[Olhar de teóloga]

Um só rebanho com diversidade

| 21 Jul 2022

Cruz colorida. LGBTI

“Nunca escondi, nem esconderei, a minha relação com comunidades de diversidade sexual que acompanho na medida em que elas querem, onde tenho amigos com quem partilho a fé em Deus e num cristianismo inclusivo que leve a Igreja a sê-lo também.” Foto: Direitos reservados.

 

Diz João no seu Evangelho: “Eu sou o bom pastor: conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem-me, tal como o Pai me conhece e Eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. E tenho outras ovelhas que não são deste redil. É necessário que também a essas Eu conduza; ouvirão a minha voz e haverá um só rebanho e um só pastor.” (Jo 10:14-16)

Junho é o mês em que, tradicionalmente, vemos muitas manifestações de todos os tipos e onde a bandeira arco-íris voa amplamente desfraldada. É o mês em que se comemora o Dia do Orgulho.

 

Frustrações e tristezas

Nunca escondi, nem esconderei, a minha relação com comunidades de diversidade sexual que acompanho na medida em que elas querem, onde tenho amigos com quem partilho alegrias, sonhos, esperanças, frustrações, tristezas, e fé em Deus e num cristianismo inclusivo que leve a Igreja a sê-lo também.

Recentemente tornou-se público que o franciscano alemão Markus Fhurmann tinha sido eleito provincial depois de se ter declarado publicamente homossexual.

Ao ver a notícia, perguntei-me: quando se verá isto tão normal que deixe de ser notícia?

 

Diferenças admitidas

Na rua encontramos pessoas que são diferentes umas das outras porque somos todos diferentes. E há pessoas que, para além de todas as diferenças admitidas sem problemas, são sexualmente diferentes. Algo que é admitido na sociedade, algo que é admitido pela maioria da ampla base do povo de Deus que é o laicado e que, ainda hoje e oficialmente, uma parte da hierarquia olha com desdém e, claro, não aceita. É certo que alguns bispos já estão a dar alguns passos, o que é de saudar.

Também recentemente, os bispos de uma província eclesiástica [espanhola] emitiram um comunicado a propósito da aprovação da “Lei Trans” da comunidade a que pertencem. Sem entrar nem na lei nem na resposta dos bispos, pensei em como nos condiciona a todos ter apenas um único ponto de vista.

 

A polarização como regra

Fruto da época em que vivemos, marcada pelo imediatismo e que não permite a criação e muito menos o estabelecimento de correntes de pensamento, a polarização parece ser a única regra do jogo, tanto na sociedade como na Igreja.

Assim, os políticos tendem a ideologizar tudo o que lhes cai nas mãos e, na Igreja, responde-se com rigidez. Lendo a declaração dos bispos, interroguei-me sobre o ponto de vista a partir do qual estariam a reflectir, se teriam falado com cientistas sociais, se saberiam quem são Judith P. Butler e a sua teoria queer, e Paul-Michel Foucault e a sua história da sexualidade humana. Não estou a dizer que eles têm de concordar com os estudos e investigações destas duas pessoas, pergunto somente se as conhecerão e saberão quem são. Aparentemente não, não as conhecem.

 

Manuais de moral

A postura da Igreja oficial, em geral, diante da realidade das comunidades e pessoas de diversidade sexual, costuma começar e terminar nos manuais de moral sexual sem sequer espreitar o texto do Evangelho de João que abre esta reflexão. Não há texto mais inclusivo, mais acolhedor e mais claro no evangelho sobre o que deve ser o único rebanho. Como se isto não fosse suficiente, no Evangelho de João há outra questão muito importante: é que não há apóstolos, todos são discípulos, e este ensinamento de como deve ser o único pastor do único rebanho, é dirigido a todos aqueles que o possam acompanhar naquele momento.

As comunidades de diversidade sexual, neste momento e dentro da Igreja, são como a mulher encurvada do Evangelho de Lucas. Encurvámos essas pessoas com o peso de mil histórias somadas, mil desprezos, mil fardos vazios de conteúdo e, sobretudo, milhares de preconceitos a que não queremos nem sabemos como renunciar.

 

Ninguém excluído

Porque o facto de Jesus ter curado a mulher, endireitando-a, é o que sempre atrai e focaliza a reflexão; no entanto, o facto de ele a ter ajudado a pôr-se direita significou para a mulher poder olhar para Jesus cara a cara – e não esqueçamos que ele era e é Deus. Jesus, com esse gesto, lançou a poderosa mensagem de que ninguém estava excluído – a situação da mulher naquela época e a situação das pessoas de diversidade sexual hoje – da ternura e do olhar de Deus.

Também como Igreja deveremos viver o processo de nos endireitarmos com a ajuda de Deus para nos livrarmos das histórias, tradições, fardos e preconceitos com os quais temos sobrecarregado os outros. Se não o fizermos, como poderemos olhar para os nossos semelhantes – todos diferentes entre si e todos criados à imagem e semelhança de Deus – cara a cara?

 

Pequenos passos

Vão-se dando pequenos passos. Conheço bispos, sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos que acompanham com a mais absoluta naturalidade, ou seja, de forma igual, pessoas que provêm destas comunidades e comunidades inteiras. Essa é a atitude. A normalidade.

Agora falta ir reconhecendo que essa diversidade sexual não está apenas fora da Igreja, mas que está dentro dela desde… Há leigos, naturalmente, e também sacerdotes, religiosos e religiosas, monges, freiras e bispos. Nem todos sabem como enquadrar essa diferença, se devem ou não manifestá-la, dá-la a conhecer, como vivê-la.

 

A vocação

Definitivamente, vivem a sofrer muito por algo que não escolheram ser. Isso impede-os de desfrutar da vocação para a qual foram chamados porque ninguém pense que todos fogem do mundo e buscam na vida eclesial, religiosa, etc., um refúgio. Pode ser que alguns tenham decidido assim, mas não é fácil viver essa vida sem vocação. No entanto, há aqueles que têm uma autêntica vocação e entrega para tornar realidade o Reino de Deus; e assim sendo, o que os diferencia de tantos outros?

Dizia Yvan Audouard, jornalista e escritor francês: “Bem-aventurados os fragmentados, porque deixam passar a luz”. Sinceramente, prefiro que a luz multicolor que os nossos amigos das comunidades de diversidade sexual nos possam proporcionar, seja fruto da refração quando a luz atravessa gotas de água ou um prisma de vidro triangular. Porque, como dizia Eduardo Galeano, “o mundo muda se dois se olham e se reconhecem”.

 

P.S. – Mantemos a esperança de que algum dia se olhe de modo tão fino a moral social, como se faz agora, em algumas instâncias eclesiásticas, com a moral sexual?

 

 

Cristina Inogés Sanz é teóloga e integra a comissão metodológica do Sínodo dos Bispos católicos. Este texto é publicado por cedência da autora e da revista espanhola Vida Nueva ao 7MARGENS. Tradução de Júlio Martin.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This