Uma cultura sinodal leva tempo

| 21 Mar 2022

Retrato da Mona Lisa

 

A escuta sinodal continua e tem prazo. Mas se a sinodalidade deveria ser o modo de sermos Igreja, quando terminar o Sínodo dos bispos sobre esse assunto e passarmos a outro, deixará de haver escuta sinodal? Os prazos podem ajudar-nos a falar sobre assuntos nos quais o interesse é relativo e isso é positivo para evitarmos adiar falarmos sobre os assuntos difíceis. Mas os prazos levam-nos, também, ao risco de quando terminarem, terminar o interesse. Saltamos de nenúfar em nenúfar quando a grande ideia que sinto com a escuta sinodal é a da criação de uma cultura nova. Uma cultura sinodal. Porém, desenvolver uma cultura leva tempo.

Nos momentos de escuta sinodal em que participei senti a importância deste estilo de ser Igreja. Receava que o diálogo mostrasse como somos especialistas de generalidades, sobrevoando sobre tudo, sem pousar nas coisas concretas e ir a fundo em relação ao que pensamos, mas era um receio infundado. Nas poucas experiências que fiz pude observar como a abertura da mente e do coração nas palavras oferecidas por cada pessoa nos leva a uma experiência de liberdade. Percebi que a escuta sinodal é uma experiência libertadora.

“conhecereis a verdade e a verdade vos tornará livres.” (Evangelho de João 8, 32)

A crise ambiental, ou até a que estamos a viver com a guerra na Ucrânia, têm a sua raiz numa crise antropológica mais profunda: uma cultura em que as pessoas deixaram de saber falar umas com as outras. Com tanta coisa que temos para fazer, pouco tempo sobra para um exame regular de consciência sobre o nosso modo de viver em Deus e sermos comunidade em Igreja. Se as coisas estão bem assim, por que razão haveremos de mudar? Mas com todos os escândalos a acontecer, o crescente desânimo espiritual, o acentuar das visões radicais de vivência da fé, a necessidade de mudar tornou-se uma exigência da consciência. Mas se cedermos à pressa com que queremos mudar, arriscamo-nos a manter o ritmo que levou à crise antropológica em que nos encontramos.

A cultura evolui, mas o ritmo é completamente diferente daquele que experimentamos, por exemplo, com a tecnologia. A escuta sinodal parece-me ser um primeiro passo importante no caminho sinodal, mas exige alguma lentidão. O psiquiatra americano Morgan Scott Peck, conhecido pelo seu famoso livro O Caminho Menos Percorrido dizia que “não podemos escutar verdadeiramente alguém e fazer qualquer outra coisa ao mesmo tempo”. A ideia de escutarmos todos neste processo sinodal pode amedrontar pelo tempo que leva, mas que leve tempo. Escutar não é um dom, mas uma questão de treino. E ao fazermos este treino, na prática, estamos a construir uma cultura sinodal de quem sabe escutar com atenção. Porém, para darmos oportunidade a todos, implica falar o essencial.

Os pensamentos partilhados sobre o modo de ser da Igreja provêm da nossa experiência de vida feita de histórias. O que partilharemos serão muitas histórias, mas contá-las é uma arte. Quando alguém partilha connosco uma experiência e a enche de pormenores e mais detalhes, para que todos percebam “realmente” o que se experimentou, o essencial pode perder-se. Há algum tempo que me debato com as razões de nos perdermos, por vezes, com os pormenores de uma experiência. Será que interiormente estamos ainda à procura do cerne da experiência que nos é difícil (ainda) verbalizar? Ou receamos que o cerne da questão dito na sua essência gere mal-entendidos? Será uma falta de treino na parrésia? Ou receamos que o outro perca a paciência (hipomoné) para nos ouvir em profundidade? Talvez por isso se entenda o valor de uma primeira ronda em que cada um partilha o que pensa sobre um assunto, e uma segunda ronda para verificar se o nosso pensar se transformou com o pensar do outro.

Um dos traços relevantes deste caminho sinodal seria ajudar-nos a ler os sinais dos tempos e, se os tempos mudam rapidamente, há quem seja da opinião que também a evolução cultural deveria ser mais rápida. Porém, se Leonardo da Vinci tivesse pintado a Mona Lisa em quatro semanas, acham que teríamos o quadro que ele demorou quatro anos a pintar? E querem comparar um quadro com a qualidade da Mona Lisa com a potencialidade e qualidade exigida de uma Igreja verdadeiramente sinodal?

O que gera valor leva tempo. O caminho sinodal não termina com o envio de contributos, assim como o Concílio Vaticano II não termina enquanto não tivermos a coragem de deixarmos o Espírito Santo agir nos nossos corações. Ele tem todo o tempo do mundo e estou certo de não se importar que levemos tempo a criar uma cultura sinodal para a Igreja do próximo milénio.

 

Miguel Panão é professor no Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Coimbra; para acompanhar o que escreve pode subscrever a Newsletter Escritos. Contacto: miguel@miguelpanao.com 

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This