hoje conto-vos acerca da nossa viagem ao Sul, na semana de Acção de Graças em pleno Novembro de 2020. Um dos aspectos interessantes de viver nos Estados Unidos é a possibilidade de, sem sair das fronteiras do país, encontrarmos de tudo um pouco: desde o inverno gélido de Washington DC aos cenários verdes e húmidos da Geórgia, passando pela secura e aridez do Mississípi.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This