“A Minha Liberdade é de todos”

Uma campanha na qual o lápis azul já não é censura

| 3 Mar 2024

A censura do lápis azul, neste caso ao Jornal do Fundão. Foto: Direitos reservados.

A censura do lápis azul, neste caso ao Jornal do Fundão. Foto: Direitos reservados.

 

Usar o lápis azul, símbolo marcante da censura praticada durante o regime autoritário do Estado Novo, para desenhar livremente. Essa é a ideia do programa “A Minha Liberdade é de Todos”, dinamizado pela Comissão Comemorativa 50 anos do 25 de Abril, em parceria com a plataforma Gerador. 

“Este projeto pretende contribuir para um maior conhecimento sobre a ditadura em Portugal, nomeadamente sobre a censura e os seus impactos, chamando a atenção para uma das mais relevantes conquistas de Abril: a liberdade”, afirma Maria Inácia Rezola, comissária executiva das Comemorações, num comunicado enviado ao 7MARGENS. “Esperamos também que a campanha desperte a curiosidade dos mais jovens sobre esse período da nossa história recente e os motive a convidar outras gerações a participarem na iniciativa”, acrescenta, para afirmar: “O trabalho pela preservação da memória e pela construção dos próximos 50 anos de democracia precisa de todos.” 

A ideia consistirá em preencher um pequeno quadrado do tamanho de um azulejo tradicional português com um desenho, que, irá, depois, constituir um mural digital coletivo [designado Mural da Liberdade] que será divulgado em abril na página digital do projeto. No fundo, transformar-se-á um símbolo de censura e opressão, o lápis azul, num símbolo de liberdade.

Esta iniciativa será posta em prática em mais de 200 escolas do 2.º Ciclo ao Ensino Secundário de todo o país ao longo deste mês de março e aceita a colaboração de todas as pessoas, através da página digital do projecto, na qual o desenho pode ser realizado através de computador, tablet ou telemóvel. É também possível aderir à campanha através das redes sociais, seguindo as indicações descritas no site e usando a senha #aminhaliberdadeedetodos.

Imagem do programa “A Minha Liberdade é de Todos”, dinamizado pela Comissão Comemorativa 50 anos do 25 de Abril.

Imagem de “A Minha Liberdade é de Todos”, iniciativa dinamizada pela Comissão Comemorativa 50 anos do 25 de Abril.

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This