Uma associação para defender os direitos dos mais velhos

| 2 Mai 2021

São todos voluntários. Em Rede, participam em programas de intervenção social e cultural dirigidos aos residentes mais velhos dos bairros sociais. Pertencem à Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Carnide (ARPIC), em Lisboa.

Promover o envelhecimento ativo é uma das prioridades da ARPIC, aqui através do grupo coral Arpicantares. Foto @ARPIC

 

Nos bairros Padre Cruz e da Horta Nova, em Carnide, todos conhecem a ARPIC, a associação onde é possível conseguir ajuda, seja para o que for. Para preencher os papéis para o subsídio de desemprego ou para o IRS, para ajudar a encontrar soluções para os idosos isolados, para visitar os que estão nos lares, para facilitar o contacto entre os vizinhos. São ações desenvolvidas no âmbito do programa de intervenção e apoio social, “Pulsar”, para defender os direitos dos mais velhos, tendo em vista a sua formação e informação.

Além das questões práticas, a ARPIC contribui também para promover o envelhecimento ativo, integração social e qualidade de vida, através de várias atividades culturais, visitas e passeios com os associados.

Uma das suas principais iniciativas é o Grupo Coral (Arpicantares) com 60 pessoas, que participa com os seus cantares tradicionais junto de ATL e de escolas, Feira das Expressões ou Instituições de Idosos. “Começou por ser, apenas, um grupo coral mas, pouco a pouco, foram aprendendo a tocar cavaquinho, a que se juntaram outros participantes com violas, bandolim, banjo, banjola, concertina, bateria, adufes, pandeireta, ferrinhos…” conta Fernando Oliveira, da direção da associação. “Nos seus ensaios, os participantes não se limitam à música, pois o convívio entre os componentes é também muito positivo e a alegria uma constante; alegria essa que conseguem, depois, partilhar e transmitir a todo o público, sendo esse um dos objetivos principais.”

Este grupo deu origem a outro: o grupo de Cavaquinhos. “Embora seja um grupo heterogéneo, a música e a alegria é um fator de união que depois se aplica nas atuações e na interação com o público, principalmente com as pessoas que estão em lares, centros de dia ou hospitais, espelhando-se aqui um verdadeiro espírito de solidariedade e de fraternidade”, refere Fernando Oliveira, adiantando que estes grupos atuam também nos dias festivos da freguesia: 25 de Abril, Dia da Poesia, Dias do Vizinho, programação Cultural da Feira da Luz, junto de ATL e escolas, Feira das Expressões, Feira do Fumeiro… “E sempre onde formos convidados.”

 

Juntos, no Cante Alentejano

A instituição procura também manter viva o Cante Alentejano. Foto @ARPIC

 

A ação cultural “inserida nesta dinâmica de participação ativa” estende ainda a sua intervenção à defesa do Património Imaterial da Humanidade, de que é um bom exemplo a criação de Grupo de Cante Alentejano. Composto por cerca de três dezenas de elementos, foi fundado por José Cordeiro, um alentejano de Pias, e por Mário Mendes.

Constituído apenas por vozes masculinas, atuou pela primeira vez em dezembro de 2015, numa festa de Natal no Centro Cultural de Carnide. Eram, então, apenas sete cantadores. Passados dois anos, o grupo aumentou para três dezenas de cantadores que têm atuado em vários locais. E “mesmo neste tempo complicado de pandemia e de contingência, o grupo tem procurado manter ensaios, ainda que à distância, com recursos às plataformas digitais de comunicação”, diz Fernando Oliveira. “A atividade muito meritória do grupo masculino de Cante Alentejano, pioneiro na cidade de Lisboa, tem valorizado o Cante na diáspora, quer com a participação noutras freguesias, quer de modo próprio organizando encontros de Grupos de Cante.”

De uma “costela” deste grupo, nasceu, em 2019, o grupo de Cante Alentejano feminino, por ocasião da comemoração do 5.º aniversário da declaração da Unesco. E pode vir a haver mais: “Mantemos viva a esperança de iniciar, a breve trecho, a atividade de fado”, anuncia Fernando Oliveira.

 

Uma história de abril

Criada em 2004, a ARPIC tem como referências “as portas que abril abriu”. Foto © ARPIC

 

“A história da ARPIC tem como referência as portas que abril abriu”, diz o dirigente da associação. Em abril de 2004, “um grupo de amigos, Maria Vilar, João Gualdino e José Cardoso, sentindo a necessidade de dotar a freguesia de Carnide de uma associação virada para os idosos e para os reformados, lançou-se ao caminho e, em 6 de julho desse ano, fizeram nascer a ARPIC – Associação de Reformados Pensionistas e Idosos de Carnide.”

Na génese do grupo estava a vontade de “criar alternativas e dinâmicas para a população sénior de Carnide, preenchendo uma lacuna então existente, como o diálogo entre idosos, a sua inter-relação e a sua convivência.” Princípios que, hoje, a ARPIC, com 180 associados, continua a manter em articulação com a Junta de Freguesia.

Projetos não faltam para prosseguir a atividade da associação. “Manter como princípio as portas abertas; a criação de uma rádio digital, Arpic online; oficinas sobre temas atuais e de saúde; levar cinema e poesia com jograis às escolas…”, enumera Fernando Oliveira. “Continuar a desenvolver o grupo etnográfico/folclore e iniciar as atividades teatrais e potenciar o Teatro Sénior; estender e estabelecer novas parcerias, principalmente na área da saúde e do desporto, fortalecer parcerias em vigor; manter vivo o sonho de uma sede própria e de sustentabilidade da ARPIC…” acrescenta, de olhos postos no futuro.

 

 

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This